MULHER ELEITORA

Por: Michaell Lange,

Londres, 06/02/18 –

 

Hoje os Britânicos comemoram o centenário da aprovação parlamentar do chamado Representation of the people Act  – “Ato de representação do Povo” de 1918, que deu direito as mulheres Britânicas acima de 30 anos e proprietárias de imóveis, de votarem e serem votadas. Apenas em 1928 o direito de voto foi concedido a todas as mulheres. Mas não foi uma conquista fácil, sobretudo por conta de um empasse político entre os dois maiores partidos da época, os Conservadores e liberais, que temiam as consequências da aprovação desse direito. Durante décadas, mais de 1300 mulheres ativistas foram presas e processadas pelo governo. Mas, foi a participação decisiva das mulheres na Primeira Guerra Mundial que fez as opiniões mudarem em favor das mulheres.

Junto com as comemorações do centenário do direito das mulheres ao voto, o governo Britânico estuda a proposta do líder do Partido dos Trabalhadores, Jeremy Corbyn, para um pedido oficial de desculpas do governo e pelo perdão e remoção dos nomes das mulheres presas durante a campanha pelo voto feminino, da fixa criminal do país.

No Brasil, a luta pelo direito das mulheres de votar e serem votadas, durou mais de 100 anos. Foi apenas em 1933 que as mulheres do Brasil tiveram seus direitos reconhecidos pelo governo. A Constituição de 1824, não restringia especificamente o voto das mulheres, apenas dava direito de voto para todo cidadão acima de 21 anos. Porém, o conceito de cidadão da época não incluía as mulheres. A Potiguar Celina Guimarães foi a primeira mulher a ter conseguido o direito de votar após cumprir todas as exigências estabelecidas pelo governo. Mas, foram os estados de Minas Gerais e Rio Grande do Norte os grandes pioneiros do movimento. Outro nome de destaque dessa conquista é a da Mineira Miêtta Santiago, que ao retornar da Europa com apenas 20 anos de idade, descobriu em 1928, que a proibição do voto feminino feria o artigo 70 da Constituição Brasileira de 1891 que ainda estava em vigor. Carlos Drummond de Andrade teria ficado tão impressionado que dedicou o poema Mulher Eleitora a jovem Mineira, que além de votar, votou em si mesma.

É importante frisarmos que o direito da mulher, seja de votar ou trabalhar com ou sem o consentimento do marido, ou quaisquer outros direitos cuja o homem historicamente limitou-se a dar-se a si mesmo, sempre existiu. A luta nunca é portanto, pelo direito em si, mas pelo seu reconhecimento. Ainda hoje as mulheres são submetidas aos mais inaceitáveis abusos cometidos por homens que ainda acreditam serem superiores. Apesar do movimento feminista ter adotado diferentes frentes ao longo dos anos, o objetivo central continua sendo o mesmo, o reconhecimento de igualdade de direitos com relação aos homens.

Mesmo completando 100 anos da conquista do direito de votar das Britânicas, as mulheres do Reino Unido, continuam a ganhar em média 15% a menos que os homens trabalhando na mesma função. A Nova Zelândia foi o primeiro país a legalizar o voto feminino em 1893. Apesar das grandes conquistas, a luta continua!

 

 

CORRUPÇÃO EXPLICITA E ILIMITADA

By: Michaell Lange,

London, 19/05/17 –

A Rede Globo pareceu a primeira vista, ter jogado o excremento da política Brasileira nos ventiladores de Brasilia ao publicar uma “bomba Jornalística” durante o Jornal Nacional da última Quarta Feira (17), que revelou conversas extremamente comprometedoras entre empresários da empresa JBS, o Presidente da República, Michel Temer e o Senador Aécio Neves. A noticia fez tremer os alicerces da Capital Federal que parou diante das denuncias de corrupção e pagamento de propinas, supostamente autorizadas pelo próprio presidente, para comprar o silêncio do ex-Presidente da Camara dos Deputados, Eduardo Cunha, que se encontra preso sob acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.

Mas, diferentemente das gravações telefônicas entre Lula e Dilma que foram ao ar imediatamente após o vazamento dos tapes, a Rede Globo se limitou apenas a publicar as transcrições dos diálogos entre o Presidente Temer, o Senador Aécio Neves e os empresários da JBS ao invés dos audios, que certamente teriam impacto muito mais devastadores. Os porquês da Rede Globo ter preferido não publicar os audios como fez no caso entre Lula e Dilma é uma pergunta que apenas a Rede Globo pode responder. O fato é que estamos diante de evidências explícitas de crimes que ja eram de conhecimento geral, mas que nunca houve comprovações materiais tão contundentes ligando todas as esferas do governo incluindo o próprio Presidente da República.

A história da JBS também denuncia um sistema criminoso gigantesco envolvendo o governo Federal e empresas privadas como a própria JBS, que durante o governo Lula recebeu empréstimos generosos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, e se transformou na maior processadora de carne do mundo. A JBS que em 2006 tinha um faturamento anual de R$ 4.3 bilhões de Reais, passou a lucrar em 2016 R$ 170 bilhões de Reais, mesmo precisando ser resgatada financeiramente em 2011 pelo BNDES quando a empresa quase quebrou (Jornal Nacional). É um tanto evidente que um aumento patrimonial de 40 vezes em apenas 10 anos, não correspondem aos padrões econômicos Brasileiros e pode estar diretamente ligado a sua relação de vantagens criminosas com o governo Federal. Mas a história da JBS esta longe de ser única. A própria rede Globo é acusada de receber recursos e investimentos públicos estimados em milhões de Reais. As revelações do JN parecem serem parte de um sistema mafioso e gigantesco que se alimenta dos cofres públicos e destrói qualquer possibilidade de crescimento do país. O lucro deles é criado encima da desgraça do povo que eles deveriam zelar. Somos nós, o povo Brasileiro, que sustentamos toda essa estrutura bilionária que gera lucro fácil a empresas privadas e políticos corruptos, e um prejuízo incalculável para o país e para o povo Brasileiro.

O pagamento sistemático e bilionário de propinas entre grandes empresas privadas e o governo Federal em troca de vantagens indevidas, denuncia uma rede criminosa de magnitudes inimagináveis aos olhos do trabalhador e contribuinte Brasileiro. É como se multinacionais mantivessem grandes aspiradores de pó (nesse caso de dinheiro), dentro dos cofres públicos em tempo integral sugando dinheiro que deveria ser usado na melhoria do sistema de saúde, na educação e na segurança do povo Brasileiro. É bem provável que esse gigantesco desvio de dinheiro público seja um dos principais responsáveis pelo próprio endividamento do estado. É seguro afirmar que estes esquemas bilionários de favorecimento ilícitos envolvendo governo e empresas privadas, sejam a regra em todos os níveis governamentais do país, passando pelas prefeituras, governos de estado, e como ja sabemos, na própria Presidência da república. Não é difícil observar para onde vai os recursos públicos que deveriam ser investidos no desenvolvimento e modernização do país. As consequências desse crime hediondo são visíveis em todo o Brasil, seja na precariedade das escolas, nas praças públicas, na decadência dos hospitais e estradas de Norte a Sul do país. Os aposentados, Professores, a policia e outros servidores públicos, são abandonados pelo estado enquanto Eduardo Cunha recebe mesada na prisão, em valores que 99% dos Brasileiros nunca ganharão trabalhando. E qual é a ordem do Presidente da República? “Tem que manter isso ai”. A revolução Francesa que viu membros do governo e da elite Francesa serem arrastados e guilhotinados em praça pública pelo próprio povo, ocorreu por muito menos do que isso. A pergunta é: Até quando o povo Brasileiro aguenta essa tortura?

O momento é oportuno para o povo Brasileiro refletir e entender que a reforma da previdência, além de todas as outras políticas de austeridade promovida pelo governo Brasileiro, seriam totalmente desnecessárias caso não existisse a transferência bilionária e criminosa de recursos públicos para políticos e empresas privadas. Sobraria orçamento para modernizar o país e transformar o Brasil em um país de ponta, com educação, saúde e segurança exemplar. Isso só não é possível, e hoje isso se faz mais claro do que nunca, porque as pessoas responsáveis por esse processo, roubam o povo Brasileiro com a maior desfaçatez e a certeza da impunidade. Assistem o povo Brasileiro ser assassinado nas ruas e morrerem nos hospitais com a mesma frieza diabólica de um psicopata assassino e calculista. Ainda fazem videos para dizer o quanto amam o povo Brasileiro e o quanto são honestos. fazem cara de santinhos para pedir o voto, mas são na verdade os ratos responsáveis pela praga que aniquila uma nação inteira de forma lenta e extremamente dolorosa. Não amam ninguém se não a si próprio!

Os irmãos da JBS que fizeram a denuncia do crime que eles mesmo fizeram parte, alegaram ameaças de morte e deixaram o Brasil. Se encontram agora em Miami nos EUA. Ironicamente, a cidade Americana é refúgio conhecido de bandidos do mundo inteiro, diga-se, políticos, empresários, traficantes de droga, e até lideres religiosos, que na eminência da captura, refugiam-se no ninho favorito das ratazanas mundiais que lhes proporciona um nível de segurança e conforto que suas vitimas jamais poderão usufruir. São ratos de fato e merecem todo o desprezo e a fúria do povo Brasileiro. Brasilia tem que cair por inteiro, e das ruínas dessa babilônia, um novo sistema político deve surgir. Um sistema político que não tenha um gargalo chamado Brasilia, nem repasses de verbas dos estados para uma união corrompida. Talvez, um sistema federativo aos moldes dos EUA seria uma boa opção para o Brasil e quem sabe, prisão perpétua para qualquer político eleito  que se envolver em esquemas de corrupção. É agora ou nunca!

 

NOSSA DEMOCRACIA É ADOLESCENTE, MAS PRECISAMOS APRENDER A FAZER-LA E PRESERVA-LA

By: Michaell Lange,

London, 28/04/17 –

 

O Brasil é um país jovem que tem penas 195 anos idade. Nossa democracia é pre-adolescente, o que justificaria nossos erros de exercício. Mas nesse caso, estamos falando de adultos exercitando uma democracia jovem e por tanto, é preciso aprendermos a fazer democracia e ao mesmo tempo preserva-la.

Não há nada mais auto-destrutivo, no que se refere ao exercício democrático, do que barricada construída com paus e pneus para fechar vias públicas. Pior ainda quando ateiam fogo. É a estratégia mais anti-democrática, abusiva e contraditória que qualquer protesto pode adotar. Isso não é uma crítica partidarista, mas a impressão é de que a esquerda costuma usar dessa estratégia com mais frequência do que ninguém. Porém, isso não se limita aos esquerdistas. Vale lembrar dos protestos dos caminhoneiros em 2015 contra o governo Dilma, que bloqueou estradas em todo o país, e motoristas que se recusavam a participar acabavam agredidos e com o caminhão danificado pelos próprios colegas de profissão. Dias atrás, uma outra categoria que muito me diz respeito, os pescadores, também bloquearam a BR 101 em Itajai em protesto contra a proibição da pesca de inúmeras espécies de peixes, que  de fato, coloca em risco toda a industria pesqueira do país. Em ambos os casos, não se tratava de protestos promovido pela CUT ou qualquer outra instituição de esquerda.

O Brasil assiste hoje, políticos de todas as esferas, serem presos, processados e investigados por corrupção e lavagem de dinheiro. Mesmo assim, tem-se a impressão de que o povo Brasileiro nunca esteve tão dividido. Defendemos a pau e pedra, aqueles que acreditamos ser os menos corruptos. Mesmo frente a um assunto relevante a todos os trabalhadores do país, como é o caso da reforma da previdência, o povo Brasileiro é incapaz de protestar unido. Quem não concorda com a greve geral de hoje, tentou classifica-la como partidarista. E quem foi a favor da greve de hoje, fez questão de demonstrar seu partidarismo. Fica difícil para o trabalhador Brasileiro, vitima de tamanha sacanagem, se defender da infinita e ilimitada agressão vinda de Brasilia. Afinal de contas, quem tem que cair é Brasilia e não o Brasil!

Fechar as estradas com o único intuito de impedir a passagem daqueles que como vc, tem o direito de ir e vir, é um tiro de canhão no próprio pé. Digo isso por vários motivos. Primeiro, bloquear vias públicas colocando fogo em pneus e madeira causa a sensação de caos e tensão, que acaba tirando o foco do verdadeiro motivo do protesto. Segundo, quando impedimos a livre passagem daqueles que por motivos múltiplos não participam do protesto, criamos um inimigo naqueles que deveríamos conquistar o apoio. Ninguém que precisa ir de um lugar para outro, por motivos banais ou urgentes, e acaba preso, impedido, e impossibilitado de seguir seu caminho por causa de uma barricada desnecessária e que esta ali com o único propósito de impedi-lo de seguir viagem, irá apoiar qualquer protesto, seja por motivo mais nobre que for. Terceiro, o fechamento de uma estrada fornece o ingrediente perfeito e legal, para a ação da Policia Militar. Todo mundo sabe que a PM tem um prazer quase sexual em dar porrada em esquerdista, por isso, fazer barricada com fogo em pneu, é um convite a tomar paulada da PM. Isso tudo sem falar no dano causado pelo fogo no asfalto e a poluição causada pelos pneus incendiados. Se uma multidão, digamos, 50 mil pessoas ou mais fechar a Avenida Paulista, sejamos justos, cabe sempre o bom senso. Mas, fechar uma estrada importante por conta de 100 ou 200 pessoas não é bom senso, nem democracia, é abuso de direito. Existe uma grande diferença entre fechar a Av Paulista em São Paulo com uma multidão de manifestantes, como ocorre frequentemente (bom senso), e fechar a SC-401 em Florianópolis queimando pneus com um punhado de manifestantes causando caos total para pessoas que não querem participar do movimento (abuso de direitos).

O Brasil é um país jovem, e nossa democracia é adolescente, mas o Brasileiro precisa aprender a fazer democracia e preserva-la. Caso contrário, não teremos a menor chance contra estes abutres da política nacional.

 

POLÍTICOS: OS GRANDES EXTERMINADORES DO POVO BRASILEIRO

By: Michaell Lange,

London, 11/04/17 –

A lava jato tem quatro personagens distintos. Dos quatro, apenas um é vítima, o povo Brasileiro. Dos outros três, um é a justiça parcialmente corrompida, os outros dois são cúmplices de crime grave contra a nação Brasileira, parte do setor privado e o estado. O estado aqui, se divide em oposição e situação que juntos, formam a facção criminosa que saqueia e mata diariamente. Partidos da esquerda, de direita e centro, como o PMDB, PSDB, PT, PP e dezenas de outros, que trabalharam em conjunto para roubar o país das suas riquezas, oportunidades futuras e de sua própria vida. A gravidade desse crime é infinitamente superior ao crime de rua ou o crime de violência causada na maioria dos casos, pelo narcotráfico, que acredita-se estar também envolto ao governo. O crime praticado por grandes empresas privadas em conluio com o governo eleito para administrar o bem público e zelar pelas instituições e atribuições do Brasil, é infinitamente superior ao crime de traição a patria, o qual muitos países ainda punem com a pena capital. O crime praticado por estes barões da política nacional e da economia Brasileira, é um genocídio contínuo e não declarado que ja matou milhões de cidadãos Brasileiros de forma direta e indireta. Esse extermínio sistêmico do povo Brasileiro é promovido diariamente pela falta de medicamentos básicos em hospitais e postos de saúde, pela falta de tratamentos de doenças graves, pela falta de hospitais, de médicos, de infra-estrutura nas cidades e estradas, e sobretudo, de fome. O Governo Brasileiro em conjunto com empresas privadas, mataram e matam, centenas de milhares de crianças Brasileiras de fome, de desnutrição e doenças curáveis. Outros milhões morreram e morrem nas filas dos hospitais esperando atendimento, ou aguardando tratamentos essenciais. Tudo isso para que algumas centenas de políticos e empresários possam desfrutar de contas bancarias com saldos bilionários no exterior.

Estes assassinos, massacram o povo Brasileiro de uma forma tão monstruosa e sistêmica que fazem da comparação, uma missão quase impossível. Hitler, pol pot, Stalin, Mao Zedong e alguns outros, exterminaram milhões. Mas, o governo Brasileiro consegue ser ainda mais cruel. O governo Brasileiro mata o cidadão lentamente nas salas de aula, nos escritórios, nos corredores dos hospitais, dentro do ônibus, dentro de suas casas onde o cidadão perde sua dignidade a medida em que a doença avança, na medida que a fome queima a inocência das nossas crianças, na medida em que a falta de perspectivas do povo se transforma em depressão crônica e mortal adoecendo toda uma nação que é obrigada a trabalhar sem direitos, sem dinheiro, sem saúde, sem educação, sem segurança e sem laser. O governo Brasileiro mata seu povo de humilhação, mata sem dó e sem piedade. O extermínio sistêmico do povo Brasileiro usa dos métodos mais diabólicos e demoníacos porque mata lentamente e propositalmente. A morte vem aos poucos com a gradativa diminuição da capacidade do ser humano de se locomover, de se alimentar, de se tratar. É como uma mão que enforca sua vitima, mas a permite respirar somente o necessário para mante-la viva e assim, continuar sofrendo quase que de forma perpétua até que o corpo, já não mais humano, desista sem que ninguém perceba seu desaparecimento.

Estes assassinos em massa, são políticos e empresários que se dizem pessoas do bem. Se classificam como excelências, doutores e autoridades, se dizem ser até homens de Deus que se permitem o direito de serem seres superiores a todos os outros seres. São Deuses, cuja o poder é tão ou maior do que divino. Se acham superiores as Leis e a própria Constituição Federal. Se acham seres intocáveis. Se dizem perseguidos e injustiçados pelo único fragmento do sistema de justiça que ainda funciona e com muito esforço, consegue acusa-los de uma fração dos crimes que já cometeram contra o povo Brasileiro. São na verdade, monstros e demônios. Vampiros que sugam o sangue e a vida de suas vitimas!

A grande vitima desse crime, o povo Brasileiro, ainda consegue depois de todo o sofrimento, apoiar todas as partes acusadas deste massacre. Esse cenário é possível apenas porque os mesmos políticos e empresários autores desse crime, são também os arquitetos por trás da manutenção da divisão perpétua do povo Brasileiro. Enquanto uma parcela da população defender a direita contra a outra parcela que defende a esquerda e vice-e-versa, não se unirem para juntos apoiarem a justiça, o Brasil seguirá negligente, pobre, injusto, violento, dividido e permanentemente sem futuro. Enquanto o partido dos Brasileiros não for unicamente o Brasil, as vitimas deste crime hediondo, continuarão defendendo a inocência dos criminosos responsáveis pela decadência eterna do Brasil. Seremos como o passarinho engaiolado que defende seu dono por lhe trazer água e comida todos os dias, sem perceber que seu dono é de fato, o responsável por ele estar preso em uma gaiola. Seremos como o Peru votando a favor da ceia de Natal sem perceber que ele é o prato principal. O povo Brasileiro é o único que pode derrubar Brasilia e interromper a promoção sistêmica do massacre do povo Brasileiro. Mas, para que isso aconteça, o Brasileiro precisa se unir em um só povo e um só Brasil como fez em 2013. Quando o Brasil for apenas um, ninguém mais será capaz de derrota-lo, ninguém mais será capaz de extermina-lo. Os políticos e empresários, pensarão duas vezes antes de se deixar levar por sua ilimitada ambição por dinheiro púbico. Brasilia é nosso maior inimigo. Brasilia tem que cair, e levar junto os criminosos genocidas que por tanto tempo exterminam o povo Brasileiro.

 

O BRASIL, A DEMOCRACIA E NOSSOS PECADOS POLÍTICOS

BY: Michaell Lange,

London, 05/09/16 –

Esse artigo é quase uma carta aberta aos meus amigos e colegas com quem venho debatendo desde o impeachment da presidente Dilma Rousseff. É normal que haja desentendimentos e erros de interpretação. Mas é fundamental que possamos entender a posição política de quem esta debatendo com você. Nós Brasileiros, temos muitos defeitos, sobretudo na facilidade como somos induzidos ao erro e influenciados a aceitar opiniões prontas sem questionamentos. Mas é verdade dizer também que ao longo dos anos o Brasileiro vem se tornando mais politizado e mais envolvido com as questões políticas do nosso país. Essa mudança se deve principalmente (ao meu ver) a introdução das redes sociais. Deixamos de ser 100% comandados pela mídia. Boa parte dos jovens se comunica via redes sociais numa comunicação de duas vias. Você opina e critica uma idéia e não apenas ouve sem direito de resposta como costumava ser nos tempos em que havia apenas o radio, a tv e a mídia impressa. Apesar dessa evolução, ainda estamos longe do ideal. Aquela vinheta do plantão da globo ainda tem o poder de fazer nossos corações dispararem causando um choque de ansiedade e preocupação. O jornal nacional continua sendo o ser supremo de informação, mesmo sabendo da sua parcialidade jornalística. Mas estamos melhorando gradativamente, isso é fato. Ha outros problemas mais sérios com relação a política que é de vital importância para o nosso futuro social. Nós Brasileiros, não entendemos quase nada sobre o que é política e como ela funciona. Nos limitamos ao debate sobre corrupção e partidos politicos, e acabamos perdendo os pontos importantes. Nada disso é nossa culpa. As escolas públicas não nos ensinam sobre política, e ha sempre uma suspeita de parcialidade quando alguns professores tentam ensinar política nas escolas. É certo dizer que na maioria dos casos que eu presenciei, os professores sempre foram parciais. Fui conhecer a imparcialidade política apenas na faculdade em Londres onde estudei Relações Internacionais e Política na London Metropolitan University. Meus professores, Mestres e Doutores, nunca se posicionaram de um lado ou de outro, com exceção de um ou dois que tinham dificuldades em controlar sua paixão por Margaret Thatcher e Karl Marx, mas ninguém é perfeito. Tirando as exceções, o incentivo ao debate sempre foi o objetivo maior. Para minha vantagem, na minha sala haviam Americanos, Iraquianos, Nigerianos, Chineses, Franceses, Italianos, Colombianos, Árabes, Russos, Ingleses, Brasileiros e até um aluno da Mongólia com o inglês mais bizarro que eu ja vi. Meus Mestres usavam essa diversidade cultural para verdadeiros confrontos políticos, sempre no campo das idéias, que as vezes não terminavam com o fim da aula. Seguíamos por horas e continuávamos pelos corredores e elevadores do Campus. Juntando toda essa bagagem aos meus 25 anos de Brasil, é importante que meus amigos e colegas não discriminem minha opinião apenas porque não moro no Brasil hoje. Não faço essa observação porque me ofendo.  Em primeiro lugar eu só me permito ser ofendido por pessoas que eu amo muito. Segundo, porque se você entra num debate político com a fragilidade de ofender ou ser ofendido, você não esta buscando conhecimento, você esta buscando apenas por meios para descarregar suas frustrações, e nesse tipo de debate não existe ganho intelectual. Porém, eu tenho lido e ouvido tanto esse argumento de que “eu não estou no Brasil por isso, não sei o que se passa la”, que acaba atrapalhando. É chato ouvir isso o tempo todo. É frustrante, principalmente quando vem de alguém que você sabe que tem potencial para ir além. O que eu gostaria de dizer para estas pessoas, sem precisar fazer “testão” no Face, é que: Eu não sinto o medo da insegurança que você sente morando no Brasil, mas eu sei que você sente medo. Eu sei que você sente medo porque eu ja senti esse medo também, e continuo sentindo cada vez que visito o Brasil. Eu não sinto a frustração de que você sente com a burocracia Brasileira, mas eu sei que você sente, porque eu ja senti também. Eu não julgo os Brasileiros que criticam Cuba, EUA, Russia ou Israel sem nunca terem morado ou visitado o lugar. O Diogo Mainardi da revista Veja mora na Italia mas ninguém questiona isso só porque o cara é famoso. Nós não sentimos na pele o que eles sentem, mas nós sabemos o que eles sentem. Por tanto pessoal, esse argumento de que é muito fácil falar morando aqui, é totalmente infundado e raso. A informação é global. Não sentir na pele o drama local não impede ninguém de falar sobre os problemas estando do outro lado do mundo. O Correspondente do jornal Britânico The Guardian, Glenn Greenwald vive no Brasil mas escreve sobre problemas do mundo inteiro. É importante reconhecer a legitimidade de opinião independente do local de onde vem a opinião. Toda opinião construtiva é valida para o debate não importando a sua origem.

DILMA E O IMPEACHMENT

Nós Brasileiros, estamos tão acostumados a pertencer a alguma coisa, um grupo, uma associação, um clube, um partido político, um time de futebol, uma igreja etc, que não nos damos conta que temos um conjunto de bens que deve ser apoiado e defendido por todos os Brasileiros sem distinção de qualquer natureza. Estou falando da Constituição Federal, a Democracia e nossa liberdade. Este conjunto de bens deve ser apoiado e defendido acima de tudo por todos os Brasileiros, indiferente de idéias e partidos. O que eu percebi do dia do impeachment para cá, é que ha muitos Brasileiros dispostos a colocar a democracia e a Constituição de lado para que seu desejo pessoal seja realizado. Também ha uma confusão com relação as pessoas que apoiam o Fora Temer de serem em quase sua totalidade, confundidos com defensores da Dilma. É obvio que poderíamos afirmar que a maioria de fato, são eleitores da Dilma, mas nem  todos são. Ha muitas pessoas defendo a democracia sem apoiar a Dilma. Eu por exemplo, nunca escondi minha frustração com a falta de competência e liderança da Dilma, apesar de acreditar que ela seja uma pessoa sensibilizada com as questões sociais. Mas, nem isso faz dela uma boa Presidente. Mesmo assim, não podemos ignorar a Constituição e ameaçar nossa democracia para tira-la do poder a força. Eu sou contra o impeachment e contra a saída da Dilma, não porque a defendo, mas por respeito o conjunto de bens que eu citei acima. A Constituição deveria ser para os Brasileiros o que a Bíblia e o Alcorão são para os Cristãos e Muçulmanos. Entendam que defender a Dilma contra o impeachment não faz de mim um eleitor Petista. A minha defesa é a favor da democracia e da Constituição Federal. Da mesma forma que defender o Fora Temer não faz de você um petista. Existem várias religiões que usam a Bíblia como seu livro sagrado. Apesar de serem religiões diferentes, todas elas se unem no livro sagrado. A questão partidarista e ideológica no Brasil deveria seguir a mesma linha da Bíblia ou seja, podemos pertencer a partidos diferentes, apoiar idéias diferentes, mas todos nós precisamos estar unidos em defesa da nossa democracia e da nossa Constituição Federal. Não é possível anular e aplicar a Constituição Federal por conveniência.

Por tanto, quem perdeu com o Impeachment não foi a Dilma ou o PT. Seria inocência e ingenuidade acreditar que um partido que esteve no poder por 13 anos e teve que ser retirado a força do Executivo, perdeu alguma coisa com isso. Considerando o caos que se encontra a direita Brasileira, é quase certo que o Lula volta a ser presidente do Brasil em 2018. Quem de fato perdeu com o impeachment foi a democracia, a Constituição Federal e nossa liberdade, que se encontra comprometida e ameaçada nas mãos de políticos réus, investigados, afastados ou ja condenados por corrupção e lavagem de dinheiro, que hoje, graças ao impeachment, gozam de imunidade parlamentar ou seja, não responderão aos crimes que cometeram. Se ao invés da Constituição Federal fosse a Bíblia, todos os Cristãos, evangélicos, Presbiterianos, Jeovás, Luteranos, Batistas etc, estariam unidos para defender o livro sagrado. O que nos impede de nos unir para defender a Constituição Federal?

O GOVERNO

Outro conceito errado que nós Brasileiros exercemos. O governo não é formado apenas pelo presidente da república. O governo Brasileiro é formado por três poderes. O Executivo, representado na figura do Presidente, o Legislativo que é representado pelo Congresso Nacional e o Judiciário. A figura do presidente representa apenas o poder executivo. Os poderes são divididos exatamente para evitar o que seria uma ditadura ou um totalitarismo onde a voz do presidente seria a Lei. A maior prova dessa divisão do poder foi o impasse político causado pela então oposição governamental. Quando as bancada evangélica, militar e ruralista se uniram, eles dominaram o Congresso Nacional e criaram uma barreira que estaguinou o exercício do governo como um todo. O governo parou porque ele não funciona apenas com as ordens do presidente. O governo não funciona sem o Congresso aprovar e deliberar as prioridades sociais, assim como não adianta o Congresso querer sem a presidência sancionar. O governo por tanto, é todo o conjunto que envolve os três poderes, e não apenas o presidente. Não entender como estes três poderes interagem nos faz vitimas da nossa própria ignorância. O presidente era a Dilma, mas o governo era formado por ela, pelo Congresso Nacional e pelo Judiciário. Na questão do impeachment, todos falharam com suas obrigações e responsabilidades porque o interesse coletivo do congresso era derrubar o presidente. A constituição ficou em segundo plano para interesses partidários nacionais e internacionais. O povo Brasileiro precisa entender que a nossa Constituição Federal é o nosso livro sagrado e deve estar acima de qualquer interesse partidarista ou ideológico.

A DEMOCRACIA

O conceito mais simples sobre a democracia parecer ser o mais aceito por grande parte dos Brasileiros. As pessoas pensam que a democracia é apenas o direito de votar e escolher nossos governantes. Isso é um equívoco. A definição de democracia como sendo o poder do povo pelo povo para o povo, vai muito além do direito de votar. Pessoalmente, defino a democracia como o sistema mais caótico que existe. A ditadura e o totalitarismo tira do povo o direito e a responsabilidade de opinar, de expressar suas vontades e desejos. O ditador é o senhor do seu povo ou seja, o que ele fala é Lei e pronto. A democracia é caótica porque concede o mesmo direito a todos os cidadãos. Essa ação por si só causadora de caos. O artigo quinto da nossa Constituição Federal de 1988 afirma: “Todos são iguais perante a Lei sem distinção de qualquer natureza” ou seja, indiferente da sua profissão, escolaridade, status social, condição financeira; todos são iguais perante a Lei. A consequência dessa igualdade social perante a Lei concede a 200 milhões de cidadãos Brasileiros que pensam diferente, tem desejos diferentes, ambições diferentes, idéias diferentes, poder financeiro diferente, status social diferente; a condição de total igualdade perante a Lei. O policial, O advogado, o Juiz, e outras autoridades sociais não tem por tanto, mais direitos do que qualquer outro cidadão Brasileiro, o que eles tem é mais responsabilidades. No Brasil, temos o conceito errado e inconsciente de que quanto mais dinheiro você tem mais direitos você adquire. Esse conceito é totalmente equivocado. O rico não tem mais direitos do que o pobre. A autoridade não tem mais direitos do que qualquer membro da nossa sociedade. Por isso a sociedade democrática é uma sociedade caótica, onde todos tem os mesmos direitos e precisam, de alguma forma, acomodar os diferentes anseios de cada cidadão para que a sociedade funcione. O protesto que fecha a rua, a avenida ou a ponte, gera grandes transtornos a muitas pessoas que também tem garantido por Lei o direito de ir e vir. Esta Lei também faz parte do artigo quinto da Constituição Federal de 1988 que afirma: “É livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou sair com seus bens. Todo cidadão tem direito de se locomover livremente nas ruas, nas praças, nos lugares públicos, sem temor de serem privados de locomoção”. Essa Lei em si ja é causadora de caos, mas quando a Lei que nos da o direito e ir e vir sem temor de serem privados de locomoção, é confrontada com a Lei que nos da o direito a manifestações, o resultado só pode ser o caótico. A Lei que concede o direito a manifestação também faz parte do artigo quinto e afirma: “É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; […] XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente; […] XVII – é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar”.

Vemos frequentemente que a PM e o Governo interferem em nossos direitos constitucionais seja pelo uso da violência, bloqueio da livre passagem dos manifestantes, e proibição de atos públicos. Manifestantes também infringem a Lei ao depredar o patrimônio público e portar armas durante manifestações populares.

O caos democrático pode ser observado por exemplo no cidadão que trabalhou o dia inteiro e deseja sua livre locomoção até a sua residência, mas se depara com uma manifestação pública sobre assuntos que não lhe trazem interesse. A virtude social que deve ser sempre exercitada para o controle do caos democrático é a tolerância. A tolerância reconhece a importância de uma manifestação popular mesmo quando esta não nos interessa. A greve dos caminhoneiros causou imenso transtorno durante semanas em quase todo o território Brasileiro. Muitas pessoas que simpatizavam com o argumento dos caminhoneiros exercitaram a tolerância diante de estradas e rodovias federais que permaneceram fechadas por vários dias. Ja as manifestações que fecharam a ponte em Florianópolis na hora do rush, foi intensamente criticada, principalmente por aqueles que não simpatizavam com a causa. Isso tende a agravar o senso de injustiça. Mas é importante que tudo isso seja superado e considerado necessário para a manutenção da nossa democracia. Pessoalmente achei a idéia de fechar a ponte um tanto equivocada pois, afeta o cidadão que deseja ir para casa e certamente não atrai o apoio popular. Mas esse é o caos democrático que desejamos viver. Na Coreia do Norte não ha caos, não ha protestos nem greve, porque não ha direitos nem liberdades. O totalitarismo ditatorial concede o poder total a uma única pessoa e esta, é quem decide como a sociedade e seus cidadãos devem se comportar. Hoje, o principal acesso terrestre entre a França e o Reino Unido foi fechado por manifestantes franceses. Esta é uma questão ainda mais delicada pois envolve o bloqueio de um dos principais acesso ao Reino Unido. Mas mesmo com algumas criticas, as agencias de transito e transporte fazem todo o possível para que a manifestação ocorra com segurança e com o mínimo de transtorno aos cidadãos afetados. Esse trabalho minimiza o caos e garante a manutenção da democracia. O protesto deve durar uma semana. A policia se limita a garantir a segurança de todos os envolvidos.

Concluo que o debate politico em todas as esferas sociais é extremamente importante para que possamos, não apenas nos comunicar diretamente, mas entender mais sobre o povo Brasileiro, quem somos, o que desejamos, porque divergimos nas opiniões. Entender o processo democrático, o funcionamento do governo e conhecer nossos direitos, é mais do que um dever, é uma responsabilidade de quem busca construir um país melhor para viver. Os rótulos populares que causam divisão e atrito, devem ser evitados. Pessoalmente não uso nenhum deles. Não me refiro a nenhum cidadão Brasileiro como coxinha, petralha, tucanalha, mortadela etc. Somos todos um único povo que busca e deseja melhorias. Separados em bandos, seremos sempre massa de manobra. Unidos, somos uma democracia forte e livre. A superação destas diferenças é provavelmente o processo mais difícil. As relações entre o povo, o governo, a policia e outras agencias e instituições sociais e governamentais, sempre foram marcadas pela fragilidade e a desconfiança. mas cabe a cada cidadão mudar essa realidade dentro de si. Não ha tempo a perder, o Brasil precisa crescer e se desenvolver.

 

 

 

 

O BRASIL DIVIDIDO E A TERCEIRA VIA DE PENSAMENTO

Por:Michaell Lange.

Londres, 20/03/16 –

Assisto aqui de fora, com olhos atentos e consternados, ao agravamento da crise política e social que tomou conta do Brasil nas últimas semanas. Até mesmo a classe jurídica do país resolveu entrar na briga, mas ao invés de clarificação, trouxeram mais dúvidas e confusão sobre o que é legal e ilegal nas ações da justiça e do governo nos últimos dias. Uma coisa porém, é certa. O povo continua sendo massa de manobra nas mãos da mídia. No último artigo desse blog, salientei a importância do processo em que estamos vivendo e também o fato dos Brasileiros estarem abrindo seus olhos a respeito dos poderes de influencia que a mídia exerce sobre as pessoas. Mas não se pode subestimar o poder dominador dos principais meios de comunicação no Brasil e no mundo. Apesar da população Brasileira estar dividida em duas claras esferas políticas, a direita e a esquerda, uma terceira via de pensamento vem ganhando força nas ruas e nas redes sociais. Me refiro a um grupo cada vez maior de pessoas que não apoiam partidos e suas personalidades. Querem apenas que todos os culpados sejam investigados e julgados pelos possíveis crimes que cometeram. Eles também não esqueceram da importância de se promover uma profunda reforma política a nível nacional. Essa minoria, que ataca políticos de todos os lados, me parecem ser os mais lúcidos nesse mar de lama e confusão que vivemos nesse momento. Essa terceira via de pensamento, também me parece ser uma possível saída, ou o caminho da liberdade que poderá ajudar o Brasil a se recuperar dessa crise com mais inteligência e desenvoltura.

Infelizmente, os outros dois grupos formados por apoiadores de partidos políticos de esquerda e de direita, continuam representando a grande maioria dos Brasileiros nas ruas. Renunciar o partido que apoiamos  para apoiar uma terceira via de pensamento é um exercício extremamente difícil. É quase tão difícil quanto um torcedor de um time de futebol deixar de torcer pelo seu time do coração e passar a torcer por outro time. Nosso sentimento de apego é muito grande. Nos sentimos em casa, confortáveis, bem representados e seguros. Mas diferentemente do futebol, deixar de apoiar um partido de esquerda não nos faz necessariamente um defensor de um partido de direita e vice-versa. A terceira via de pensamento não muda seu modo de pensamento central ou seja, você não deixa de ser um seguidor das idéias da esquerda assim como você não deixa de apoiar as idéias da direita. O que muda é a sua visão de políticos que cometem crimes, sejam eles de que lado forem. Ser de esquerda não faz de você um PTista, assim como ser de direita não faz de você um PSDBista. É possível ser de direita ou de esquerda sem apoiar ou fazer parte de qualquer partido político. Na verdade, essa seria a posição ideal de uma pessoa com princípios democráticos. Essa posição política, tira dos líderes partidaristas o título de celebridades, algo que um partidarista normalmente carrega no sangue e é capaz de colocar até mesmo os interesses do seu próprio país e do seu povo em segundo plano. Particularmente, acredito que o única forma do povo Brasileiro vencer essa batalha, seria por meio da unificação dos esquerdistas e direitistas em prol de um bem comum, o Brasil. Para isso acontecer, um direitista teria que ser capaz de aceitar e trabalhar junto com um esquerdista e vice-versa. Muitas pessoas acharão que esse pensamento é algo utópico, mas não é. O que poderia ser um pensamento utópico seria esperar que um PTista fosse capaz de gostar de um PSDBista e vice-versa. A diferença é que o partidarismo é uma forma de fanatismo. Funciona como uma torcida organizada de um time de futebol onde todos os membros se comprometem a defenderem os interesses dos seus partidos (ou time de futebol), a qualquer custo. Os interesses do Brasil nesse caso, ficam em segundo plano. Mas um esquerdista e um direitista não partidaristas, não tem esse comprometimento que os prenderia aos interesses de um partido político. O mais importante para estas pessoas são as idéias ou seja, os esquerdistas defendem entre outras coisas, maiores direitos aos trabalhadores. Ja os direitistas, defendem entre outras coisas, menor interferência do governo em questões econômicas. O que os dois lados tem em comum são os interesses do Brasil como principal objetivo. Os dois querem ver o Brasil prosperar socialmente e economicamente. Mas quando alguém defende um partido político que representa suas idéias, fica praticamente impossível a cooperação de duas partes contrárias. Quando vejo Brasileiros brigando na rua, tenho a certeza de que a luta não é pelo Brasil, mas sim pela defesa do seu partido político. Brasileiro que defende o Brasil não entra em luta corporal com outros Brasileiros. Não importa a gravidade da provocação. Por isso, a crise política no Brasil hoje, não é pelo bem estar dos Brasileiros. O que vemos, é uma luta de partidos políticos pelo poder. Nem a democracia, nem os Brasileiros fazem parte dos interesses desta guerra. As únicas pessoas que não fazem parte desse grupo são as pessoas da terceira via de pensamento. Estas, são aquelas pessoas que nas manifestações, foram vistas protestando contra a presença de políticos, e também foram vistas tentando acalmar as confusões entre PTistas e PSDBistas. Foram estas pessoas que tinham em seus corações, os interesses do Brasil e não os interesses de partidos políticos. Estas pessoas sabem que estas brigas nas ruas não são de interesse do Brasil. Servem apenas aos interesses partidários e da mídia que vende mais jornal e notícias.

O Brasil que vejo daqui, é um Brasil manipulado, partidarista e vítima de manobras da mídia. A maior evidência disso é o foco do Brasileiro em derrubar o atual governo. Nesse processo, esquecemos por exemplo: do escândalo do veto da auditoria pública que o Brasileiro nem deu muita importância, mas como resultado, poderia ter triplicado os investimentos em educação, saúde e segurança. Esquecemos que o Congresso Nacional aprovou a doação de dinheiro de empresas para campanhas eleitorais, que é a legalização da lavagem de dinheiro público e centro dos atuais escândalos das empreiteiras e da Petrobras. Esquecemos da catástrofe em Mariana. Esquecemos dos 80 milhões de Reais que a Samarco doou para os principais partidos políticos do Brasil nas últimas eleições que beneficiaram o PT, PSDB e o PMDB principalmente. Esquecemos do escândalo do HSBC. Esquecemos do Massacre dos professores no Paraná. Dos estudantes em São Paulo. Da máfia da merenda em São Paulo. Das desocupações violentas e ilegais no Rio de Janeiro. Esquecemos das contas secretas na Suíça. Esquecemos das importantes reformas políticas que precisamos fazer para tornar o Brasil mais viável, transparente e democrático. Esquecemos do uso abusivo dos aviões oficiais para levar políticos para casa, com custos de até 180 mil reais por vôo. Esquecemos da tragédia do Zika vírus.  Esquecemos que a derrubada do governo, de forma legal ou ilegal, não mudará o atual sistema políticos que domina o Brasil e favorece todos os grandes partidos políticos que atuam no país hoje.

Nenhuma das grandes manifestações no Brasil dos últimos dias abordou os graves problemas e escândalos citados acima. Não havia faixas ou gritos de guerra para protestar contra os verdadeiros interesses que dizem respeito ao povo Brasileiro e anulam qualquer chance de desenvolvimento sócio/econômico do país. O que vimos, foram duas manifestações, uma contra, e outra a favor do governo federal. Temos todo o direito de protestar e reivindicar nossos direitos nas ruas, mas acredito que estamos mais uma vez, sendo vítimas do poder manipulador da mídia que consegue de forma espetacular, desviar nossa atenção para longe dos verdadeiros interesses do povo Brasileiro. Acabamos sendo de fato, massa de manobra para defender interesses de terceiros. Acredito que estamos sendo manipulados hoje, da mesma forma como a minha geração foi enganada no inicio dos anos 90, quando fomos as ruas para derrubar o primeiro governo eleito com voto direto. Lutamos em favor de interesses que na verdade, não eram coletivos e favoreciam apenas uma pequena parcela da sociedade Brasileira. Desta vez, mesmo com as vantagens das redes sociais e uma abertura na forma de pensar do Brasileiro, continuamos a ser vítimas de forças que não tem os interesses do Brasil como meta principal. É extremamente importante para nós Brasileiros, abrirmos nossos olhos e pensarmos com consciência e fora da “caixa”. A reflexão imparcial neste momento, pode nos salvar de mais uma página triste na história do Brasil. Ainda é possível darmos a volta e vencermos esta batalha pelo Brasil. Talvez, a terceira via de pensamento tenha a solução necessária para esta virada. Resta a nós, Brasileiros, resolvermos dar início ao exercício de pensar livremente pelo bem de todos os Brasileiros e não apenas pelo bem de quem esta do mesmo lado da rua. Devemos lembrar sempre que, o Brasil não é um partido político, o Brasil é a nossa casa. Seus moradores precisam defende-la com união, contra qualquer proposta que não tenha os interesses da nossa casa como objetivo principal. O bem estar dos Brasileiros tem que estar sempre acima de qualquer interesse partidário.