NOSSA DEMOCRACIA É ADOLESCENTE, MAS PRECISAMOS APRENDER A FAZER-LA E PRESERVA-LA

By: Michaell Lange,

London, 28/04/17 –

 

O Brasil é um país jovem que tem penas 195 anos idade. Nossa democracia é pre-adolescente, o que justificaria nossos erros de exercício. Mas nesse caso, estamos falando de adultos exercitando uma democracia jovem e por tanto, é preciso aprendermos a fazer democracia e ao mesmo tempo preserva-la.

Não há nada mais auto-destrutivo, no que se refere ao exercício democrático, do que barricada construída com paus e pneus para fechar vias públicas. Pior ainda quando ateiam fogo. É a estratégia mais anti-democrática, abusiva e contraditória que qualquer protesto pode adotar. Isso não é uma crítica partidarista, mas a impressão é de que a esquerda costuma usar dessa estratégia com mais frequência do que ninguém. Porém, isso não se limita aos esquerdistas. Vale lembrar dos protestos dos caminhoneiros em 2015 contra o governo Dilma, que bloqueou estradas em todo o país, e motoristas que se recusavam a participar acabavam agredidos e com o caminhão danificado pelos próprios colegas de profissão. Dias atrás, uma outra categoria que muito me diz respeito, os pescadores, também bloquearam a BR 101 em Itajai em protesto contra a proibição da pesca de inúmeras espécies de peixes, que  de fato, coloca em risco toda a industria pesqueira do país. Em ambos os casos, não se tratava de protestos promovido pela CUT ou qualquer outra instituição de esquerda.

O Brasil assiste hoje, políticos de todas as esferas, serem presos, processados e investigados por corrupção e lavagem de dinheiro. Mesmo assim, tem-se a impressão de que o povo Brasileiro nunca esteve tão dividido. Defendemos a pau e pedra, aqueles que acreditamos ser os menos corruptos. Mesmo frente a um assunto relevante a todos os trabalhadores do país, como é o caso da reforma da previdência, o povo Brasileiro é incapaz de protestar unido. Quem não concorda com a greve geral de hoje, tentou classifica-la como partidarista. E quem foi a favor da greve de hoje, fez questão de demonstrar seu partidarismo. Fica difícil para o trabalhador Brasileiro, vitima de tamanha sacanagem, se defender da infinita e ilimitada agressão vinda de Brasilia. Afinal de contas, quem tem que cair é Brasilia e não o Brasil!

Fechar as estradas com o único intuito de impedir a passagem daqueles que como vc, tem o direito de ir e vir, é um tiro de canhão no próprio pé. Digo isso por vários motivos. Primeiro, bloquear vias públicas colocando fogo em pneus e madeira causa a sensação de caos e tensão, que acaba tirando o foco do verdadeiro motivo do protesto. Segundo, quando impedimos a livre passagem daqueles que por motivos múltiplos não participam do protesto, criamos um inimigo naqueles que deveríamos conquistar o apoio. Ninguém que precisa ir de um lugar para outro, por motivos banais ou urgentes, e acaba preso, impedido, e impossibilitado de seguir seu caminho por causa de uma barricada desnecessária e que esta ali com o único propósito de impedi-lo de seguir viagem, irá apoiar qualquer protesto, seja por motivo mais nobre que for. Terceiro, o fechamento de uma estrada fornece o ingrediente perfeito e legal, para a ação da Policia Militar. Todo mundo sabe que a PM tem um prazer quase sexual em dar porrada em esquerdista, por isso, fazer barricada com fogo em pneu, é um convite a tomar paulada da PM. Isso tudo sem falar no dano causado pelo fogo no asfalto e a poluição causada pelos pneus incendiados. Se uma multidão, digamos, 50 mil pessoas ou mais fechar a Avenida Paulista, sejamos justos, cabe sempre o bom senso. Mas, fechar uma estrada importante por conta de 100 ou 200 pessoas não é bom senso, nem democracia, é abuso de direito. Existe uma grande diferença entre fechar a Av Paulista em São Paulo com uma multidão de manifestantes, como ocorre frequentemente (bom senso), e fechar a SC-401 em Florianópolis queimando pneus com um punhado de manifestantes causando caos total para pessoas que não querem participar do movimento (abuso de direitos).

O Brasil é um país jovem, e nossa democracia é adolescente, mas o Brasileiro precisa aprender a fazer democracia e preserva-la. Caso contrário, não teremos a menor chance contra estes abutres da política nacional.

 

POLÍTICOS: OS GRANDES EXTERMINADORES DO POVO BRASILEIRO

By: Michaell Lange,

London, 11/04/17 –

A lava jato tem quatro personagens distintos. Dos quatro, apenas um é vítima, o povo Brasileiro. Dos outros três, um é a justiça parcialmente corrompida, os outros dois são cúmplices de crime grave contra a nação Brasileira, parte do setor privado e o estado. O estado aqui, se divide em oposição e situação que juntos, formam a facção criminosa que saqueia e mata diariamente. Partidos da esquerda, de direita e centro, como o PMDB, PSDB, PT, PP e dezenas de outros, que trabalharam em conjunto para roubar o país das suas riquezas, oportunidades futuras e de sua própria vida. A gravidade desse crime é infinitamente superior ao crime de rua ou o crime de violência causada na maioria dos casos, pelo narcotráfico, que acredita-se estar também envolto ao governo. O crime praticado por grandes empresas privadas em conluio com o governo eleito para administrar o bem público e zelar pelas instituições e atribuições do Brasil, é infinitamente superior ao crime de traição a patria, o qual muitos países ainda punem com a pena capital. O crime praticado por estes barões da política nacional e da economia Brasileira, é um genocídio contínuo e não declarado que ja matou milhões de cidadãos Brasileiros de forma direta e indireta. Esse extermínio sistêmico do povo Brasileiro é promovido diariamente pela falta de medicamentos básicos em hospitais e postos de saúde, pela falta de tratamentos de doenças graves, pela falta de hospitais, de médicos, de infra-estrutura nas cidades e estradas, e sobretudo, de fome. O Governo Brasileiro em conjunto com empresas privadas, mataram e matam, centenas de milhares de crianças Brasileiras de fome, de desnutrição e doenças curáveis. Outros milhões morreram e morrem nas filas dos hospitais esperando atendimento, ou aguardando tratamentos essenciais. Tudo isso para que algumas centenas de políticos e empresários possam desfrutar de contas bancarias com saldos bilionários no exterior.

Estes assassinos, massacram o povo Brasileiro de uma forma tão monstruosa e sistêmica que fazem da comparação, uma missão quase impossível. Hitler, pol pot, Stalin, Mao Zedong e alguns outros, exterminaram milhões. Mas, o governo Brasileiro consegue ser ainda mais cruel. O governo Brasileiro mata o cidadão lentamente nas salas de aula, nos escritórios, nos corredores dos hospitais, dentro do ônibus, dentro de suas casas onde o cidadão perde sua dignidade a medida em que a doença avança, na medida que a fome queima a inocência das nossas crianças, na medida em que a falta de perspectivas do povo se transforma em depressão crônica e mortal adoecendo toda uma nação que é obrigada a trabalhar sem direitos, sem dinheiro, sem saúde, sem educação, sem segurança e sem laser. O governo Brasileiro mata seu povo de humilhação, mata sem dó e sem piedade. O extermínio sistêmico do povo Brasileiro usa dos métodos mais diabólicos e demoníacos porque mata lentamente e propositalmente. A morte vem aos poucos com a gradativa diminuição da capacidade do ser humano de se locomover, de se alimentar, de se tratar. É como uma mão que enforca sua vitima, mas a permite respirar somente o necessário para mante-la viva e assim, continuar sofrendo quase que de forma perpétua até que o corpo, já não mais humano, desista sem que ninguém perceba seu desaparecimento.

Estes assassinos em massa, são políticos e empresários que se dizem pessoas do bem. Se classificam como excelências, doutores e autoridades, se dizem ser até homens de Deus que se permitem o direito de serem seres superiores a todos os outros seres. São Deuses, cuja o poder é tão ou maior do que divino. Se acham superiores as Leis e a própria Constituição Federal. Se acham seres intocáveis. Se dizem perseguidos e injustiçados pelo único fragmento do sistema de justiça que ainda funciona e com muito esforço, consegue acusa-los de uma fração dos crimes que já cometeram contra o povo Brasileiro. São na verdade, monstros e demônios. Vampiros que sugam o sangue e a vida de suas vitimas!

A grande vitima desse crime, o povo Brasileiro, ainda consegue depois de todo o sofrimento, apoiar todas as partes acusadas deste massacre. Esse cenário é possível apenas porque os mesmos políticos e empresários autores desse crime, são também os arquitetos por trás da manutenção da divisão perpétua do povo Brasileiro. Enquanto uma parcela da população defender a direita contra a outra parcela que defende a esquerda e vice-e-versa, não se unirem para juntos apoiarem a justiça, o Brasil seguirá negligente, pobre, injusto, violento, dividido e permanentemente sem futuro. Enquanto o partido dos Brasileiros não for unicamente o Brasil, as vitimas deste crime hediondo, continuarão defendendo a inocência dos criminosos responsáveis pela decadência eterna do Brasil. Seremos como o passarinho engaiolado que defende seu dono por lhe trazer água e comida todos os dias, sem perceber que seu dono é de fato, o responsável por ele estar preso em uma gaiola. Seremos como o Peru votando a favor da ceia de Natal sem perceber que ele é o prato principal. O povo Brasileiro é o único que pode derrubar Brasilia e interromper a promoção sistêmica do massacre do povo Brasileiro. Mas, para que isso aconteça, o Brasileiro precisa se unir em um só povo e um só Brasil como fez em 2013. Quando o Brasil for apenas um, ninguém mais será capaz de derrota-lo, ninguém mais será capaz de extermina-lo. Os políticos e empresários, pensarão duas vezes antes de se deixar levar por sua ilimitada ambição por dinheiro púbico. Brasilia é nosso maior inimigo. Brasilia tem que cair, e levar junto os criminosos genocidas que por tanto tempo exterminam o povo Brasileiro.

 

O BREXIT E A UNIÃO EUROPÉIA

By: Michaell Lange,

29/03/16 –

 

O Reino Unido aplicou hoje o art.50 da União Européia (UE) que inicia oficialmente o processo de saída do país da UE. O art.50, ou “aviso prévio”, é o processo de dois anos de desliga um país membro, de todos os acordos comerciais, sociais e de segurança, com a UE. É o desligamento total de um sócio do seu clube. Essa é a primeira vez na história da UE que um país decide aplicar o artigo 50.

Depois do referendum Britânico em Junho de 2016, no qual os Britânicos decidiram pela saída da UE (o chamado Brexit), o então Primeiro Ministro David Cameron, que era a favor da permanência do país na UE, renunciou. Os Conservadores então, elegeram Theresa May como a nova líder do partido, que nas Leis Britânicas assume o posto de Primeiro Ministro depois de aceitar o convite da Rainha para formar um novo governo que deve durar até o final do atual mandato, que termina em 2020. A Primeira Ministra pode, se assim decidir, marcar novas eleições antes do fim do seu mandato.  Após assumir o comando do país, Theresa May voltou ao o palácio de Buckingham para pedir a assinatura da Rainha autorizando o governo a iniciar o processo de saída do país da UE. Faltava então, o pedido formal da Primeira Ministra Britânica ao Presidente do Conselho Europeu Donald Tusk, para que o processo de dois anos que desliga o Reino Unido de todas as atividades de membro da UE tivesse inicio. Isso aconteceu hoje.

Ao enviar a carta formal ao conselho Europeu, Theresa May declarou: “Este é um momento histórico no qual não há retorno”. Já o presidente do conselho Europeu, disse ao receber a carta da Primeira Ministra que; “não há razões para pretensões, hoje não é um dia feliz para a UE”.

A saída do Reino Unido da UE pode ser um marco histórico para um movimento global de rejeição do atual sistema de globalização que domina o mundo. Assim como o Reino Unido, a França, Italia e Holanda expressam grande descontentamento pelo qual a UE vem se comportando. A candidata a Presidente que lidera as pesquisas de intenção de voto na França, Marine Le Pen, promete tirar a França da UE caso seja eleita nas eleições gerais no mês que vem. Caso isso ocorra, será praticamente um milagre evitar o fim da União Européia.

No Reino Unido porém, as opiniões se dividem. Nas redes sociais o clima de grande tristeza divide espaço com o jubileu. Enquanto alguns falam em suicídio econômico, outros falam em liberação econômica. A grande verdade é que o país esta dividido. O resultado final do referendum deu 52% dos votos para a saída do país da UE contra 48% que votaram pela sua permanência. De fato, é difícil dizer o que irá acontecer. Quem votou pela saída (Brexit), acredita que o país poderá ditar suas próprias regras com relação a políticas migratórias e econômicas sem precisar da aprovação do conselho da UE. É o retorno do controle do país para as mãos do Parlamento Britânico, dizem. Quem votou pela permanência, acredita que a saída do país de um mercado com 450 milhões de consumidores é sem dúvidas um suicídio econômico, mesmo porque a economia Britânica é hoje extremamente dependente dos serviços financeiro da UE. A saída significa que ficará mais caro para os bancos operarem no Reino Unido por conta das tarifas impostas a quem não pertence a UE. Isso deve causar um êxodo dos serviços financeiro para países membros da UE, o que seria um desastre total para os Britânicos.

Os mais otimistas afirmam que a UE precisa do Reino Unido. Mais de um milhão carros Europeus como a AUDI, BMW e MERCEDES são vendidos por ano no Reino Unido. Seria loucura da UE tentar dificultar as operações deste mercado. Os pescadores Britânicos também estão mais otimistas. A saída do País da UE significa que barcos de pesca da França, Espanha e Portugal, por exemplo, não poderão mais pescar livremente em águas Britânicas. Mas vale lembrar também que barcos Britânicos não poderão mais operar em águas Européias. As Leis de cotas pesqueiras impostas pela UE também deixam de existir e passam a depender do que o Parlamento Britânico irá definir no futuro. Os produtores de produtos agrícolas também irão deixar de se beneficiar do subsidio Europeu que protege a agricultura Européia contra produtos mais baratos vindos de fora. Por outro lado, a saída do país da UE irá permitir que os Britânicos possam negociar acordos econômicos livremente com o resto do mundo, sem depender da aprovação do conselho Europeu.

Estudantes, tanto do Reino Unido quanto da UE perderão o beneficio de poder estudar livremente em outros países da UE. Essa medida tem sido duramente criticada, mas ainda pode ser negociada, assim como outras medidas, no decorrer dos próximos dois anos que encerram as relações de membro do Reino Unido com a UE. O Reino Unido continua fazendo parte da UE até o final do prazo de negociações, e o livre transito de pessoas e mercadorias entre o Reino Unido e os países membros da UE continuam valendo normalmente. A principal questão no momento se refere ao status dos mais de 1 milhão de Britânicos que vivem atualmente na França, Espanha, Portugal, Alemanha e outros países da UE, e os mais de dois milhões de Europeus da UE que vivem hoje no Reino Unido. A dúvida sobre este assunto e a falta de clarificação dos governos em garantir a permanência dos que ja se estabeleceram no país, tem levado milhares de pessoas a pedirem a naturalização nos países em que residem.

Ninguém rejeita o fato de que os próximos anos serão extremamente difíceis, tanto para o Reino Unido quanto para a UE. A adaptação e a transferencia das Leis Européias em Leis Britânicas podem levar até 10 anos segundo alguns especialistas. O governo Britânico também deve cortar impostos de grandes bancos para mante-los operando no país e proteger a economia do país. Mas, essa medida pode significar um corte no orçamento Britânico de até £100 bilhões de Libras e esse valor terá que ser tirado de algum lugar. É muito provável que os contribuintes terão que arcar com esta conta. Alguns especialistas dizem que estas medidas irão tornar o Reino Unido no mais novo paraíso fiscal, tornando o país um receptor de dinheiro sujo do resto do mundo.

As previsões sobre o futuro do Reino Unido e da UE são incertos. A única grande certeza é a de que o Reino Unido estará fora da UE dentro de dois anos, mas mesmo essa certeza é questionada. Se as negociações nos próximos dois anos não chegarem a um acordo que beneficie os dois lados, a Primeira Ministra Theresa May pode ser pressionada a marcar novas eleições. Um partido opositor poderia prometer o cancelamento do processo de saída do país da UE, revertendo o resultado do referendum com uma vitória numa possível eleição geral, mesmo que segundo o artigo 50 da UE, uma vez iniciado, o processo de saída é irreversível. Mas, considerando a incrível vitória de Trump nos EUA e a vitória do Brexit no referendum Britânico, fica difícil duvidar do futuro. Muita gente acredita que tudo é possível, mas só tempo irá dizer…

 

BOLSONARO: MITO? OU RETROCESSO? (opinião)

By: Michaell Lange,

09/03/17 –

A idéia pouco inteligente, de liberar o porte de armas no Brasil ganha força na medida em que o populismo radical de Bolsonaro ganha novos adeptos. O Deputado Federal esta no Congresso nacional desde 1990 a um custo anual de aproximadamente R$1.5 milhões de Reais, ja pertenceu a inúmeros partidos políticos como: PDC, PPR, PPB, PTB, PFL, PP e mais recentemente PSC. Até o ano passado ele não havia passado um único projeto de Lei. O mesmo Bolsonaro que apoiou a operação Beco Sem Saída em 1987, que planejava explodir bombas na Academia Militar das Agulhas Negras, e ter planejado explodir o reservatório de água que abastece a cidade do Rio de Janeiro em protesto contra os baixos salários da sua categoria, é o mesmo Bolsonaro que hoje chama os estudantes, os professores e os servidores públicos, de vagabundos por protestarem contra os baixos salários e as más condições do ensino púbico Nacional. Bolsonaro fez tanto por sua categoria que os militares até hoje continuam sucateados e com salários vergonhosos. A própria Policia Militar do seu estado, RJ, esteve em greve por falta de pagamento de salários.

Bolsonaro é o cara! É um mito! dizem seus seguidores. O político, candidato a presidência em 2018, usa o lema: “bandido bom é bandido morto”, mas trabalha numa casa cheia de bandidos, é aliado de bandidos, amigo de bandidos, e apoia bandidos que estão presos. Obviamente, quando ele se refere a bandido morto, não é dos seus amigos e aliados que ele esta se referindo, mas sim do pobre periférico que para ele não tem valor algum.

O mito Bolsonaro, é aquele mesmo que afirmou em rede nacional que se for presidente, dará um golpe imediatamente, fechando o Congresso Nacional. Ele ainda disse que com voto não se resolve nada no Brasil, mesmo que ele tenha dependido do voto para se tornar deputado. Segundo o mito Bolsonaro, o único jeito para o Brasil é fazer o que não fizeram no regime militar, matar uns 30 mil, disse ele. Ele também classificou a democracia como uma “porcaria”, mesmo precisando dela para poder realizar seu grande sonho. Bolsonaro é mesmo um cara incrível. Mas, mais incrível ainda são seus seguidores que acreditam cegamente que o mito é a solução para os problemas do Brasil mesmo que ele nunca tenha resolvido nada durante sua longa carreira política.

Bolsonaro promete legalizar o porte de armas de fogo caso seja eleito democraticamente através do voto direto que ele mesmo afirma não prestar para nada. Seus seguidores em quase sua totalidade apoiam essa idéia. Até mesmo na polícia Militar, que irá morrer aos montes, Bolsonaro encontra apoiadores para suas idéias absurdas. Mas, o que seus seguidores não percebem é que a liberação do porte de arma será para todos os Brasileiros, assim como é nos EUA onde um indivíduo portador de doença mental pode comprar uma arma de grosso calibre, e um suspeito de terrorismo sob investigação do FBI, pode comprar um AR15, entrar numa boate gay e promover um massacre como o que aconteceu em Orlando em 2016 deixando 50 pessoas mortas.

Hoje no Brasil, tanto a policia quanto o cidadão, tem uma clara distinção do que é ser um bandido. Se você encontrar alguém armado na rua, ou ele é bandido ou é policial. A policia quando chega na periferia controlada pelo narcotráfico, tem a distinção clara de que se alguém estiver armado, trata-se de um integrante do narcotráfico. Agora imagine o porte livre de armas no Brasil. A policia chega na periferia controlada pelo narcotráfico e encontra todo mundo armado, legalmente! Quem é inocente (cidadão de bem)? e quem é bandido? Como a policia vai distinguir quem é quem? Como a policia irá dar as costas para pessoas armadas sem colocar a sua própria segurança em risco? Ou o Bolsonaro pretende criar uma exceção na Lei limitando o porte de armas para negros e pobres? A idéia é tão maluca que me falta adjetivos para expressar tamanho absurdo. O apoio a um político com idéias tão radicais e absurdas, vai muito além da compreensão humana. É de fato, um caso clássico de Peru lutando a favor da ceia de Natal, é o peixe lutando contra a proibição da pesca, e o boi lutando a favor do churrasco. Dessa mesma forma, ha quem apoie Bolsonaro.

Estamos tratando apenas de um único aspecto da idéia “Bolsonariana” de legalizar o uso de armas de fogo onde o único beneficiário sera certamente, o fabricante de armas Americano e o vendedor no Brasil. Nos EUA, mais de 100 crianças morrem todos os anos por acidentes com armas de fogo. Imagine um Brasil onde todos terão armas de fogo de diferentes calibres dentro de casa, no carro e na rua? Um estudo publicado pelo Jornal Britânico The Guardian, afirma que 8 em cada 10 destas fatalidades ocorrem em locais onde a criança esta em maior segurança ou seja, dentro de suas casas, na casa de parentes e dentro do carro. O estudo também aponta que a maioria dos acidentes fatais com armas de fogo envolvendo crianças, ocorrem na faixa de idade entre 2 e 4 anos, e 10 e 13 anos. Apenas em 2015 foram mais de 50 mil incidentes envolvendo armas de fogo nos EUA, onde o armamento mata em média de 36 pessoas por dia. Apesar do terrorismo dominar os noticiários, entre 2005 e 2015, 71 Americanos morreram vitimas de terrorismo. O número de vitimas fatais causadas por armas de fogo no mesmo período é, 301.797 pessoas. Agora imaginem quais serão os números no Brasil onde atualmente o número de homicídios ja ultrapassa 50 mil por ano, sem porte legal de armas?

Bolsonaro acredita que o sucesso só é possível através da violência. Por isso, ele ignora inúmeros exemplos que comprovam a irracionalidade das suas idéias. Bolsonaro ignora casos de sucesso como os países Escandinavos, o Reino Unido, Alemanha, e boa parte da Europa onde armas de fogo são proibidas e não há pena de morte. Os números da violência são infinitamente mais baixos que os Americanos. No Reino Unido, um país com 60 milhões de habitantes, apenas 3 pessoas foram mortas por armas de fogo em 2015. É obvio que seria pretensão comparar o Brasil com a Europa. Mas esse não é o objetivo aqui. O objetivo é definir quais são os melhores exemplos a serem seguidos e segui-los. Para os olhos limitados do “mito” Bolsonaro, a indústria trilionária de armas dos EUA é a única coisa que ele consegue enxergar. Resta saber se seus seguidores continuarão a segui-lo cegamente, ou abrirão os olhos para ver que uma pessoa que esta no Congresso Nacional desde 1990 a um custo anual de 1.5 milhões de Reais sem nunca ter feito nada para o bem estar social do povo Brasileiro, nem para o povo do seu estado e menos ainda para o seu eleitorado militar, será realmente o salvador da pátria Brasileira ou se quer, um defensor dos direitos do povo Brasileiro. O Brasil corre o risco de eleger democraticamente um regime militar ditatorial e pagar o maior mico da história política mundial. De mito é certo que Bolsonaro tem muito pouco. Mas não faltam idéias malucas na cabeça desse militar que é contra o voto e contra a democracia mesmo precisando dos dois para realizar seu grande sonho de ser presidente do Brasil. Bolsonaro Presidente seria o maior retrocesso na montanha russa do desenvolvimento do Brasil. Aos seus seguidores resta um único conselho: Analisem os fatos!

 

BRASIL EM ROTA PARA O CAOS TOTAL

By: Michaell Lange,

London, 07/02/17 –

Nota do autor – Quanto menos você acreditar na possibilidade descrita abaixo, maiores são as chances do impossível acontecer. A culpa do caos não é da policia, mas dos governantes Brasileiros que jogaram o país aos tubarões. Mas será também, culpa do povo Brasileiro se permanecermos parados assistindo o caos tomar conta do país inteiro. 

A situação no Brasil é extremamente delicada, mas ainda não é totalmente caótica. A situação na Síria é totalmente caótica. No Brasil, o estado ainda é soberano. mas, a questão é; Até quando? A ausência do poder do estado no Espirito Santo é um indício grave da falência do estado e uma evidência clara de que o Brasil segue na direção do caos total.

A policia (bem ou mal), é a agência governamental que tem como responsabilidade garantir a Lei e a ordem no país. Quando o policiamento cessa, o estado se ausenta e a Constituição Federal é suspensa. O país vira terra de ninguém. Facções criminosas passam a atuar livremente sem qualquer forma de intervenção. A população assustada, cria grupos armados para proteger bairros e residências contra as ações de criminosos que agora, controlam as ruas. O confronto entre criminosos e “vigilantes” é quase inevitável. A desconfiança e a falta de informação intensificam o estado de tensão. A guerra civil não declarada passa a ser uma realidade e contamina estado por estado numa reação em cadeia inevitável seguindo a falência das instituições governamentais que deixam de existir uma após a outra. A situação é rejeitada a todo custo por um governo federal ja enfraquecido e fragmentado. O exército é acionado como o último recurso para manter a ordem, mas sua capacidade e recursos são limitados e insuficientes para manter a ordem em todo o território nacional. Noticias de que facções criminosas dominam importantes cidades do país, geram pânico e confusão em outros estados. Uma fuga em massa para países vizinhos gera tensão nas fronteiras. Outros milhares, de civis, ex-policiais e soldados, se armam e tentam organizar uma resistência contra o avanço  de grupos criminosos que ja controlam equipamentos e armamentos pesados de uso exclusivo das Forças Armadas. A medida em que o número de mortos cresce rapidamente, as noticias começam a chamar a atenção da mídia mundial. Países Europeus e Norte Americanos interrompem vôos para o Brasil enquanto uma comissão do Mercosul estuda formas de intervenção junto a ONU. O número de refugiados Brasileiros vivendo em campos improvisados no Uruguai, Argentina e Chile ja passam dos 10 milhões ao mesmo tempo que a ONU declara situação de catástrofe humanitária em quase toda a America do Sul. EUA e Europa se recusam a receber refugiados Brasileiros e milhares de mulheres e crianças são abandonadas a própria sorte.

Noticias de que grupos armados tomaram Brasilia, se espalham rapidamente nas redes sociais causando pânico generalizado. O total colapso do governo federal se torna inevitável. Presidente, Deputados, Ministros e Senadores que não foram assassinados pelos mais de 300 mil presos foragidos em todo país, se refugiam em Cuba, Venezuela, Miami e Reino Unido. Não se sabe mais ao certo quem são os criminosos e quem são os grupos de vigilantes organizados por ex-policiais e soldados. A falta de mantimentos e água potável nas grandes cidades levam milhões de mulheres e crianças a passarem fome escondidos em prédios abandonados. Fotos de crianças mortas chocam o mundo e milhões vão as ruas dos EUA e Europa pedindo providências da comunidade internacional e o fim da guerra civil no Brasil. ONGs internacionais declaram calamidade nos hospitais do país por falta de tratamentos. Milhares de médicos fogem para os EUA e Austrália e os poucos que permanecem estão sobrecarregados e trabalhando voluntariamente auxiliados por soldados dos grupamentos do corpo de bombeiros e ONGs internacionais.

Em reunião fechada na sede das Nações Unidas em Nova York, uma resolução que autoriza uma força de Paz composta por França, Reino Unido e EUA a entrar no Brasil, é aprovada com unanimidade. A Russia absteve seu voto. Aviões de guerra Americanos decolam de várias bases aéreas na Colombia para bombardear regiões comandadas por facções criminosas no Brasil incluindo a Capital Brasilia, mas a prioridade é na verdade, proteger e reestabelecer a manutenção e o fluxo das reservas minerais do país.

Após fortes bombardeios no centro do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasilia, centenas de mortes de civis são registrados pela Cruz Vermelha Internacional. Incêndios de grandes proporções e fora de controle destroem os centros das principais capitais estaduais do país. NASA publica fotos da Estação Espacial mostrando enormes colunas de fumaça que tomam os céus do país a vários dias.

Grupos paramilitares dos três estados do Sul declaram independência e fecham a fronteira Norte entre o Paraná e São paulo, mas não escapam dos bombardeios aéreos que destroem o centro das principais cidades juntamente com os aeroportos de Curitiba e Porto Alegre e os portos de Rio Grande e Itajai. Milhares de civis são mortos.

No Nordeste, ONU registra massacres de civis e descobre dezenas de covas coletivas com centenas de corpos incluindo mulheres e crianças. ONU não descarta Genocídio. No Rio de Janeiro, aviões de guerra Franceses, Britânicos e Americanos promovem o maior ataque aéreo desde a queda do governo federal depois que um video foi publicado na Internet onde um bando de criminosos celebravam o assassinato de dois pilotos Americanos que tiveram suas cabeças arrancadas na praia de Copacabana.

Após 3 anos de guerra civil, a infra-estrutura do país esta em frangalhos. Milhões de Brasileiros refugiados continuam a viver em acampamentos administrados pela ONU, e o número de mortos ultrapassam 1 milhão. A coalisão da ONU liderada pelos EUA decide reestabelecer o governo Brasileiro na cidade de Santos no litoral do estado de São paulo, ja que as cidades de Brasilia, Rio e São Paulo foram totalmente devastadas pelos bombardeios Norte Americanos. As reservas de minérios do Brasil passam a ser administradas por empresas Americanas e Européias entre elas a Shell, BP e Chevron e Texaco. Bolsonaro é escolhido pelos Estados Unidos para ser o novo presidente do Brasil e é imediatamente apoiado pelo grupo paramilitar evangélico conhecido como o Exercito de Deus. Milhões celebram nas ruas em todo o Brasil. Mas, a posse de Bolsonaro, é ofuscada por grupos paramilitares de esquerda que não apoiam o regime do novo presidente e se recusam reconhecer Bolsonaro prometendo derruba-lo a força se necessário for.

Após 5 anos, a guerra civil toma nova forma. Agora, as forças nacionais de Bolsonaro lutam contra grupos para-militares em várias frentes nacionais, principalmente no Nordeste do país. A mídia mundial fala em rebeldes contra as forças de Bolsonaro. O novo presidente classifica os grupos rebeldes de terroristas, e em pronunciamento a toda nação promete caçar e destruir todos eles. Os três estados do Sul prometem apoio a Bolsonaro em troca de sua independência e o presidente aceita com relutância.

A guerra civil se extende por mais 10 anos quando finalmente todos os lados entram em acordo de paz. Em 2 de Outubro de 2035 o Brasil elege democraticamente Francisco Lula da Silva e seu vice João de Magalhães Bolsonaro numa disputa acirrada no segundo turno contra Marcos Neves e Maria Bornhausen. Eduardo Cunha Junior é eleito o novo presidente da Camara dos Deputados e Guto Calheiros Sarney é o novo presidente do Senado. No Sul do Brasil, após referendum, Santa Catarina e Paraná voltam a fazer parte do Brasil, mas Rio Grande do Sul vota pelo NÂO e funda a nova República Democrática Tchê Barbaridade É Bem Capaz. Milhões celebram a volta da democracia em todo o Brasil. Em Santa Catarina, o novo governador Jorge Amin da Silveira Junior anuncia a nova fase da reforma da ponte Hercílio Luz. Um dia depois da posse do novo presidente, o autor deste Artigo visivelmente abatido, se suicida com um tiro na cabeça em sua residência no Sudoeste de Londres.

GATO POR LEBRE (política)

By: Michaell Lange,

London, 28/12/16 –

É comum ouvirmos a frase “gato por lebre” no sentido de comprarmos um produto que se parece com aquilo ofertado, mas que na verdade se trata de um produto totalmente diferente. Normalmente, o gato por lebre significa um produto similar, mas de valor e/ou importância muito inferior ao que realmente buscávamos. O mesmo problema ocorre em quase todos os sentidos da vida, incluindo a política. Quantas vezes votamos em gato e elegemos lebre? O rótulo de uma mesma proposta política pode vir com diferentes faces e cores. Na maioria das vezes, trás um apelo direcionado a um grupo específico de pessoas (eleitores clientes). Essa questão também vale para a religião, onde charlatões usam da palavra sagrada para enriquecerem às custas da humildade, do medo, e do drama humano. Mas não é de religião que iremos falar aqui.

O que é importante para todo eleitor e futuro eleitor, é fazer uma boa analise não apenas do rótulo, mas também no produto, antes de compra-lo, elege-lo ou aceita-lo. Antes de decidir, pergunte-se; Será que o rótulo realmente corresponde ao produto? Será que o político realmente corresponde a sua proposta? A propaganda enganosa é um problema epidêmico na política e é preciso muita atenção na hora de escolher nossos representantes.

Você ja se decepcionou com o tamanho do hamburger porque na foto promocional ele parecia muito maior? A verdade é que na maioria dos casos, quando elegemos um político, estamos elegendo gato por lebre. E a culpa pela falta de atenção é toda nossa! Se alguém lhe oferecer uma Mercedes- Benz zero quilômetro pelo preço de um Chevette velho, é claro que você irá desconfiar. A questão é; Por que não desconfiamos quando um político, ou um partido político, nos oferece a salvação e a solução de todos os nossos problemas, em troca do nosso voto? Para ser ainda mais direto, por que elegemos e reelegemos políticos corruptos (gato)? O voto parece ser um produto barato, mas na verdade pode ser mais caro do que você imagina. O voto pode custar seu emprego. Sua aposentadoria, a saúde da sua família e a educação dos seus filhos. Quanto lhe custaria tudo isso? Não vou citar exemplos Brasileiros para não comprometer a imparcialidade deste artigo, apesar dos inúmeros exemplos que poderíamos citar aqui. Então, para minimizar a polêmica do assunto, usaremos exemplos de outros países. Vejamos; na Holanda, Geert Wilders é o líder do partido de extrema direita chamado “Party for Freedom” ou Partido para a Libertação. Você percebe o apelo que o nome do partido promove? Isso não significa que o partido político liderado pelo Sr Wilders irá promover a libertação da Holanda, até porque a Holanda ja é um país livre, além de ser um dos países mais desenvolvidos do mundo. Por tanto, o Party for Freedom é gato, não é lebre. Na França, um dos maiores partidos políticos do país chama-se “The National Front” ou Partido da Frente Nacional. Novamente, um nome apelativo em um país livre e desenvolvido que não sofre com qualquer ameaça de invasão. No Reino Unido, o UKIP – United Kingdom Independence Party – ou Partido da Independência do Reino Unido, é mais um exemplo. O Reino Unido é um país independente e livre, mas na visão do líder do UKIP, Nigel Farage, o país é refém da União Européia, ou seja, pura demagogia. É gato por lebre! O que todos estes partidos tem em comum é o apelo populista para obter o poder. Quando você encontra partidos com nomes apelativos sobretudo em países ricos, livres e desenvolvidos, a libertação e a independência dos nomes estão na verdade, escondendo a intolerância contra imigrantes,, negros e religião. De fato, todos os partidos políticos acima, são anti-imigrantes, anti-EU e anti-Islamismo, o que sugere a teoria do gato por lebre ja que, a liberdade e a independência presente no rótulo, na verdade significam, perseguição, discriminação e proibição, o oposto de liberdade e independência. O rótulo não condiz com o produto e por tanto, é gato.

Vejamos outros exemplos:

O Comunismo – Karl Marx pensou que tinha uma grande idéia que poderia ser a solução para salvar a humanidade das garras do Capitalismo. Para que sua idéia fosse aceita pela maioria do povo, havia a necessidade de um apelo populista ou seja, que fosse aceito pela classe operária. O rótulo para o seu produto também precisava ser apelativo, mesmo que na realidade o rótulo não descrevesse com honestidade seu produto. Karl Marx escolheu chama-lo de Comunismo. Na concepção da palavra, comunismo origina-se do comum ou seja, que beneficia a maioria. Por isso, quando ouvimos alguém falar em “governar pelo bem comum”, estamos falando na verdade, do comun-ismo ou comunismo, de governar pelo bem de todos. Mas o Comunismo de Marx não era bem isso. Vejamos: Quando Marx dizia em seus escritos que toda forma de produção deve estar sob o controle do estado, Marx não esta falando de comunismo, mas sim de totalitarismo. A palavra totalitarismo tem origem na palavra total, que na política se refere ao controle total, seja por um ditador, imperador ou Rei. Por tanto, regimes como o de Cuba e Coreia do Norte, não são sistemas Comunista, mas sim de totalitaristas. O estado e seu ditador, tem o controle total do país. Mas vale ressaltar que a teoria de Marx não é uma teoria inútil, muito pelo contrário. Na verdade, Marx é essencial para qualquer estudante de política e relações internacionais. Ninguém até hoje soube descrever o Capitalismo de forma tão brilhante e detalhada quanto Marx. Seus trabalhos, sobretudo os livros “O Capital” e “O Manifesto Comunista”, deveriam ser lidos por todos que tenham qualquer interesse em entender como funcionam os sistemas políticos que dominam o mundo hoje.

O Free Market – A palavra free market significa mercado livre ou seja, sem barreiras e sem regulamentação. A idéia por trás do nome é justa pois, promove a livre concorrência. A concorrência beneficia o consumidor com preços baixos e de qualidade. Mas não é isso que vimos acontecer mundo afora. De fato, o free market não existe. Essa teoria foi usada estrategicamente contra países emergentes para que multinacionais, sobretudo da Europa e EUA, tivessem livre acesso a seus mercados. Por outro lado, empresas de países emergentes, encontram todo tipo de barreiras e regulamentação para venderem seus produtos na Europa e EUA. A agricultura da União Européia por exemplo, recebe um subsidio anual superior a 60 bilhões de Euros. Por conta disso, agricultores Europeus conseguem vender seus produtos abaixo do preço de custo, formando uma barreira protecionista que impede a livre competição de produtos semelhantes de países não Europeus. A Africa é a grande prejudicada nesse caso ja que, o continente é responsável por grande parte da produção agrícola mundial. O Brasil tem a mais de 10 anos, um processo na OMC contra o subsidio do Algodão Americano que impede que o Algodão Brasileiro seja competitivo no mercado internacional. O mesmo ocorreu com a empresa Brasileira Embraer, que ganhou um processo na justiça contra a empresa Canadense Bombardier, por conta dos subsídios pagos pelo governo Canadense que possibilitava a Bombardier a vender seus aviões a um preço muito abaixo dos aviões da Brasileira Embraer. A política protecionista é a maior evidencia de que o Free Market não existe ou seja, é gato por lebre. O rótulo prega o livre comércio, mas o produto verdadeiro não tem nada de livre.

Os exemplos são infinitos. Produtos com rótulos para promover o bem, mas que promovem o mau. Sistemas que prometem o bem comum, mas na verdade promovem o totalitarismo. Partidos que prometem a libertação, mas no fundo promovem a divisão, a discriminação e a proibição. Idéias de liberdade que na verdade aprisionam. Num mundo dominado pela informação 24 horas, é cada vez mais fácil vender gato por lebre. Manter a mente aberta e em alerta total, é a grande arma contra produtos nocivos, com rótulos de chocolate. A oferta de libertação pode muito bem significar seu aprisionamento. Todo indivíduo tem a responsabilidade de zelar por sua liberdade de pensamento. Se continuarmos com o atual comportamento passivo diante de tanta oferta fraudulenta, seremos continuamente vitimas da nossa própria indolência. Todo cuidado é pouco!

Feliz 2017!

O RE-SURGIMENTO DO POPULISMO REVOLUCIONÁRIO

By: Michaell Lange,

29/12/16 –

Assim como o liberalismo, o populismo tem conceitos diferentes de acordo com o lugar, o tempo e o lado político no qual se encontra o argumento. Há um entendimento generalizado difundido pelo pensamento de esquerda, que assume o populismo como um movimento do povo contra a elite. A elite neste caso, seria uma barreira que impede as melhorias necessárias para sociedade como um todo. Já de acordo com o pensamento de direita, esse conceito é falso pois, a idéia de que há uma união de pensamentos e idéias que caracterizam um povo, é inexistente.

O que chamo de “populismo revolucionário”, e que será o fator central desse artigo, se trata do populismo que explora a indignação do povo, sobretudo da classe operária. Esse apelo as massas ja levou ao poder no passado, lideres como Hitler, Mussolini, Stalin, Mao Zedong, Pol Pot, Francisco Franco e Fidel Castro, além de outros. O que há em comum entre eles é a guerra, a opressão e a morte de milhares de inocentes. O sistema que une a ideologia de todos os líderes citados acima é o totalitarismo, que se apresenta em diferentes formas, seja liberal, democrático, libertador, revolucionário, socialista ou popular. Seja qual for a vestimenta, todos eles são, no fundo, totalitaristas ou seja, pessoas que buscam o poder total para si mesmo. Quando compramos um produto, além do reconhecimento visual, o rótulo deve trazer com clareza o que é, e o do que o produto é feito. Na política mundial, a política pode trazer diferentes rótulos para o mesmo produto. Tudo é válido para convencer o povo. Infelizmente, o povo, seja no Brasil ou em qualquer lugar do mundo, é quase sempre convencido a comprar “gato por lebre”.

O re-surgimento do populismo revolucionário é extremamente preocupante. Os exemplos do passado precisam ser reconhecidos para que os mesmos erros e as mesmas tragédias não se repitam no futuro. Infelizmente, esse processo se encontra em estágio avançado e poucos percebem a gravidade do seu re-surgimento. O populismo revolucionário tem como principio, se identificar com a classe trabalhadora e através dela, chegar ao poder. Ao que parece, quanto mais anti-sistema e radical forem, maior a popularidade. Quanto mais enfurecedor o discurso, maior o apoio popular. Quanto mais apelativo, maior a sua aceitação. Os exemplos desse fenômeno são numerosos. O maior de todos chama-se Donald Trump. O mais novo presidente Americano, foi eleito com um discurso inflamatório, ofensivo, discriminatório e revolucionário. Quanto mais ofensivo eram os discursos de Trump, maior era a sua popularidade. Quanto mais a mídia tentava destruí-lo, maior ele ficava. Trump foi eleito com a promessa de construir muros, expulsar milhões de imigrantes e proibir a entrada de muçulmanos nos EUA. O extremismo clássico, populista e extremamente perigoso de Trump, esta se propagando pelos quatro cantos do planeta em uma velocidade preocupante. Essa estratégia ja deu certo no passado e o mundo viveu os horrores da sua consequência. O crescimento do extremismo no mundo, pode ser o inicio do re-surgimento do fascismo e do Nazismo camuflados em uma nova vestimenta que pode sim, levar o mundo de volta às catástrofes dos anos 30 e 40. A eleição de Trump nos EUA provou que a retórica do extremismo pode ser um atalho ao poder. O sucesso de Trump deu credibilidade a outros extremistas como Nigel Farage, que por dez anos lutou pela saída do Reino Unido da União Européia com um discurso muito similar ao de Donald Trump. Farage, foi o principal pivô na campanha do Brexit, do referendum Britânico que decidiu pela saída do pais da União Européia. Na Austria, outro extremista acusado de ser um neo-nazista, Norbert Hofer, venceu as eleições e se tornou o mais novo presidente do país. O líder do Partido da Libertação Austríaca, é apenas mais dos exemplos da corrida para a extrema direita que ocorre na Europa nesse momento. Esse fenômeno tem sido seguido de perto por vários outros países no mundo incluindo o Brasil. Na Holanda, Geert Wilder, do Partido para a Libertação, lidera o movimento radical no seu país. Na França, a candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen, lidera as pesquisas presidenciais com a promessa de seguir o exemplo Britânico e retirar a França da União Européia. Em Israel, Netanyahu dispensa qualquer apresentação. E na Russia, Putin aproveita o momento conturbado na política global para se fortalecer como um poderoso líder da nova geopolítica mundial. Todos eles usam a mesma retórica radical anti-Islâmicos e anti-imigrantes.

No Brasil, o caos econômico causado pelo impasse político promovido irresponsavelmente por corruptos incompetentes no Congresso Nacional junto ao colapso do ja precário sistema de saúde, educação e segurança, vem abrindo espaço para o radicalismo retórico populista liderado por Jair Bolsonaro. O surgimento de um mito que na TV aparece enfurecido, pregando a morte de bandidos, mesmo trabalhando e sendo aliados de muitos deles, ganha força como candidato a presidência da República em 2018. Bolsonaro se tornou, ou pretende se tornar, o Trump Brasileiro, mesmo que as similaridades entre os dois se limitem a retórica radical e populista para chegar ao poder. Bolsonaro esta desesperado por uma foto junto ao presidente Trump que possa ser usada como bandeira em sua campanha eleitoral para 2018. É muito provavelmente que ele conseguira seu pequeno troféu Americano que certamente aumentará suas chances de vitória em 2018. O crescimento da popularidade de Bolsonaro no Brasil segue o mesmo princípio do que vem acontecendo nos EUA e Europa. A crise financeira de 2008 fez 6 milhões de americanos perderem suas casas, pondo fim ao sonho Americano. A crise do Euro e o colapso da economia Brasileira, são as principais causas do re-surgimento do populismo revolucionário que nos anos 30, logo após a grande depressão econômica de 29, fez surgir o pesadelo Nazista e Fascista que aterrorizou o mundo por décadas. Os próximos 3 anos serão cruciais para evitarmos uma repetição dos erros do passado. Entender o fenômeno político que vem ocorrendo no mundo, é fundamental para que as gerações futuras não precisem sofrer as consequências causadas pelos erros das gerações atuais. As consequências do radicalismo é a violência, e violência não é, nem nunca será, solução para nada. O radicalismo não pode ser uma opção aos erros do atual sistema político mundial. O apelo da retórica radical deve ser rejeitada a todo custo. Aqueles que se sentem atraídos pelos discursos inflamatórios de políticos como Bolsonaro, precisam refletir sobre a verdadeira intensão do seu discurso radical. A falta de opção não pode ser uma justificativa para eleger o mais furioso da lista. Não há dúvidas de que o atual sistema político precisa ser derrubado e repensado. Mas, substituí-lo pelo radicalismo seria um retrocesso de altíssimo custo que eu, você, e as gerações futuras terão que bancar.