A PONTE E O POVO BRASILEIRO: DUAS VÍTIMAS, UM ÚNICO CULPADO

By: Michaell Lange,

London, 14/01/17 –

O que há em comum entre o povo Brasileiro e a Ponte Hercílio Luz? Os dois são moribundos abandonados e explorados pelos mesmos aproveitadores. Os políticos Brasileiros tem sangue nas mãos! 

A Ponte Hercílio Luz, um dos ícones mais reconhecidos no Brasil, e o maior símbolo do estado de Santa Catarina, se tornou um exemplo nacional e clássico do descaso com o dinheiro público e da falta de compromisso dos políticos com o povo Brasileiro. É comum ouvir-se falar do orgulho de ser Brasileiro. Políticos recém eleitos ou em campanha eleitoral, são vistos de Norte a Sul do país esbravejando do alto dos seus palanques, todo o seu orgulho pela terra e pelo povo Brasileiro. Entre todos eles, 99.9% não passam de Urubus carniceiros, mercenários interessados apenas no que lhes beneficia pessoalmente. Não tem amor por ninguém a não ser por si mesmo! São os responsáveis pela injustiça e pela miséria do povo Brasileiro e ao mesmo tempo e inexplicavelmente amados pelos miseráveis.

A Ponte Hercílio Luz é a fotocópia do povo Brasileiro. Celebrada no nascimento, e abandonada à própria sorte logo no dia seguinte. A ponte abandonada, leva camuflada em suas barras de ferro, a promessa certa de ganhos futuros para os mesmos aproveitadores que a construíram. Afinal de contas, o povo é facilmente convencido de que um símbolo tão importante como a ponte, não pode cair aos pedaços. O que o povo não sabe, é que a reforma é eterna e cara, muito cara! Dessa mesma forma, celebrado e abandonado, o povo Brasileiro inicia sua jornada em direção ao fim da vida logo depois do seu nascimento. A Ponte segue o mesmo destino. Os dois morrerão prematuramente nas mãos da irresponsabilidade pública. Sem acesso a saúde, o Brasileiro vive menos. Sua vida útil, que lhe permite fazer atividades de lazer e trabalho, são reduzidas dramaticamente por falta de manutenção, limitando também assim, a sua contribuição social. A Ponte Hercílio Luz morreu aos 56 anos de idade. Nascida em 1926 e aposentada por invalidez em 1982. O financiamento da obra, obtido através de empréstimos de bancos Americanos, só foi pago em 1978 ou seja, 50 anos depois da sua inauguração e apenas 6 anos antes da sua inutilização. A Ponte Golden Gate, na cidade Americana de São Francisco, foi inaugurada em 1937, e 80 anos depois continua sendo 100% utilizada. O povo Americano, apesar de não ser o mais saudável do mundo, também vive mais do que o Brasileiro.

A falta de saúde adequada ao longo da vida, transforma aquele ser inicialmente celebrado e cheio de vida, em um moribundo humano, ou como no caso da Ponte, um fantasma devorador de verba pública! O moribundo deixa de ser um contribuinte nas questões sociais e/ou familiares. Suas idas e vindas aos hospitais o farão conhecido dos médicos, enfermeiros(as) e até dos seguranças. E mesmo assim, o risco de você morrer por falta de atendimento é altissimo. O art. 196 da Constituição Federal de 1988 declara a saúde como um direito de todos e um dever do estado. Mas o povo Brasileiro é hoje, uma carcaça abandonada pelo estado, deixada para os abutres e ao acaso da sorte. Se fossemos aplicar a Constituição Federal, todo ministro da Saúde ja tomaria posse de dentro da cadeia.

Essa realidade poderia ser muito diferente se os recursos públicos fossem gerenciados e administrado por patriotas e profissionais sérios. Ao contrario disso a situação decadente do povo e da ponte, são vistos pelos abutres como uma oportunidade para ganhar dinheiro e “se dar bem”. Sua aposentadoria precoce será impedida e roubada pelo governo. Batedores de carteira verão você como presa fácil. O estado deplorável da população será usado por profissionais da iniciativa privada para justificar o fornecimento de serviços emergenciais e superfaturados. Os administradores do bem público são pagos para deixar o sistema existir e se proliferar. Clínicas, farmácias, laboratórios, empresas de construção, conservação e manutenção, que só sobrevivem por conta dos seus contratos com o governo (são destes batedores de carteira que me refiro), são os responsáveis pela sangria do dinheiro público. Claro, tudo isso devidamente autorizado pelos políticos que você elegeu e comemorou feito um louco no dia da vitória.

Você também será usado a vida toda por grandes farmacêuticas e seus tratamentos médicos e vacinas (obrigatórias) porque obviamente, a cura de doenças não são tão lucrativas quanto os tratamentos. “Se você curar o doente ele vai embora e não volta mais. Se você trata-lo, ele irá voltar pelo resto da vida para buscar mais remédios”. E afinal de contas, para que construir uma ponte nova, se reforma-la em caráter emergencial por toda a eternidade é um negócio muito mais lucrativo? Lucrativo para os bandidos, obviamente. O povo fica apenas com a conta para pagar. Uma exigência do governo que você elegeu.

Um povo moribundo e desesperado, aceita qualquer coisa. O pastor vende a salvação em troca de tudo que você tem, e você compra na fé e na esperança de que seja verdade. Um Paliativo passa a ter a importância da cura para um doente terminal, cujo o comprimido trás o alívio momentâneo da dor. Em situação de emergência você faz o que tiver que ser feito, e paga o que precisa ser pago. Se a ponte cair, os políticos não se elegem. Se o paciente morrer, a farmácia perde o cliente. O povo precisa acordar porque o ladrão esta na cozinha da sua casa, e foi você que o convidou para entrar!!!

O crime contra o povo Brasileiro segue a sombra da justiça que se recusa a processar e julgar autoridades públicas responsáveis pelo descaso da saúde além das milhares de mortes por ano causadas diretamente pela falta de atendimento e de um sistema de saúde adequado quebrando os direitos básicos previstos no art.196 da Constituição Federal de 1988.

Segundo o Ministério Público de Contas de SC para o G1, nos seus 30 anos de reformas, a ponte Hercílio Luz ja consumiu R$563.5 milhões de Reais dos cofres públicos. Com o mesmo valor, o governo do estado de Santa Catarina poderia ter construído três pontes estaiadas aos moldes da ponte de Laguna. O governo da Bela e “Santa” Catarina, também poderia ter construído oito hospitais completos de qualidade internacional, para atender uma população total de 320 mil habitantes, incluindo 1 ano dos custos de operação. Na China, foi inaugurada este mês a ponte mais alta do mundo com um custo total de $144 milhões de Dólares e três anos para ser concluída. Com o mesmo valor gasto para manter a ponte Hercílio Luz de pé e inutilizada nos últimos 30 anos, o governo de “Santa” Catarina poderia ter construído a mesma ponte Chinesa em três anos e ainda sobraria $37 milhões de Dólares para fazer a sua manutenção adequada por décadas. Os políticos de Santa Catarina são da mesma categoria dos políticos do resto do Brasil. São eles que deveriam estar superlotando nossas cadeias.

Apesar do crime contra o patrimônio histórico, Artístico e arquitetônico do município de Florianópolis (Decreto 637/92), ninguém até hoje foi responsabilizado, preso ou processado. 

 

ABORTO É CRIME, INDIFERENTE DO QUE DIZ A LEI (opinião)

By: Michaell Lange,

London, 01/12/16 –

Esta semana vários assuntos dominaram a mídia e as redes sociais. A Tragédia com o vôo do time da Chapecoense chocou o mundo do esporte e deixou o Brasil de luto. A sem vergonhice, e o comportamento criminoso dos parlamentares em Brasilia, que diabolicamente aproveitaram-se de uma nação em luto para votar uma PEC imoral, camuflada pela madrugada enquanto o país chorava a perda de 71 vidas na queda do avião do time Catarinense, também deixou o Brasil estarrecido. Mas, um outro assunto não menos importante, acabou ficando um pouco ofuscado por conta dos outros dois assuntos citados acima. Trata-se do aborto que a justiça Brasileira decidiu descriminalizar até o terceiro mês de gestação. O assunto também foi noticia no Reino Unido esta semana, mas por um outro motivo. O Reino Unido é formado pela Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales, mas algumas Leis são diferentes dependendo o país. Por exemplo, na Inglaterra o aborto é legalizado. Qualquer mulher pode procurar uma clinica e fazer o procedimento pago pelo governo. Porém, na Irlanda do Norte o aborto é crime e isso faz com que muitas Irlandesas venham para a Inglaterra fazer o procedimento usando verba do orçamento da saúde Inglesa. Essa polêmica tem gerado debates sobre até que ponto os Ingleses devem pagar pelo procedimento feito para cidadãos Irlandeses. A legalização do aborto na Inglaterra seguiu o mesmo principio seguido por outros países, e é também o mesmo argumento usado por pessoas que lutam pela legalização do aborto no Brasil. Segundo os Ingleses, a legalização do aborto evita a prática clandestina que muitas vezes pode acabar em óbito. Mas, esse mesmo argumento pró-aborto me faz questionar porque o mesmo princípio não é usado em outros casos não menos polêmicos, como no caso da legalização das drogas. Se a legalização do abordo evita a prática clandestina, por que a legalização das drogas não evitaria o tráfico de drogas que é responsável pela maioria dos homicídios no país? O princípio é o mesmo, mas os interesses parecem ser diferentes.

Por muito tempo a polêmica do aborto foi uma incógnita na minha cabeça. Sempre foi muito difícil para mim, ter uma opinião formada sobre o assunto. Mas hoje, tenho plena convicção de que o aborto não difere em nada, de um assassinato. Porém, assim como há exceções que legitimam um assassinato, como no caso da legítima defesa por exemplo, onde a vitima precisa matar outra pessoa para salvar a própria vida, eu também acredito que há exceções que possam legitimar alguns casos de aborto, como no caso do assassinato em legitima defesa. Mesmo assim, em todas as exceções nas quais pensei a respeito, minha conclusão é quase sempre confusa.

Os principais argumentos de mulheres e casais (em muitos casos a decisão é conjunta) que praticaram o aborto, é que o fizeram porque não estavam preparados para ser pai/mãe, ou não tinham condições, ou simplesmente não desejam ter filhos. Pois bem, na minha opinião essa cultura foi estabelecida por negligência do estado que tenta normalizar e em muitos casos até incentivar o aborto. O mesmo estado também falha em alertar para o trauma. O assassinato de um ser humano não é algo natural, mas sim algo inventado pelos humanos. Porém, mesmo com todos os esforços para normalizar a prática, a natureza humana continua reagindo negativamente contra uma agressão não prevista na natureza. O resultado é um trauma psicológico (físico em alguns casos) que homens e principalmente mulheres, sofrerão pelo resto de suas vidas. O Trauma é resultado de ação extrema e não natural. Quando alguém mata outra pessoa, seja por acidente ou propositalmente, o estrago psicológico é similar e tão duradouro quanto o de um aborto. De fato, um aborto não difere de um assassinato pois, este, interrompe uma vida que teria continuidade caso a ação abortiva não tivesse ocorrido. A negligência do estado levou as pessoas a acreditarem que interromper a vida de um ser humano que ainda não nasceu é aceitável, mesmo em casos onde os motivos são absurdos, como a falta de recursos financeiros, ou simplesmente não desejarem a gravidez. O ser humano precisa assumir a responsabilidade ou arcar com suas consequências. O assassinato de um bebê recém nascido pode levar o autor do crime a passar o resto dos seus dias na prisão. Por que assumimos postura diferente quando o crime é cometido meses antes?

Muitas mulheres pró-aborto costumam usar o discurso “my body, my rule” ou “meu corpo, minhas regras”. O argumento é certamente válido para as mulheres tanto quanto para os homens. Mas, é um grande equivoco acharem que essa regra vale para o aborto. Mesmo sendo gestante, a vida que cresce dentro do útero não pertence a mulher. Essa vida, desde o momento da fecundação ja tem seu direito a vida e a liberdade garantido pela Natureza (Deus). Não cabe a mulher impor seus desejos sobre uma vida que apesar de crescer dentro dela, não a pertence. Ao contrário da posse, a mulher e o homem, tem a responsabilidade de cumprir com seu papel natural de zelar e respeitar os direitos a vida que lhes foram dado. A gestante não tem por tanto, o direito de decidir o futuro do bebe, mas garantir a sua existência. O ser humano tem garantido seu direito a vida no momento em que ela passa a existir ou seja, no momento da fecundação. Indiferente do que as Leis dizem, as Leis da Natureza nesse caso, são superiores e imutáveis. Durante esta semana, ouvi dezenas de mulheres falarem sobre o trauma da decisão, e como o aborto afetou suas vidas mesmo depois de décadas. Salvo as exceções, minha resposta a esse argumento é simples e direta. A decisão de fazer o aborto, ao que me parece, é mais fácil do que a decisão de não fazer sexo, ou de fazer sexo seguro. Sim, eu sei que parece uma suposição grosseira, mas como citei acima, as exceções são apenas exceções e não podem ser usadas como regra. Também não estou aqui para julgar as mulheres que decidiram fazer o aborto. Meu propósito é questionar a legitimidade que o estado, junto a pessoas pró-aborto promovem ao defender sua legalização. É certo que acidentes acontecem, mas nesse caso especifico, a vida de um bebê inocente não pode ser interrompida por motivos tão rasos. A vida esta acima de tudo! Precisamos assumir as responsabilidades da vida!

Um outro exemplo que eu gostaria de usar como paralelo ao trauma causado pelo aborto, é o caso de soldados. As forças armadas treinam o soldado para matar o inimigo sem culpa. É um treinamento brutal que em muitos casos desconstrói o ser humano por dentro e reconstrói em forma de um soldado frio e calculista. Nesse processo o soldado é convencido de que se ele matar o inimigo, vidas serão salvas em sua terra natal. Mesmo apesar do processo brutal de desconstrução dos valores humanos, os soldados voltam da guerra traumatizados. A própria policia sofre com a violência e tem altos níveis de suicídios por causa da experiência nas quais vidas são terminadas de formas brutais. Porque então, deveríamos pensar que um cidadão normal, sem treinamento militar, não seria afetado pelo trauma causado pelo termino de uma vida como consequência de um aborto? Por isso acredito que há similaridades entre o trauma causado por um aborto e um assassinato, seja por legitima defesa, acidente ou guerra. O término de vidas por meios não naturais é definitivamente um crime na sua concepção mais básica. É exatamente com base nessa analise pessoal que consegui finalmente, depois de muitos anos de questionamentos, concluir que o aborto é assassinato, mesmo quando se tratando de legitima defesa ou legitima causa.

Como defensor assíduo dos direitos humano, me deixa consternado a idéia de que um estado, cuja responsabilidade número 1 é garantir a segurança, a integridade e os direitos humanos de todo cidadão, possa criar Leis que legalizem e sentenciem a morte, vidas inocentes sem direito a defesa. O aborto é um crime, e sua prática deve ser tratada como tal, com exceção aos casos de legitimidade. Um governo não se limita apenas a garantir e atender as vontades e direitos dos seus indivíduos, mas também garantir os direitos daqueles incapazes de se defender.

Quando um espermatozóide se une a um óvulo, o resultado é tão extraordinariamente espetacular e tão além do entendimento humano, que costumamos simplificar a criação e o surgimento de uma nova vida, usando o adjetivo “milagre”. Quem então teria o direito de interrompe-la se não o criador do milagre? Por que algumas pessoas acreditam ter o direito de se apossar de uma vida e decidir seu destino por motivos não naturais e ilegítimos? Interromper uma vida humana de forma não natural e de forma ilegítima em qualquer estágio do seu desenvolvimento, é um crime e deve continuar sendo, mesmo quando governos negligenciam algumas de suas maiores responsabilidades que é garantir o direito a vida e a liberdade de todos os seres humanos.

O BRASIL, A CORRUPÇÃO, E EU

By: Michaell Lange.

London, 28/09/16 –

A sociedade Brasileira é inteiramente corrompida. Dos 25 anos que eu morei no Brasil, a quantidade de pessoas honestas que eu encontrei foram tão poucas que eu poderia contar usando os dedos de uma única mão, e nem eu me incluiria nessa lista. De fato, uma das maiores lições que a sociedade Britânica me ensinou ao longo dos últimos 14 anos, foi que a corrupção tem cura. É possível acabar com a corrupção! Mas é preciso um exercício intenso que vai muito além da simples vontade de ser e fazer as coisas da forma correta. Mudar o que somos e seguir contra tudo aquilo que é aceitável e que dita as regras sociais a que fomos introduzidos e condicionados desde o primeiro dia de vida, é um desafio árduo e custoso. É preciso antes de mais nada, compreender e entender o que é corrupção antes de iniciarmos o processo de nos distanciarmos dessa prática. É como passar a vida inteira nadando contra a correnteza de um rio tentando convencer as pessoas de que apesar das dificuldades de nadar contra a corrente, se todo mundo passar a nadar para o lado certo, nós conseguiremos mudar o curso do rio. A minha experiência em Londres me deu maior clareza desse processo que antes eu nem conseguia reconhecer, por isso eu critico, mas não condeno o povo Brasileiro. Eu só enxerguei o que estava errado depois que eu sai, porque até então, eu era apenas parte do problema.

Logo que cheguei a Londres em 2002, me deparei com um desafio tão imenso que por vários dias cheguei a pensar que na verdade eu estava ali porque havia morrido, e que todas as pessoas a minha volta também estavam mortas. Em Londres, as pessoas costumam andar em silêncio, com a cabeça ligeiramente baixa. O Brasileiro caminha como um carro alegórico, falando alto, gesticulando, rebolando, olhando para os lados, cumprimentando quem passa, tirando onda. Para quem esta acostumado com essas alegorias do comportamento Brasileiro, não é tão difícil assim achar o silêncio dos Londrinos meio sem vida. Me lembro claramente de caminhar no centro de Londres e não sentir o chão. Por vezes toquei as pessoas nas ruas de propósito só para ter a certeza de que elas estavam realmente vivas. É uma experiência muito louca, especialmente quando você é meio “bicho do mato” como eu.  Foi um choque cultural muito grande.Eu reconhecia os valores, mas nunca havia visto em prática. No Brasil, o que conhecemos como valores quase nunca são aplicados. Valores no Brasil são como teorias que aprendemos na escola e ouvimos falar em casa, mas nunca praticamos de verdade. Assistir a estes conceitos serem praticados no dia-a-dia era uma novidade para mim. Acho que o desafio foi especialmente difícil no meu caso porque cresci numa vila de pescadores praticamente isolada do resto do planeta. Uma vila de pescadores que desenvolveu seus próprios códigos de conduta moral, facilmente questionáveis por conta do conservadorismo religioso, machista, preconceituoso e corrupto. A sociedade Britânica me introduziu um processo de renovação de conceitos, virtudes e valores que eu ainda não havia experimentado, e que acabou me transformando quase que literalmente em outra pessoa. Pela primeira vez na vida a palavra corrupção passou a ser mais do que uma simples palavra usada para atacar e acusar os políticos de um crime que eu também praticava. A primeira vez que você tem a clara percepção de que você também é corrupto, não é apenas um momento que revela uma verdade sobre você que você até então desconhecia. Esse é um momento que choca muito, porque você acreditava ser honesto e descobre por si mesmo que você não é. O choque de reconhecer que você é corrupto só é menor do que a percepção de que a base fundamental que sustenta a sociedade que você nasceu, e que é responsável por todas as relações humanas, sociais e comerciais do dia-a-dia de todos os cidadãos, são ditadas e operadas pela corrupção. Reconhecer a corrupção em suas próprias atitudes ja é um desafio por si só. Combate-la dentro de si mesmo é uma guerra diária que dura a vida inteira e precisa ser vencida batalha por batalha.

Na minha primeira semana em Londres, um amigo meu (Brasileiro) que trabalhava em um Pub, me deu um telefone usado de presente. Ele me contou que achou o telefone no chão do Pub e que eu precisava desbloquea-lo para poder usa-lo. Segundo ele, qualquer lojinha de telefone faria o trabalho. Fiquei muito feliz de não precisar gastar meu dinheiro (contado), com essa necessidade. Na manhã seguinte, tomei um café e fui direto para o centrinho de Wimbledon para desbloquear o telefone. Entrei na primeira loja que eu vi (Vodafone) e fui direto no balcão onde o atendente, com olhar desconfiado, me disse que eles não faziam esse serviço. Fiquei surpreso porque meu amigo havia dito que eu poderia desbloquea-lo em qualquer lojinha. Resolvi perguntar porque eles não desbloqueavam. O atendente foi direto ao assunto; “não desbloqueamos telefones porque isso é ilegal senhor “. Foi meu primeiro tapa na cara, e foi também a primeira vez na minha vida que alguém havia me dito que tal coisa era ilegal. A palavra ilegal para mim ja era algo raro. Ver um comerciante falar isso olhando nos meus olhos, foi literalmente algo inédito na minha vida. No caminho de volta para casa fui pensando na situação e na vergonha que eu acabara de passar. Quando cheguei em casa, olhei para aquele telefone e pensei: Esse telefone não é meu. Só porque meu amigo o achou, não significa que agora o telefone seja dele. Aquele telefone tinha um dono, e esse dono não era eu nem meu amigo. Foi nesse momento que a ficha caiu. Foi nesse momento que eu percebi que eu também era corrupto, e que no meu país, essa prática era normal. Eu não conhecia nada diferente disso e por isso, era normal também para mim. Resolvi deixar o telefone ligado na esperança que o dono ligasse, e de fato ele ligou. Combinamos um horário e ele passaria na casa que eu estava morando para pegar o seu telefone de volta. O prazer de devolve-lo ao dono e de ver a felicidade da pessoa ao reaver um bem importante que ele havia perdido, me transmitiu um sentimento de felicidade muito maior que aquele que eu havia sentido quando ganhei o telefone que não era meu. O prazer de promover o bem é muito melhor do que o prazer da vantagem de receber algo que na verdade não lhe pertence. De lá pra cá, encontrei outros cinco telefones e consegui devolver todos! No Brasil, quando alguém devolve alguma coisa, a atitude é tão incrível que ganha espaço no Jornal Nacional. É algo tão surpreendente e raro quanto ver um político corrupto ser preso por corrupção. Em outra ocasião, danifiquei a roda de uma bicicleta velha que estava acorrentada no poste com a roda na rua. Deixei um bilhete e no dia seguinte uma menina da Alemanha me ligou. Tive que pagar uma roda nova, mas ganhei uma amiga e fiz ela mudar o conceito errado de ela tinha sobre os Brasileiros que moravam em Londres.

Aquela primeira lição do telefone em Londres, abriu tremendamente a minha cabeça para esse problema tão grave que é a corrupção na sociedade Brasileira. Resolvi fazer uma espécie de regressão para lembrar meus possíveis atos de corrupção que havia praticado durante os 25 anos que estive no Brasil. Pela primeira vez, ao invés do prazer da vantagem fácil, senti vergonha. Eu havia acabado de ser introduzido a sociedade Britânica, mas seus valores ja causavam uma revolução na minha cabeça. Eu copiei trabalho de amigo da escola, fiz cola de todos os tipos, e na faculdade comprei prova da menina que trabalhava no xerox. Quando comecei a trabalhar, saía para almoçar com meus colegas de trabalho e pedia uma nota fiscal com o valor bem acima do que realmente era. Quando terminávamos uma obra, chamávamos o senhor do ferro-velho local e vendíamos todo o ferro e o cobre que havia sobrado e repartíamos o dinheiro. Aceitei vale gasolina de candidato nas eleições e francamente, se você também ja fez isso, você não tem nada de cidadão do bem, você é apenas mais um corrupto hipócrita que ajuda a afundar o próprio país nesse mar de lama que nos encontramos hoje. Mas não se ofendam meus caros amigo, ja dizia Bob Marley: “A verdade é uma ofensa, mas não é um pecado”. Eu fui corrupto também! Mas hoje sou a prova de que é possível acabar com a corrupção. Se todos nadarem para o mesmo lado, é possível mudar o curso desse rio.

A nota fiscal com o valor adulterado para roubar seu patrão é um crime clássico não é mesmo? Você passa o almoço inteiro chamando o Lula e o Aécio de ladrão e corrupto, e na saída do restaurante faz exatamente a mesma coisa sem a menor culpa. Ja imaginou o que você faria se fosse Deputado ou Senador?

A sociedade Brasileira é tão corrupta que se a dona do restaurante se negar a fornecer nota fiscal com valor adulterado, as pessoas vão para outro restaurante, e a comerciante honesta corre o risco de ir a falência. Falência por honestidade! Esse é o nosso Brasil, cheio de cidadãos do bem. Os corruptos devem ser importados de algum país distante não é mesmo? Eu fui corrupto! O primeiro passo para acabar com a corrupção é reconhecer que você é corrupto. No dia que você conseguir mudar suas atitudes e deixar de ser corrupto, você terá acabado com a corrupção. E lembre-se que se todos nadarem para o mesmo lado, podemos mudar o curso desse rio.

A corrupção não esta ligada ao montante que você consegue roubar. A corrupção é uma atitude, e assim como o ladrão, se você entrar em um banco armado e roubar 1 Real ou 1 milhão de reais, você é ladrão de banco nos dois casos. Se você altera a nota fiscal do almoço para roubar seu patrão, você não é cidadão de bem, você é ladrão! Para finalizar, gostaria de deixar essa pergunta para vocês; Quantos de vocês praticam corrupção como as citadas acima, e se consideram um cidadão de bem ou trabalhador de bem? Seja sincero com você e comesse agora a nadar contra a correnteza e ajude a mudar o curso do Brasil.

 

BRAZILIAN POLITICS: A SHORT OVERVIEW

BY: Michaell Lange,

London, 01/09/16 –

Brazilian politics have come to a dramatic new low this week when the democratic elected President Dilma Rousseff, was impeached by the Senate for allegedly crime of responsibility. She was accused of manipulating figures to hide deficits on government budgets though, most of Brazilian Presidents, as well as state governors, have done the same in the past and were never prosecuted for any wrong doing. It’s a fact. Manipulate figures to hide holes in the budget is a common practice in all levels of Brazilian government and Dilma Rousseff was not an exception. But this is the least of the problems. Most of the Senators and federal deputies participating in this impeachment process have been accused of much more serious crimes.

National and international media, have also been reporting confusing and misleading views about what is really going on in Brazil. An Sky News correspondent reporting from Washington has said on TV that the Impeachment is part of a clean up on Brazilian politics when it is actually the opposite. A twit outlined it perfectly: “Imagine a country where the biggest anti-corruption operation in its history ended up with all the accused taking power?” That is a fact! Some Brazilian news papers the day after the impeachment said in the first page “A new chapter” and “Viva Democracy”. Similarities to the day after the military coup in 1964 was disturbing to say the least.

The whole political crises started with the reelection of Dilma Rousseff as Brazilian President in October 2014. She defeated Aécio Neves from the PSDB party which formed a coalition with other right wing parties to try to put an end on a 13 years of leftist government; first elected in 2003 with Luiz Inácio Lula da Silva from the Brazilian labour party, the PT. During the 8 years of Lula´s presidency, Brazil grew like never before. Social inclusion and other social programs have pulled over 30 million Brazilians from extreme poverty. By the end of his second mandate his approval rate were over 80%. His charm and charisma made Lula a global figure. For the next presidencial election he appointed a successful technocrat from his government, a friend, and also militant that has fought with the rebels during the military regime between 1964 and 1985. Dilma Rousseff, was arrested and tortured by the military regime. She survived 20 years of military dictatorship and guerrilla warfare that killed many of her friends. She is also a cancer survival. She was Minister of Mines and Energy and Chief of Staff in Lula´s government. But until 2011 she has never been elected. Dilma was an experienced technocrat, but she was not a politician. She haven’t even a fraction of Lula´s charisma, but she was the first woman to be elected president of the 7th biggest economy in the world. Lula was so powerful that it is said that if he had appointed a homeless he would probably be elected. While Lula became a global figure, Dilma decided to concentrate inwards. As Brazil was taken by a serious of corruption scandals involving mainly her own party, she gave freedom for the Federal Police and the supreme court to investigate and arrest anybody, close to her or not. Some of PTs senior members such as the ex-Minister José Dirceu and the national president of PT, José Genoíno were both found guilt of corruption and sent to prison. No such thing has ever happened in Brazil before! The scandals of corruption has weakened the labour party though. The slow down of Chinese economy also put an end on Brazils economic boom. Dilma Rousseff also started to show weaknesses in leadership. Despite her true patriotism and sensitivity regarding social issues, she was not competente enough or a leader as such, and that’s a fact. She was a horrible speaker and communicator. Comedians targeted her for her countless gaffes. Differently from her predecessor Lula, she was unable to work and make alliances with the opposition. The fact that she was a woman, also made it difficult to deal with an extreme conservative and sexist Brazilian right wing politicians. The right wing in Brazil are formed mainly by the evangelical bench, the military bench (also know as the bullet bench), and the ruralists. When they united against Dilma Rousseff her fate was set, and the country was going to pay the price for this political struggle.

The opposition, led by Aécio Neves from PSDB, thought that PT was finished and had no chance to win the next presidential election that was held in October 2014. In fact, if the opposition had a better candidate than the playboy Aécio Neves, they would almost certainly have won the election, but they messed up big time and lost the election by a small margin.

The Federal Police investigations were by then, starting to catch up with many of the opposition leaders and their political parties, including Aécio Neves. The so called OPERAÇÃO LAVA JATO or OPERATION CAR WASH, the same Federal Police operation that led to the arrest of José Dirceu and José Genoíno from PT for corruption, were now focused on a pile of evidence of corruption and money laundering involving most of the top members of the opposition parties. Most of the accusations were down to millions of pounds received by political parties and politicians under the carpet from big corporations in exchange of multibillionaire government contracts. Nevertheless, some of these politicians were involved in far serious crimes. Perhaps the most serious case became known as the “helicoca”. In 2013 an investigation carried out by the Brazilian Federal Police to combat narcotraffic led to the arrest of a helicopter with half a ton of pure cocaine in a farm in the State of Espirito Santo. The helicopter was found to belong to Zezé Perrella, a Senator and very close friend and political ally of Aécio Neves, the right wing candidate for president which is also known for his addictions to drugs and playboy life style. The media (mostly controlled by right wing politicians), gave very little coverage to the case and at the end, nobody was formally accused or prosecuted. The helicopter was returned to its owner, the pilot which was a Mr Perrella employee, were released without charge and the drug disappeared in thin air. Another case involving a supporter for the impeachment was the former Governor for the State of São Paulo and former Mayor of the city of São Paulo,  Paulo Maluff, also a close ally of Aécio Neves. He has been sentenced to 2 years in prison by the French justice for money laundering and countless accusations of corruption. Eduardo Cunha, the president of the Brazilian Chamber of Deputy and currently suspended for corruption and money laundering accusations, was also an articulator of the impeachment and voted to remove Dilma this week despite his conditions with the Law. The president of the national Senate, Renan Calheiros, has also been accused of corruption and money laundering and countless accusations of corruption. In total, over 60% of all Senators and Deputies who voted for the impeachment of Dilma Rousseff are either under the Federal Police investigation, or have already been found guilty of corruption and other crimes. Even Michel Temer, the successor of Dilma Rousseff has been under Federal Police investigation. The Brazilian Federal Police has strong evidence against all of the accused and the OPERATION CAR WASH was closing in on them very fast before the impeachment. But now with Dilma out, everything changed.

When Dilma Rousseff was suspended by the Senate Chamber earlier this year, her interim Michel Temer, now permanent successor, was quickly to create his own new cabinet which included 8 Ministers under investigation for corruption and money laundering. It is also composed entirely by white men. All of them, including the President, now enjoy parliamentary immunity against any previous accusations or investigation by OPERATION CAR WASH. It means that even if the Federal Police found them guilty of any crime, none of them will be prosecuted or arrested. Moreover, immediately after been sworn in as the new Brazilian President, Michel Temer started to work with his new cabinet to change Oil exploration rules introduced by Former president Lula, which gives the state Oil giant Petrobras, superior powers to control the Oil industry in the country. The new President is planing to give more freedom over the Oil exploration in Brazil to international firms and  to start plans to privatise Petrobras. The urgency in which he was dealing with this subject has raised some eyebrows. He also started almost immediately, to cut workers’ rights, giving more freedom to employers to fire employees. He is rolling back many of social polices and programmes introduced by Lula including the finance of athletes. Michel Temer also ended the Ministry of Culture.

The impeachment of Dilma Rousseff most certainly put an end to OPERATION CAR WASH. The top people being investigated by the Federal Police are now in Michel Temers cabinet and protected by Parliamentary immunity. The impeachment also dumped the democratic election of 2014. It actually, overturned the result. It turned democracy in its head as the people in power today are exactly the ones who lost the election back in 2014. Despite all the evidence, they still deny the coup d’état. If it’s not a coup, it’s hard to know what that would it be. As the people protested at Paulista Avenue against the impeachment, a woman was shot in the eye by a rubber bullet from the military police. She lost the left eye. A big protest set for this coming Sunday (4) was outlawed by Michel Temer who also ordered the army to “maintain security” on the streets. It seems it’s not just a coup, it’s increasingly more likely to be a declaration of war against Brazilian people.

 

Momento Único Na Justiça Brasileira: Hora De Ser Patriota. Momento De Sermos Brasileiros De Verdade

Por: Michaell Lange,

Londres, 04/03/16 –

O Brasil vive um momento único nas questões que envolvem a justiça contra os grandes barões da política nacional. Mas, esse momento também revela uma questão extremamente bizarra com relação a forma com  que o povo Brasil esta reagindo a este fenômeno.

Os últimos acontecimentos que envolvem denúncias de corrupção e o envolvimento de políticos antes considerados intocáveis pela justiça Brasileira, tem gerado um comportamento no mínimo irônico no povo Brasileiro. É fato que não estamos acostumados a justiça. Não estamos acostumados a ver pessoas importantes serem presas ou chamadas a depor pela Polícia Federal. Justiça para nós Brasileiros, sempre foi mais um ato de fé e esperança do que um exercício real do artigo quinto da Constituição Federal que declara; “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”. Nosso instinto de sobrevivência na selva Brasil, nos priva de perceber as mudanças que nosso país vem sofrendo, com exceções das mudanças negativas é claro. Estas, não escapam aos nossos olhos e por uma razão justa. Nosso instinto é o de protestar contra a corrupção, por mais corruptos que possamos ser em todos os sentidos da palavra. Quando a justiça bate a nossa porta ou bate a porta em rede nacional, a reação do Brasileiro varia entre surpresa, revolta e profunda confusão mental, mas esta, é também uma reação justificável por não estarmos acostumados com isso. A divisão da população Brasileira promovida pelos grandes meios de comunicação e o intenso market político financiado por interesses externos e internos, nos causam cegueira para um momento tão sublime na história política Brasileira. Não me recordo de outro momento na história Brasileira em que o Presidente da Camara Federal e o Presidente mais popular do Brasil, dois políticos opositores, estivessem sendo julgados e investigados por crime de corrupção ao mesmo tempo.

Esqueçam um pouco a crise econômica e todas as dificuldades sociais que estamos vivendo nesse momento. Concentre-se por 1 ou 2 minutos no cenário da política nacional neste exato momento. Esqueça o partido e o político que você gosta ou defende, e seja apenas por um momento, um Brasileiro de verdade. Num momento em que o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, esta sendo julgado no supremo tribunal federal, por lavagem de dinheiro público, contas secretas na Suíça além de outros crimes de corrupção, e o ex-Presidente Lula é levado pela Polícia Federal para depor sobre acusações e evidências de crimes de corrupção que ele teria participado, o povo Brasileiro deveria esta nas ruas comemorando algo que provavelmente nunca tivemos, justiça contra os grandes! Ao invés disso, brigamos entre nós porque a justiça esta fazendo seu papel e cumprindo sua responsabilidade com a nossa Carta Magna, nossa Constituição Federal. O que nos torna extremistas, não é apenas o modo como pensamos, mas também nossa atitude perante ações que nos atingem e desmentem muitas de nossas crenças. O Cunha pode ser um Gênio e uma das pessoas mais inteligentes do mundo aos olhos do Malafaia. O Lula pode ser “O CARA!” aos olhos do Obama, e um velhinho super simpático aos olhos dos Europeus, ou o melhor presidente do mundo aos olhos dos Petistas. Mas o artigo quinto da nossa Constituição Federal é claro ao determinar que ninguém, indiferente do seu status social ou poder econômico, esta acima da Lei. “TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, SEM DISTINÇÃO DE QUALQUER NATUREZA“. Este artigo é tão forte e determinante para uma sociedade que busca por justiça, que se Deus realmente fosse Brasileiro, ele mesmo estaria incluso nesta cláusula e não poderia gozar de direitos e privilégios que não fossem os mesmos desfrutados por todos os Brasileiros.

Os Brasileiros deveriam estar unidos e comemorando um momento único na história do nosso país, assim como estamos sempre unidos na hora de pular carnaval, na hora de defender a seleção, ou seu time do coração. Somos todos Capitalistas, Comunistas, Socialistas, trabalhadores, evangélicos, Católicos, Muçulmanos e acima de tudo, Brasileiros! A justiça é um bem raro no Brasil e deve ser comemorado sempre que for exercida. O Brasil esta assistindo a um fenômeno que deveria nos fazer orgulhosos, pois agrada os dois lados da política Brasileira. Eduardo Cunha por um lado, sendo Julgado por crime de corrupção. Por outro lado, Lula sendo levado pela Policia federal para depor, também por acusações de crime de corrupção. O que falta para o Brasileiro finalmente acreditar que é possível tornar o artigo quinto da nossa Constituição Federal, um exercício real na sociedade Brasileira? Que tipo de loucura levaria o Brasileiro a fazer exatamente o contrário e lutar contra a Polícia Federal e contra o STF por estarem fazendo exatamente aquilo que o povo Brasileiro sempre quis ver acontecer? Precisamos entender que a justiça não pode agradar apenas um lado da moeda. O PT pode ter todos os defeitos, mas devemos reconhecer que os primeiros a serem presos pela Justiça, foram barões da corrupção e membros da elite do próprio partido que se encontra no poder.

O Brasileiro deve comemorar este momento e protestar apenas em favor da Polícia Federal por nunca ter apresentado um trabalho tão significante na história dos intocáveis da política nacional Brasileira. Vamos deixar a polícia trabalhar em Paz! Vamos deixar a polícia fazer seu trabalho da melhor maneira possível. Os extremistas dos dois lados, Petistas e PSDBistas, devem parar por um instante e pensar sobre suas atitudes e esperar pelo fim das investigações antes de expressarem suas opiniões. Nesse momento em que os Reis estão sendo investigados, o papel do povo é acompanhar e comemorar tamanha proeza. Nesse momento não vale a pena defender o Cunha ou o Lula. O que vale nesse momento é defender o Brasil e todos os Brasileiros que estão morrendo nas filas e corredores dos hospitais de Norte a Sul do país, e nas filas para obterem tratamentos de doenças graves como a AIDS e o Cancer, que como o Deputado Romário denunciou ontem, estão apodrecendo nos depósitos do SUS. Devemos defender nesse momento, as crianças sem uma sala de aula descente, os professores sem salários, a polícia mal preparada, os aposentados abandonados. Não defendam estes barões. Defendam o nosso povo que sofre a violência diária e o futuro incerto. Defendam nosso direito de viver uma vida digna. Deixem que os Lulas e Cunhas, sejam defendidos por seus advogados na corte suprema e sobre os olhos atentos do povo Brasileiro que não mais deve agir como ovelhas cegas rumo aos corredores dos abatedouros. E se a justiça assim decidir, que eles paguem pelos crimes que cometeram. Este não é o momento de ser partidarista, este é o momento de sermos todos, apenas Brasileiros com muito orgulho e com muito amor!

Veja abaixo um povo confuso, não acostumado com a justiça:

Dilma Veta Auditoria da Dívida Pública: Saiba Porque!

By: Michaell Lange,

London, 15/01/16 –

A presidente Dilma Rousseff vetou nesta Quinta Feira (14) o pedido de uma auditoria da dívida pública Brasileira, feito pelo deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL/PA). A auditoria tinha como objetivo, investigar um sistema fraudulento de cobranças bilionárias feitas por empresas do sistema financeiro, contra o estado Brasileiro, que nunca existiram ou que foram obtidas de forma fraudulenta. Esse sistema internacional, ja foi identificado e denunciado pela Coordenadora Nacional da Auditoria cidadã da Divida (http://www.auditoriacidada.org.br/), Maria Lucia Fattorelli. A denuncia de um sistema de corrupção envolvendo a dívida pública Brasileira, segundo Fattorelli, é o maior sistema de corrupção da história Brasileira, responsável pelo desvio de quase metade do orçamento federal, alem de grande parte do orçamento dos estados e até parte do orçamento dos municípios. Estas denuncias deveriam ser em si, motivos mais do que suficientes para a abertura de investigação federal envolvendo não apenas uma auditoria da dívida, mas também, uma investigação policial por crimes de corrupção. Afinal de contas, estamos falando de quase metade do orçamento federal do estado Brasileiro. O veto da presidente Dilma e o silêncio do Congresso Nacional não são apenas uma afronta aos cidadãos Brasileiros, mas um crime contra a nação. Vetar uma auditoria independente, envolvendo instituições civis, é uma legalização da corrupção que condena o Brasil e todos os Brasileiros a viverem em situação de país sub-desenvolvido mesmo sendo a sétima maior economia do mundo. Considerando que o Reino Unido é a sexta maior economia do mundo, como podemos aceitar tamanha diferença de desenvolvimento sócio/econômico entre dois países com poderes econômicos tão parecidos? O Brasil, sendo a sétima maior economia mundial, apresenta dados sócio/econômicos opostos aos apresentados pela sesta maior economia do mundo. O Brasil tem a terceira pior distribuição de renda do mundo. Ocupa a posição de numero 85 no ranking de respeito aos direitos humanos (isso sem Bolsonaro na presidencia). Esta na posição de penúltimo lugar no ranking da educação e a posição de 128 no ranking de crescimento econômico. Segundo Fattorelli, essa situação se deve ao sistema de endividamento público Brasileiro que é extremamente corrompido e drena quase 50% do orçamento federal. Em 2012 por exemplo, o orçamento federal foi de R$1.7 trilhão de Reais. Desse orçamento, R$753 bilhões de Reais foram para a divida pública ou seja, 43.8% do orçamento Brasileiro de 2012 foi consumido por uma divida pública na qual investigações independentes concluíram ser uma divida praticamente inexistente e que ninguém sabe de onde veio. O pedido para uma auditoria oficial da dívida pública foi vetada pela Presidente Dilma Rousseff e o Congresso Nacional esta fingindo que não viu porque todos eles estão envolvidos e são beneficiados por esse esquema de corrupção.

Por que uma presidente socialista vetaria uma investigação de vital importância para o Brasil, principalmente nesse momento delicado em que vive a economia Brasileira? Maria Lucia Fattorelli também oferece resposta a essa pergunta. Segundo Fattorelli, o sistema financeiro, que é o principal beneficiado da dívida pública, é controlado por grandes corporações que por outro lado, financiam as campanhas de prefeitos, deputados, senadores e presidentes da república. Aprovar uma investigação contra estas corporações seria uma quebra do pacto firmado entre as duas partes. O desastre da barragem da mineradora Samarco do grupo Vale, em Minas Gerais no ano passado, é apenas um exemplo de empresas que fazem parte desse sistema e como estas empresas são protegidas pelo governo. Em matéria publicada pelo programa CQC do canal de TV Band em Novembro de 2015 sobre o desastre em MG, o jornalista Gaston Turiel, denunciou um gasto de R$80 milhões de Reais feito pela empresa Samarco, para financiar a campanha eleitoral de 3 candidatos a presidência da republica, 18 candidatos a governador de estado, 19 candidatos ao senado, 261 candidatos a deputado federal e 599 candidatos a deputado estaduais. A maior parte deste dinheiro segundo o CQC, foi para o PMDB que coincidentemente é quem cuida do Ministério de Minas e Energia além de ser o partido com maior número de integrantes do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) que é o órgão responsável por autorizar e fiscalizar as atividades das mineradoras no Brasil. Dessa forma, cada partido político tem sua “Samarco” no quadro de doadores ou financiadores de campanhas, e muitas destas empresas fazem parte do sistema financeiro que se beneficiam da divida pública e que a presidente Dilma evitou que fosse investigado por uma auditoria independente. O fato deste veto ter sido feito por uma presidente Socialista, denuncia o quão profundo, enraizado e refém das grandes corporações, esta o estado Brasileiro e todos os Brasileiros.

Esta questão é tão alarmante, que os atuais escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras e o mensalão se tornam pequenos em comparação com impacto que a corrupção do sistema da dívida pública provoca em todos os aspectos da vida dos Brasileiros. Para termos uma pequena idéia, enquanto a dívida pública levou 43.98% do orçamento federal de 2012 (quase a metade do orçamento total). Os 27 estados da federação e mais de 5 mil municípios receberam apenas 10%. O sistema de Saúde, recebeu apenas 4% do orçamento, e o sistema de educação, recebeu apenas 3,34%. No Equador, o governo conseguiu cancelar 70% da divida pública depois de uma auditoria semelhante a essa vetada pela presidente Dilma. Isso significa que o Brasil poderia ter pelo menos, mais 30% do orçamento federal para dividir entre estados, Municípios, Saúde e educação. Fazendo um calculo simples, se dividíssemos estes 30% em partes iguais para o orçamento da educação, saúde, estados e municípios, o orçamento de 2012 para a educação poderia ter sido de 13,34% (ou seja, quatro vezes mais recurso do que realmente recebeu em 2012). O orçamento da saúde poderia ter sido de 14% (ou seja, 3.5 vezes mais recursos), e os estados e municípios poderiam ter recebido 20% do orçamento federal ou o dobro do que receberam em 2012. Esse é o preço que o Brasil esta pagando e continuará a pagar por conta a decisão da presidente Dilma de vetar a auditoria da dívida pública Brasileira. Isso, sem somar os recursos desviados nos outros escândalos de corrupção além dos esquemas que nós não sabemos que existem.

De acordo com Maria Lucia Fattorelli, as investigações da auditoria cidadã, denuncia a “ausência de contra partida das dívidas, ou seja, as dívidas surgem através de mecanismos possivelmente fraudulentos, e passam a crescer descontroladamente por mecanismos meramente financeiros”. A investigação teria analisado também, todas as resoluções do senado federal relacionados a dívida pública entre as décadas de 70 e 80 e concluiu que na grande maioria das resoluções, não constavam qual teria sido o agente emprestador ou a finalidade dos empréstimos. Fattorelli conta que na década de 90, a dívida pública foi alavancada por juros que chegaram a 40% ao ano e posteriormente refinanciadas pela própria união sem a investigação do histórico da dívida que segundo ela, incluiu todos os passivos dos bancos que seriam privatizados. Um outro fato alarmante citado pela Auditoria Cidadã, é que em virtude do crescimento da dívida pública, os estados da federação passaram a fazer empréstimos com bancos internacionais para pagar as parcelas das dívidas com a união.

Se os escândalos de corrupção da Petrobras e mensalão deixaram o povo Brasileiro revoltado, qual a reação do povo para algo sistematicamente e infinitamente maior que qualquer outro escândalo de corrupção ja revelado no Brasil? Uma outra clara revelação que o veto trouxe a tona, é a incapacidade do povo Brasileiro de reagir sem a influencia de ser impulsionado pelo sistema frenético da grande mídia. Isso demonstra o quanto ainda somos manipulados pela grande mídia que continua tendo o poder de ditar nossos sentimentos e nosso conhecimento. Se o povo se revoltou com os escândalos de corrupção da Petrobras, então o veto da presidente Dilma ao pedido de auditoria da dívida pública deveria ter feito todos os Brasileiros, de direita e de esquerda, irem para as ruas e não se mexerem mais até que o veto fosse revertido e uma ação conjunta e imediata da policia federal, com organizações civis como a Auditoria Cidadã, dessem inicio a uma ação investigativa e minuciosa para levantar exatamente o que é dívida e o que é corrupção na dívida pública Brasileira. Se depender das investigações não oficiais apresentadas por Fattorelli, tudo indica que o que menos existe nessa questão, é dívida pública. O Brasileiro vive na sétima maior economia do mundo, mas com as mesmas condições da pior economia do mundo. É extremamente importante que o Brasileiro entenda de uma vez por todas, que a solução não esta nas mãos do Aécio, do Lula, Dilma ou qualquer outro candidato ou partido político atual. Todos eles, incluindo os militares, fazem parte do mesmo esquema sistemático de corrupção que condena o povo Brasileiro a viver uma vida digna de submundo, mesmo vivendo em um dos países mais ricos do mundo. O Brasileiro precisa entender que se não fosse por essas aberrações, toda família Brasileira teria condições de ter uma educação de qualidade, um sistema de saúde de qualidade, uma casa de qualidade, um bom carro, um bom emprego, segurança nas ruas, Paz dentro e fora de casa. O Brasileiro poderia fazer planos para viajar para o exterior nas férias, levar seus filhos na Disney. O Brasileiro poderia jantar fora mais vezes, viver mais e ser mais feliz. Se isso não é possível hoje, não é por culpa do cidadão, não é por falta de vontade de trabalhar, não é por culpa sua. É por culpa do nosso sistema governamental, extremamente corrompido, que faz você, ter que trabalhar para pagar dívidas que você nunca fez, e ter que viver sem perspectivas de futuro, porque não existe futuro para uma nação que aceite tamanha aberração, sem nenhuma reação. Em um momento como esse, não é possível existir cidadãos de bem, cidadãos de esquerda e de direita. É preciso existir apenas, Brasileiros! Brasileiros que não aceitam mais o sistema corrompido que nos foi imposto. O veto da presidente Dilma contra a auditoria da dívida pública Brasileira foi uma condenação a pobreza eterna para todos os cidadãos Brasileiros.

 

 

David Cameron E O Legado Da Escravidão (opinião)

By: Michaell Lange,

30/09/15 –

Em viagem de negócios ao Caribe, o primeiro ministro Britânico, David Cameron, não conseguiu evitar um problema que assombra a história do Reino Unido a séculos e ainda hoje, promove intensos debates sobre a responsabilidade Britânica no pagamento de indenização pelos danos causados pela industria da escravidão que mutilou a história de quase todos os países Latino Americanos e do continente Africano. Durante um encontro com a primeira ministra da Jamaica, Portia Simpson Miller, a questão da divida histórica foi apresentada a David Cameron que, mesmo reconhecendo a seriedade do problema, recusou-se a fazer um pedido de desculpas formal ou pagamento de qualquer reparação aos países Caribenhos que sofreram com a escravidão. Em 2013 em seu discurso na ONU, a primeira ministra da Jamaica ja havia formalizado um pedido para abertura de um debate internacional para abordar as questões esquecidas depois da abolição da escravidão.

Por mais de 200 anos, o Reino Unido foi o principal beneficiário da industria de escravos. Documentos do arquivo nacional Britânico denunciam o transporte de quase 13 milhões de pessoas entre a Africa e as Americas. Depois da abolição em 1833, o governo Britânico indenizou 46 mil donos de escravos por “perda de propriedade humana”. O valor total das indenizações chegaram a £17 bilhões de Libras (R$102 bilhões de Reais), o equivalente a 40% de todo o gasto do governo Britânico em 1834, incluindo £3 milhões de Libras (R$18 milhões de Reais), pago a família do atual primeiro ministro David Cameron. Nenhum escravo foi indenizado pelo governo Britânico.

O assunto tem sido amplamente debatido esta semana por toda a mídia Britânica, incluindo as redes sociais. A radio LBC – Leading Britain’s Conversation – deu grande destaque ao assunto e atraiu milhares de pessoas a participarem dos debates ao vivo. De todos os apresentadores da LBC, até mesmo o mais imparcial de todos (segundo minha opinião) James O’Brien, tiveram dificuldades para entender a magnitude da herança deixada pela industria de escravos. O argumento mais defendido por aqueles contrários a qualquer forma de pagamento compensatório ou pedido de desculpas é o de que nada pode mudar o que foi feito no passado. Outro argumento bastante ouvido é de que, não devemos nos prender ao passado mas sim focar no futuro. O equivoco destes argumentos é que a história pode ser antiga mas, as consequências continuam vivas como nunca. O Brasil é um grande exemplo desse legado. Em 1888 logo após a abolição, 80% da população Brasileira era de escravos. Escravos estes que por séculos, foram impedidos de se desenvolver naturalmente, geração após geração em total estagnação no desenvolvimento humano, enquanto que o branco Europeu seguia seu desenvolvimento sócio-econômico de forma continua e natural. O negro não é por tanto, uma raça inferior a branca como muitos grupos racistas costumam clamar, mas sabe-se que isolando-se um grupo de pessoas e privando-as de acesso a qualquer forma de educação ou possibilidade de desenvolvimento pessoal e humano, os resultados ao longo de séculos serão desastrosos. Foi exatamente isso que aconteceu no Brasil e na maioria dos países vitimas da industria de escravos. O sul do Brasil não é a região mais desenvolvida do Brasil por acaso. A região Sul teve pouca influência escrava e se beneficiou com a forte colonização Européia ou seja, pessoas que tiveram algum acesso a educação e desenvolvimento humano, enquanto que a população do Norte/Nordeste, predominantemente ex-escravos, tiveram beneficio sócio-econômico próximo do zero por conta de uma população esfacelada, torturada e privada de qualquer direito por centenas de anos. Seria como buscar um grupo de pessoas que viveram nos anos de 1700  e fossem libertados no centro de São Paulo numa manhã de segunda feira em pleno 2015. Sera que podemos chamar isso de liberdade? O resultado não poderia ser diferente. Os imigrantes Europeus que chegaram ao Brasil em meados de 1880 e 1900, prosperaram e logo se transformaram na classe dominante. Esse fenômeno não foi observado apenas no Brasil. Até nos EUA os estados do Sul, predominantemente descendentes de escravos são mais pobres que os estados do Norte, predominantemente brancos de origem Européia.

O impacto de séculos de exploração de um único grupo de pessoas continuam visíveis hoje da mesma forma que era visível em 1888. No Brasil de 2015, os negros são maioria absoluta nas prisões, nas periferias e na classe pobre do país. É como se aqueles escravos continuassem, ainda hoje, caminhando sem rumo, atordoados pelo trauma transferido de geração para geração. Dos 56 mil homicídios em todo o Brasil, 77% das vitimas são negros com idade entre 15 e 29 anos. Frente a tantas evidencias do impacto humano impostas sobre nossa população, é inadmissível que governos Europeus como o atual governo Britânico, se recusem a reconhecer e a formalizar pedidos de desculpas formais pelos irreparáveis danos causados a inúmeras gerações de pessoas cuja as gerações descendentes de hoje, continuam pagando um preço altissimo por um crime que eles nunca cometeram.

É correto afirmar porem, que o pagamento de indenizações em dinheiro, não é a solução para o problema, muito menos qualquer repasse de verbas aos governos dos países vitimas da escravidão. Isso seria um grande equivoco. O que precisa ser devolvido as vitimas é exatamente aquilo que lhes foi tirado ou seja, o desenvolvimento humano, a dignidade e consequentemente, a qualidade de vida. A única maneira de reparar o legado escravo, ao meu ver, seria a criação de um fundo monetário organizado e administrado pelos governos envolvidos na industria escrava, como Portugal, Holanda, França e Reino Unido, com objetivo único e exclusivo de construir escolas e universidades em países vitimas como o Brasil, Jamaica, Colombia etc, nas quais apenas negros seriam admitidos. As escolas e as universidades seriam partes do mesmo sistema no qual o aluno iniciaria a vida acadêmica na pré-escola e sairia formado na universidade. Todo esse sistema educacional seria independente do sistema educacional Brasileiro ou seja, todas as escolas e universidades seriam administradas pelos governos envolvidos no fundo monetário para a reparação dos danos humanos deixados pela escravidão. Todos os envolvidos seriam beneficiados com esse projeto. O Brasil ganharia com o fortalecimento do IDH da sua população que consequentemente levaria a uma baixa nos níveis de criminalidade de rua, e aumento nos níveis de desenvolvimento sócio-econômicos que incluiria qualidade de vida. Os descendentes de escravos seriam recompensados pelo mal causado as gerações passadas e os países Europeus se beneficiariam com a utilização da diplomacia cultural que transfere conhecimento e valores sociais, econômicos e religiosos aos Brasileiros criando uma relação mais harmoniosa e possibilitando no futuro, mais acordos sócio-econômicos entre os países envolvidos.

É quase certo que muitos de vocês, ao lerem sobre essa idéia até aqui, ja estejam revoltados e cheios de perguntas e questionamentos sobre a legitimidade de tal ideia. Alguns até encontrarão argumento racista nessa. Outros questionarão a divisão e a segregação dos negros ou irão me acusar de promover Apartheid. Outros questionarão como seria possível definir um negro com tamanha miscigenação de raças no Brasil. Todos estes argumentos são corretos e fundamentalmente inevitáveis. Mas é importante considerar que eu estou apresentando uma solução possível para um problema sério, e nenhuma solução trás consigo 100% de perfeição. Qual seria a solução? A certeza que tenho é a de que, quando queremos algo, conseguimos. Acabamos de descobrir agua em Marte por exemplo. Vivemos o conforto da internet, do google e do Iphone. Nenhum destes projetos foi concluído sem que as pessoas acreditassem neles. Dessa mesma forma, as dificuldades e os problemas de um projeto de tal escala seriam superados a partir da credibilidade das pessoas sobre a importância dos seus resultados. Pessoalmente, estou aberto a todo tipo de critica, como também estou aberto a discutir outras soluções. O que não podemos fazer é continuar ignorando um problema secular com o argumento simplista de que o crime foi cometido a muito tempo atras e nenhuma das vitimas esta viva para ser recompensada. As vitimas podem não estar mais vivas, mas as consequências daquele crime certamente estão e podem ser facilmente observados em todos os países vitimas da escravidão. É importante reconhecer que as consequências continuam atuais e visíveis aos olhos de quem quer ver. O que não podemos fazer é continuar aceitando que lideres como David Cameron cuja a própria família foi indenizada pela abolição da escravidão, continue ignorando um dos problemas mais sérios da história da humanidade como se ele não tivesse nada a ver com isso. Existem ainda hoje, verdadeiras fortunas ditando as regras no mundo financeiro, que não existiriam não fosse os lucros produzidos pela mão de obra escrava. Mesmo em Londres, o Museu Britânico, a Galeria Nacional de Arte, e grande parte da malha ferroviária que corta o país, foram financiadas com dinheiro dos escravos. Moralmente, cada descendente de escravo deveria ser dono de ações destes lugares cuja existência não seria possível sem a condenação a uma vida miserável e desumana de milhões de escravos, vitimas de um regime que até hoje se recusa a admitir sua divida com estas pessoas. Numa analogia com um crime mais recente, vale lembrar que o Holocausto promovido pelos Nazistas contra o povo Judeu durou 5 anos e certamente deixou um legado eterno. A Industria de escravos durou mais de 200 anos, e mesmo assim os responsáveis se recusam a assumir qualquer responsabilidade. Esse é um assunto que os lideres e a mídia Européia não fazem muita questão de debater frequentemente. Cabe a nós, cidadãos do mundo, através das redes sociais, continuar pressionando os responsáveis por esse crime contra a humanidade até que seja admitida a responsabilidade, e as formas compensatórias sejam definidas e postas em pratica em todos os países vitimas. Assim como as vitimas do holocausto Nazista foram reconhecidas e os responsáveis foram presos e condenados, as vitimas da escravidão precisam ser reconhecidas e ressarcidas do prejuízo histórico que ainda pode ser recuperado.

Leia mais:

University College London – https://www.ucl.ac.uk/lbs/

The Guardian – http://www.theguardian.com/world/2015/jul/12/british-history-slavery-buried-scale-revealed

The Guardian – http://www.theguardian.com/commentisfree/2015/sep/30/david-cameron-slavery-caribbean?CMP=fb_gu

LBC Radio – http://www.lbc.co.uk/calls-for-uk-to-pay-over-jamaica-slave-trade-117086