BOLSONARO E DAVOS

Por: Michaell Lange,

Londres, 23 de Janeiro, 2019 –

 

“Bolsonaro é a face do populismo no Fórum de Davos” disse o New York Times. O jornal Americano não economizou criticas ao novo Presidente do Brasil. A matéria afirma que Bolsonaro foi recebido por “aplausos desinteressados” depois do discurso de abertura do fórum. O jornal segue afirmando que a postura do presidente Brasileiro com relação a outras opiniões políticas “são incompatíveis com o espirito global de cooperação e liberdade do Fórum de Davos”. ” Com o seu discurso Nacionalista e postura de homem forte, além do seu histórico de criticas machistas, homofóbicas e discriminatórias, Bolsonaro é exatamente o oposto ao espirito de Davos”. A matéria do NYT também lembrou da promessa de campanha de tirar o Brasil do acordo climático de Paris, e de ter cancelado o encontro climático das Nações Unidas 2019 que aconteceria no Brasil, que contraria seu discurso em Davos onde Bolsonaro afirma que irá trabalhar junto com o resto do mundo para diminuir as emissões de gases poluentes.

O New York Times não foi o único jornal a criticar Bolsonaro. O Britânico The Guardian, deu ênfase ao crescente escândalo dos depósitos na conta do seu filho Flavio Bolsonaro, afirmando que a “estréia do presidente Brasileiro foi ofuscada pela bola de neve no Brasil”.

Financial Times foi mais ameno com a primeira aparição do Presidente Brasileiro em Davos, intitulando sua matéria, “Presidente Brasileiro promete abrir a economia”. O FT disse que a postura pro-mercado do presidente deve ajudar o Brasil a se recuperar da crise, mas também criticou o presidente por não responder perguntas e não dar detalhes sobre reformas tributárias que certamente interessam investidores estrangeiros.

A comitiva presidencial parece mais interessada em tirar fotos do presidente comendo em bandeijão, usando crachá e tomando café de garrafa, do que encontrar-se com líderes mundiais e fechar acordos econômicos para o Brasil. O discurso do novo presidente em Davos foi fraco, politiqueiro e contraditório, passando uma mensagem errada do Brasil. De fato, o estilo homem forte, citado na matéria do NYT, é arcaico e atrasado. O mundo esta bem a frente dessa postura robusta, autoritária, machista e discriminatória do novo presidente Brasileiro. A mídia mundial não deixou barato.

Os discursos de ódio contra gays, índios, negros, mulheres e outros grupos sociais, certamente irão ofuscar a credibilidade do Brasil nas relações internacionais. As contradições do presidente com relação ao meio ambiente e a democracia, serão exploradas e postas a prova não apenas por grupos opositores, mas por governos mundiais que hoje, ja se comprometem com a importância de controlar as emissões de gases e outros materiais poluentes. A incapacidade do presidente em falar em detalhes sobres reformas econômicas, como por exemplo, as questões das reformas tributárias levantadas pelo jornal NYT, também irão impactar na credibilidade do Brasil junto a comunidade internacional.

Davos ja é uma oportunidade perdida para o Brasil. O presidente poderia ter detalhado suas intenções, mostrado suas cartas e convidado o mundo a sentar-se a mesa. A falta de detalhes nas propostas econômicas e tributárias, não agradou lideres e investidores mundiais. O Brasil perdeu a oportunidade de apresentar o novo Brasil. Ficou só na palavra. Faltou o plano de negócios. Faltou transparência no discurso. Faltou o entusiasmo, o carisma e a alegria Brasileira. Esse não era o Brasil. Bolsonaro precisa urgentemente rever suas posturas e apresentar ao mundo um plano de negócios detalhado para que investidores internacionais voltem a se interessar pelo Brasil. Palavras ao vento tem valor nulo.

Se as perspectivas do novo presidente com relação ao futuro econômico e social do Brasil são de fato sérias, a primeira impressão do ponto de vista internacional, não foi positiva. O presidente terá um árduo trabalho pela frente para esclarecer suas reais intenções junto a comunidade internacional para que o Brasil tenha alguma chance de engrenar sua economia e recuperar sua credibilidade para negócios. É certo que o presidente terá que rever muitas de suas promessas e refazer muitos dos seus conceitos para que seja visto com bons olhos pela comunidade internacional. Se o presidente não adotar uma postura mais liberal, global e amigável, mais de acordo com o mundo atual , é seguro afirmar que o Brasil terá grandes dificuldades de relacionamento no cenário mundial e continuará sendo tratado com indiferença pelos grandes mercados. É importante lembrar que a intransigência de Trump e a postura autoritária de Xi Jinping, só são aceitas por se tratarem das duas maiores economias do mundo. O Brasil não esta em posição de impor suas vontades e deve, para o bem do Brasil, adotar uma postura de cooperação, respeito e transparência junto aos outros atores mundiais. Caso contrário, o novo Brasil ja perdeu, antes mesmo do inicio do campeonato.

A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR E DA POLÍTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS

Por: Michaell Lange,
Londres, 22/12/19 –
Na semana passada meu filho (6) voltou da escola me perguntando se eu sabia qual era a função do Primeiro Ministro do Reino Unido. Essas coisas me deixam impressionado e ao mesmo tempo triste. Impressionado porque com apenas 6 anos de idade as crianças Britânicas ja são introduzidas na política. Me entristece porque enquanto países desenvolvidos ensinam desde cedo a importância da política a seus pequenos cidadãos, no Brasil, querem literalmente proibir a política nas escolas.
Hoje pela manhã, a caminho do parque, meu filho disse que queria ser Primeiro Ministro do Reino Unido. Fiquei surpreso porque nem estávamos falando sobre isso. Perguntei porque ele gostaria de ser Primeiro Ministro, e ele respondeu sem pensar; “porque eu quero mudar o mundo papai”. Perguntei a ele como ele faria isso e ele respondeu; “eu quero chamar todos os Primeiro Ministros do mundo e pedir para eles não produzirem mais carros que poluem o ar”.
O que me deixa impressionado e orgulhoso, não é que meu filho um dia possa ser o Primeiro Ministro, mas como é importante a introdução da política ainda na idade infantil das crianças como forma inspiradora e motivadora nas questões sociais da sociedade que eles ja fazem parte.
Essa diferença é possível ser observada nos adultos. As pessoas aqui, não assumem apenas as responsabilidades das suas casas. As pessoas aqui, assumem a responsabilidade de cada detalhe da comunidade e da cidade que eles vivem. Um saco de lixo fora do local adequado ou no dia errado, gera debates e denuncias nas redes sociais e as autoridades locais respondem com rapidez.
Duas semanas atrás alguém deixou lixo do lado de fora da nossa porta. Fiz um twitter e logo, outras pessoas compraram minha briga. Na manhã seguinte ja haviam solucionado o problema. A reação das pessoas remete a uma reação do governo local e até as crianças sabem disso, porque a escola faz essa introdução ja na idade infantil. A política é parte importante da vida deles assim como a escrita e a leitura.
No Brasil, a preocupação das autoridades é de camuflar a importância do envolvimento político dos cidadãos nas questões sociais do país. Dessa forma, as pessoas crescem cuidando apenas do quintal de suas casas, sem perceberem que a rua, o bairro e a cidade onde moram, são na verdade suas casas, o lugar onde vivem. “Se o buraco da rua esta na frente da casa do vizinho, o problema não é meu”. “Se o bueiro entupido esta na rua de trás, sorte a minha”. Precisamos assumir a responsabilidade de sócios da sociedade que vivemos. Dessa forma, todos se preocupam com o bem estar de todos.
O Governo Brasileiro tenta impor uma regra que impede o ensino da política nas escolas públicas. Uma das razões apresentadas é a de que a maioria dos professores são Comunistas. Todos nós sabemos que existe uma tendência esquerdista nas escolas, e isso não se limita ao Brasil. Porém, essa experiência acadêmica não é apenas importante, mas vital na formação de uma democracia saudável. Somos todos revolucionários e revoltados com o sistema durante nossa adolescência. Queremos mudar o mundo etc. Mas essa tendência sofre mudanças na medida em que entramos no mercado profissional, e é aí que esta a diferença. Num mercado de trabalho que oferece as oportunidades almejadas por uma força de trabalho jovem e motivada, o tal “comunismo” não tem a mínima chance. Mas num mercado de trabalho que tem muito pouco a oferecer a quem chega com o entusiasmo e a vontade de vencer de um jovem de 18-20 anos de idade, a frustração da vez a decepção e ao sentimento anti-sistema.
O próprio professor Brasileiro acaba sendo vitima da mesma mentalidade. O mesmo governo brasileiro que acusa nossos professores de serem Comunistas, é o mesmo governo que mantém nossos professores presos a uma vida sem perspectivas de prosperidade e desenvolvimento dignas de um regime Comunista. Como podemos exigir professores motivados a ensinarem a importância do desenvolvimento econômico, se mantemos os professores presos a um sistema opressivo e com salários que não pagam nem os custos básicos de uma vida digna?
Os professores Britânicos estão longe de serem ricos, mas a qualidade de vida deles, não apenas salarial, mas também num conjunto social que inclui respeito, seria algo parecido ao paraíso para os desmoralizados e desrespeitados professores Brasileiros. Mudar nossa consciência política e a sua importância para o nosso desenvolvimento social é o primeiro passo para mudarmos essa situação.
Escola sem partido pode parecer um lema justo, mas o que ele realmente significa, é escola sem política, e isso é trágico para qualquer sociedade que busca desenvolvimento sócio-econômico para o melhoramento da qualidade de vida de todos os seus cidadãos.
Num país onde a filha de um dono de mini-mercado (Margaret Thatcher) e o filho de um motorista de ônibus (John Major) foram Primeiro Ministros Britânicos pelo partido conservador, não me surpreenderia que o filho de um imigrante Brasileiro possa chegar lá um dia. Mas mesmo que meu filho não venha a ser o primeiro ministro, o fato da sua escola estar lhe dando a orientação política e social que ele precisa ter para ser um cidadão consciente e motivado num país desenvolvido, ja me deixa feliz e seguro de que suas chances de ser feliz e bem sucedido são no mínimo muito boas. 
Nota final: Feliz Natal a todos os professores do Brasil, em especial à Dona Barbara Porto (CEDARS), David Fletcher (London Metropolitan University), Dr Celso (Univale) entre outros que muito influenciaram minha vida, desejo que o ano novo traga mais respeito e perspectivas a essa classe fundamental em qualquer sociedade, porque são eles que formam absolutamente todos os profissionais do nosso país!

O EXEMPLO A SER SEGUIDO

By: Michaell Lange,

London, 10/08/17 –

 

Como você classificaria um país onde: O seguro desemprego é vitalício. Todas as crianças do país recebem R$350 Reais por mês até completarem 16 anos e não há discriminação de renda familiar. A educação é totalmente gratuita incluindo a universidade. Adultos pagam no máximo R$50 Reais por receita médica para qualquer medicamento, sendo que o governo subsidia o restante do valor ou até 100% do valor do medicamento. O sistema de saúde é totalmente gratuito e um dos melhores do mundo. A licença maternidade é de 1 ano a 18 meses, podendo ser intercalado entre pai e mãe com até 80% do valor do salário pago. Famílias em dificuldades financeiras recebem ajuda para pagar aluguel ou recebem casas do governo por tempo indeterminado. Demissões são proibidas, com raras exceções. O trabalhador tem direito a uma semana de férias paga a cada três meses. Quem recebe até R$50 mil Reais de salário por ano, não paga o INSS, e o trabalhador só precisa trabalhar por dois anos para ter direito a aposentadoria. Além disso tudo, não existe pena de morte, a venda de armas é proibida, e os indices de violência e criminalidade são os menores do mundo.

Muita gente classificaria esse país como utópico. Eu classifico como Reino Unido, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Holanda, Canada e Noruega. Eu incluiria também nessa lista o próprio projeto da União Européia ou seja, não é utopia, eu chamo isso de Democracia Socialista. A Democracia Socialista é ao meu ver, o verdadeiro Socialismo porque é de fato pro-sociedade ou que trabalha em prol da sociedade. O outro Socialismo, com base no Marxismo, é o que eu chamo de Socialismo falso ou burro, porque trás no rótulo um produto quando na verdade é outro. Se o estado ou o governo na forma de sociedade, controla todas as formas de produção, isso não pode ser chamado de Socialismo ou Comunismo. De fato, se o estado controla todas as formas de produção, então trata-se de um regime totalitarista. Você não compraria 1kg de Picanha sabendo que dentro do saco ao invés de carne houvesse na verdade um 1kg de bananas. Então, por que você compraria Socialismo por Totalitarismo? O totalitarismo não tem lado político, ele pode ser tanto de direita quanto de esquerda, assim como é a ditadura. Hitler era um ditador totalitarista de direita. Stalin era um ditador, totalitarista de esquerda.

A Democracia Socialista não pode ser totalitária nem ditadora porque é democrática. A Democracia Socialista não distribui a produção igualmente, mas fornece as oportunidades para que cada cidadão possa exercer suas atribuições livremente. O cidadão que tem ambição e deseja construir um império, tem caminho livre para realizar seus sonhos, assim como aqueles que não tem condições por razões diversas, não são esquecidos pela sociedade.

A Democracia Socialista é diferente da Democracia Capitalista. Na Democracia Capitalista a sociedade não é importante. O individualismo e o capital são os principais atores do sistema. Se você não tem dinheiro para sobreviver e pagar seus custos como por exemplo um tratamento médico, você esta condenado. Nos EUA, 50 milhões de Americanos não tem acesso a saúde porque não há sistema de saúde pública. Você paga um plano de saúde privado ou não tem acesso a tratamento médico. O premiado documentário SICKO, do produtor Americano Michael Moore, faz uma profunda critica ao sistema de saúde Americano e como as pessoas que não tem condições de pagar, tem um dos direitos mais básicos negado pelo estado. Nas Democracias Socialistas isso não acontece. Todos tem total acesso a saúde indiferente da sua condição social e econômica. Você será atendido e tratado sem custo adicional e sem importar o custo do tratamento. De fato, no Reino Unido, se você não tem condições financeiras, o hospital ira busca-lo em casa e depois o leva de volta. É importante frisar que o dinheiro para pagar tudo isso não cai do céu, ele vem dos impostos que são posteriormente redistribuídos em benefícios sociais para todos os cidadãos. Na Democracia Socialista o estado é forte e participativo. O bem estar do cidadão é prioridade. Na Democracia Capitalista o estado é mínimo. É quase um caso de cada um por si e Deus por todos.

Mas, nem tudo são estrelas nas Democracias Socialistas. As sucessões de governos de esquerda e direita fazem a linha Socialista oscilar hora mais para direita, hora muito para a esquerda. O atual governo conservador Britânico por exemplo, mesmo levando um grande susto nas últimas eleições em Junho quando tinha uma vantagem de 20 pontos percentuais antes das eleições e quase se transformou na maior derrota conservadora da sua história, vem promovendo sucessivos cortes orçamentários no sistema de saúde e benefícios sociais que podem levar ao colapso o chamado welfare state, que é a base da Democracia Socialista. Na Alemanha, Angela Merkel na tentativa de equilibrar o número de trabalhadores que a anos vem diminuindo no país, abriu as portas para imigrantes e refugiados causando convulsões políticas e sociais em seu país. A saída do Reino Unido da União Européia, o chamado Brexit, colocou em cheque a fortaleza do projeto Socialista Europeu.

As maiores criticas ao sistema Democrático Socialista é o grande número de benefícios sociais e o poder do estado em regulamentar a economia. Mas sejamos francos, qual seria a justificativa em pagar altos impostos se não o de recebe-los de volta em benefícios sociais? Qual seria a justificativa da existência de um estado senão o de priorizar as necessidades e a proteção dos seus cidadãos?

É importante que o Brasileiro entenda que os benefícios sociais não são gratuitos, eles são o retorno dos impostos que pagamos. E não é nenhum pecado capital querer receber seus impostos de volta, nem que seja para pagar o tratamento médico de pessoas que você nem conhece. O modelo econômico social promovido pelos países da Europa tem um histórico de sucesso que deve ser seguido pelos Brasileiros. Os EUA não é nem de longe um exemplo de sucesso. Com uma dívida de $20 trilhões de Dólares e 50 milhões de cidadãos sem acesso a saúde, os Americanos passam longe da boa vida levada pelos Europeus, sobretudo Alemães e Escandinavos.

A Democracia Socialista não é uma utopia, ela existe e é apreciada por milhares de Brasileiros que vivem na Europa. Quando a questão é qualidade de vida e uma sociedade de sucesso, a Europa é o exemplo a ser seguido…

 

 

A ELITE DO BRASIL É BURRA!

By: Michaell Lange,
London, 24/07/17 –
No Brasil, quando o pobre começou a andar de avião e ir de férias para Miami, a elite ficou com ciúme, fazia cara de nojo. Teve até um apresentador esbravejando na TV dizendo que “agora até miserável tem carro”. Foram 10 anos de crescimento econômico com direito a capa de revistas internacionais, miserável comprando carro novo e casa nova. Por 10 anos, milhões de “miseráveis” passaram a ter o que jamais haviam tido. Mas, aos olhos da elite Brasileira, os miseráveis já estavam passando dos limites.
A elite Brasileira é diferente das elites de países desenvolvidos. Sim, o comportamento é parecido, o senso de superioridade é semelhante, mas há uma diferença vital, a elite Brasileira é burra. Burra porque a elite é composta por proprietários de grandes empresas que dependem de uma economia forte para continuar sendo elite. Economia forte depende do consumo e por tanto, é fundamental uma economia onde o cidadão tenha poder de compra, poder de consumo. No Reino Unido, nos EUA, na Austrália, Alemanha e outros países desenvolvidos, o cidadão que trabalha como garçon, servente de pedreiro, entregador de pizza e outros trabalhos considerados não qualificados, ganham bem e por isso, podem comprar roupa boa e pagar a vista, podem viajar de férias para o exterior mais de uma vez por ano, podem comprar utensílios domésticos a vista. Isso tudo porque a elite entende que para existir a classe alta, os ricos e milionários, é importante que o trabalhador tenha dinheiro para gastar e fazer a economia rodar. No Brasil a elite faz o inverso.
Nos países desenvolvidos, os governos trabalham como um termômetro, ou mediador entre a elite e os trabalhadores, para garantir a manutenção da economia, freiar os abusos das elites (em partes), e garantir o poder de compra do consumidor. No Brasil o governo faz o inverso. Sempre que sobra um pouquinho no bolso do consumidor, o governo sobe algum imposto. Dessa forma o povo não compra, a economia não gira, e a elite permanece com o seu dinheirinho, mas pobre, burra e ignorante.
A elite Brasileira não gosta de dividir poltrona de avião com pobre, e sente ciúme quando pobre consegue viajar ou comprar bens de consumo. A Elite Brasileira tem dinheiro mas é extremamente pobre. No Brasil, a elite precisa pisar no povão para se sentir bem. O personagem Caco Antibes do programa de humor Sai De Baixo, resumia bem esse problema. Caco Antibes tinha “horror a pobre”.
A elite Brasileira financia campanhas para convencer o povo a eleger políticos corruptos para garantir que o pobre continue pobre, sem direitos, e sem dinheiro para fazer coisas que para eles, somente a elite tem o direito de fazer. Afinal de contas, onde ja se viu, garçon, pedreiro, caminhoneiro, motoboy e diaristas andando de avião? Fazendo faculdade e com direitos trabalhistas? Um absurdo, diria Caco Antibes. Caco Antibes não é um personagem cômico, ele é a personificação da elite Brasileira!
É claro que quando me refiro a elite, me refiro de forma generalizada. É claro que há pessoas muito bem intencionadas e bem educadas que fazem parte desse grupo no qual classificamos de elite. Também é importante entendermos que as elites são vistas de forma geral, tanto nas relações sociais como nos estudos das teorias acadêmicas, como um grupo opressor. De fato, há evidências históricas que demonstram uma ambição constante dos mais ricos, em controlar a vida dos mais pobres. Porém, nem tudo que esta relacionado a elite é necessariamente negativo e desprezível. Vale lembrar que há muito trabalhador oprimindo trabalhador, prejudicando o colega e fazendo campanha para limitar direitos trabalhistas da sua própria classe. Particularmente, prefiro usar essa divisão social entre elite e trabalhadores com certa cautela, ja que o problema entre estas duas classes não é tão simples quanto parece. Mas cabe aqui dizer que no Brasil, a elite, que é quem mais se beneficia de uma economia forte e estável, parece trabalhar contra o país pelo simples prazer de não precisar dividir o portão de embarque do aeroporto com aquela gentalha que Caco Antibes tanto odeia.
Enquanto as elites dos países desenvolvidos não se importam que pedreiros, jardineiros, atendentes, garçons, motoristas de ônibus e caminhão, frequentem teatros e viajem de avião (ja que são as elites as proprietárias dos teatros e empresas aéreas), no Brasil, pelo “horror a pobre”,  a elite Brasileira prefere ver os teatros vazios e empresas aéreas quebrando, e a economia estagnada, ao ver a classe trabalhadora usufruindo daquilo que a elite Brasileira acredita pertencer apenas a quem merece ou seja, a própria elite…

CORRUPÇÃO EXPLICITA E ILIMITADA

By: Michaell Lange,

London, 19/05/17 –

A Rede Globo pareceu a primeira vista, ter jogado o excremento da política Brasileira nos ventiladores de Brasilia ao publicar uma “bomba Jornalística” durante o Jornal Nacional da última Quarta Feira (17), que revelou conversas extremamente comprometedoras entre empresários da empresa JBS, o Presidente da República, Michel Temer e o Senador Aécio Neves. A noticia fez tremer os alicerces da Capital Federal que parou diante das denuncias de corrupção e pagamento de propinas, supostamente autorizadas pelo próprio presidente, para comprar o silêncio do ex-Presidente da Camara dos Deputados, Eduardo Cunha, que se encontra preso sob acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.

Mas, diferentemente das gravações telefônicas entre Lula e Dilma que foram ao ar imediatamente após o vazamento dos tapes, a Rede Globo se limitou apenas a publicar as transcrições dos diálogos entre o Presidente Temer, o Senador Aécio Neves e os empresários da JBS ao invés dos audios, que certamente teriam impacto muito mais devastadores. Os porquês da Rede Globo ter preferido não publicar os audios como fez no caso entre Lula e Dilma é uma pergunta que apenas a Rede Globo pode responder. O fato é que estamos diante de evidências explícitas de crimes que ja eram de conhecimento geral, mas que nunca houve comprovações materiais tão contundentes ligando todas as esferas do governo incluindo o próprio Presidente da República.

A história da JBS também denuncia um sistema criminoso gigantesco envolvendo o governo Federal e empresas privadas como a própria JBS, que durante o governo Lula recebeu empréstimos generosos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, e se transformou na maior processadora de carne do mundo. A JBS que em 2006 tinha um faturamento anual de R$ 4.3 bilhões de Reais, passou a lucrar em 2016 R$ 170 bilhões de Reais, mesmo precisando ser resgatada financeiramente em 2011 pelo BNDES quando a empresa quase quebrou (Jornal Nacional). É um tanto evidente que um aumento patrimonial de 40 vezes em apenas 10 anos, não correspondem aos padrões econômicos Brasileiros e pode estar diretamente ligado a sua relação de vantagens criminosas com o governo Federal. Mas a história da JBS esta longe de ser única. A própria rede Globo é acusada de receber recursos e investimentos públicos estimados em milhões de Reais. As revelações do JN parecem serem parte de um sistema mafioso e gigantesco que se alimenta dos cofres públicos e destrói qualquer possibilidade de crescimento do país. O lucro deles é criado encima da desgraça do povo que eles deveriam zelar. Somos nós, o povo Brasileiro, que sustentamos toda essa estrutura bilionária que gera lucro fácil a empresas privadas e políticos corruptos, e um prejuízo incalculável para o país e para o povo Brasileiro.

O pagamento sistemático e bilionário de propinas entre grandes empresas privadas e o governo Federal em troca de vantagens indevidas, denuncia uma rede criminosa de magnitudes inimagináveis aos olhos do trabalhador e contribuinte Brasileiro. É como se multinacionais mantivessem grandes aspiradores de pó (nesse caso de dinheiro), dentro dos cofres públicos em tempo integral sugando dinheiro que deveria ser usado na melhoria do sistema de saúde, na educação e na segurança do povo Brasileiro. É bem provável que esse gigantesco desvio de dinheiro público seja um dos principais responsáveis pelo próprio endividamento do estado. É seguro afirmar que estes esquemas bilionários de favorecimento ilícitos envolvendo governo e empresas privadas, sejam a regra em todos os níveis governamentais do país, passando pelas prefeituras, governos de estado, e como ja sabemos, na própria Presidência da república. Não é difícil observar para onde vai os recursos públicos que deveriam ser investidos no desenvolvimento e modernização do país. As consequências desse crime hediondo são visíveis em todo o Brasil, seja na precariedade das escolas, nas praças públicas, na decadência dos hospitais e estradas de Norte a Sul do país. Os aposentados, Professores, a policia e outros servidores públicos, são abandonados pelo estado enquanto Eduardo Cunha recebe mesada na prisão, em valores que 99% dos Brasileiros nunca ganharão trabalhando. E qual é a ordem do Presidente da República? “Tem que manter isso ai”. A revolução Francesa que viu membros do governo e da elite Francesa serem arrastados e guilhotinados em praça pública pelo próprio povo, ocorreu por muito menos do que isso. A pergunta é: Até quando o povo Brasileiro aguenta essa tortura?

O momento é oportuno para o povo Brasileiro refletir e entender que a reforma da previdência, além de todas as outras políticas de austeridade promovida pelo governo Brasileiro, seriam totalmente desnecessárias caso não existisse a transferência bilionária e criminosa de recursos públicos para políticos e empresas privadas. Sobraria orçamento para modernizar o país e transformar o Brasil em um país de ponta, com educação, saúde e segurança exemplar. Isso só não é possível, e hoje isso se faz mais claro do que nunca, porque as pessoas responsáveis por esse processo, roubam o povo Brasileiro com a maior desfaçatez e a certeza da impunidade. Assistem o povo Brasileiro ser assassinado nas ruas e morrerem nos hospitais com a mesma frieza diabólica de um psicopata assassino e calculista. Ainda fazem videos para dizer o quanto amam o povo Brasileiro e o quanto são honestos. fazem cara de santinhos para pedir o voto, mas são na verdade os ratos responsáveis pela praga que aniquila uma nação inteira de forma lenta e extremamente dolorosa. Não amam ninguém se não a si próprio!

Os irmãos da JBS que fizeram a denuncia do crime que eles mesmo fizeram parte, alegaram ameaças de morte e deixaram o Brasil. Se encontram agora em Miami nos EUA. Ironicamente, a cidade Americana é refúgio conhecido de bandidos do mundo inteiro, diga-se, políticos, empresários, traficantes de droga, e até lideres religiosos, que na eminência da captura, refugiam-se no ninho favorito das ratazanas mundiais que lhes proporciona um nível de segurança e conforto que suas vitimas jamais poderão usufruir. São ratos de fato e merecem todo o desprezo e a fúria do povo Brasileiro. Brasilia tem que cair por inteiro, e das ruínas dessa babilônia, um novo sistema político deve surgir. Um sistema político que não tenha um gargalo chamado Brasilia, nem repasses de verbas dos estados para uma união corrompida. Talvez, um sistema federativo aos moldes dos EUA seria uma boa opção para o Brasil e quem sabe, prisão perpétua para qualquer político eleito  que se envolver em esquemas de corrupção. É agora ou nunca!

 

NOSSA DEMOCRACIA É ADOLESCENTE, MAS PRECISAMOS APRENDER A FAZER-LA E PRESERVA-LA

By: Michaell Lange,

London, 28/04/17 –

 

O Brasil é um país jovem que tem penas 195 anos idade. Nossa democracia é pre-adolescente, o que justificaria nossos erros de exercício. Mas nesse caso, estamos falando de adultos exercitando uma democracia jovem e por tanto, é preciso aprendermos a fazer democracia e ao mesmo tempo preserva-la.

Não há nada mais auto-destrutivo, no que se refere ao exercício democrático, do que barricada construída com paus e pneus para fechar vias públicas. Pior ainda quando ateiam fogo. É a estratégia mais anti-democrática, abusiva e contraditória que qualquer protesto pode adotar. Isso não é uma crítica partidarista, mas a impressão é de que a esquerda costuma usar dessa estratégia com mais frequência do que ninguém. Porém, isso não se limita aos esquerdistas. Vale lembrar dos protestos dos caminhoneiros em 2015 contra o governo Dilma, que bloqueou estradas em todo o país, e motoristas que se recusavam a participar acabavam agredidos e com o caminhão danificado pelos próprios colegas de profissão. Dias atrás, uma outra categoria que muito me diz respeito, os pescadores, também bloquearam a BR 101 em Itajai em protesto contra a proibição da pesca de inúmeras espécies de peixes, que  de fato, coloca em risco toda a industria pesqueira do país. Em ambos os casos, não se tratava de protestos promovido pela CUT ou qualquer outra instituição de esquerda.

O Brasil assiste hoje, políticos de todas as esferas, serem presos, processados e investigados por corrupção e lavagem de dinheiro. Mesmo assim, tem-se a impressão de que o povo Brasileiro nunca esteve tão dividido. Defendemos a pau e pedra, aqueles que acreditamos ser os menos corruptos. Mesmo frente a um assunto relevante a todos os trabalhadores do país, como é o caso da reforma da previdência, o povo Brasileiro é incapaz de protestar unido. Quem não concorda com a greve geral de hoje, tentou classifica-la como partidarista. E quem foi a favor da greve de hoje, fez questão de demonstrar seu partidarismo. Fica difícil para o trabalhador Brasileiro, vitima de tamanha sacanagem, se defender da infinita e ilimitada agressão vinda de Brasilia. Afinal de contas, quem tem que cair é Brasilia e não o Brasil!

Fechar as estradas com o único intuito de impedir a passagem daqueles que como vc, tem o direito de ir e vir, é um tiro de canhão no próprio pé. Digo isso por vários motivos. Primeiro, bloquear vias públicas colocando fogo em pneus e madeira causa a sensação de caos e tensão, que acaba tirando o foco do verdadeiro motivo do protesto. Segundo, quando impedimos a livre passagem daqueles que por motivos múltiplos não participam do protesto, criamos um inimigo naqueles que deveríamos conquistar o apoio. Ninguém que precisa ir de um lugar para outro, por motivos banais ou urgentes, e acaba preso, impedido, e impossibilitado de seguir seu caminho por causa de uma barricada desnecessária e que esta ali com o único propósito de impedi-lo de seguir viagem, irá apoiar qualquer protesto, seja por motivo mais nobre que for. Terceiro, o fechamento de uma estrada fornece o ingrediente perfeito e legal, para a ação da Policia Militar. Todo mundo sabe que a PM tem um prazer quase sexual em dar porrada em esquerdista, por isso, fazer barricada com fogo em pneu, é um convite a tomar paulada da PM. Isso tudo sem falar no dano causado pelo fogo no asfalto e a poluição causada pelos pneus incendiados. Se uma multidão, digamos, 50 mil pessoas ou mais fechar a Avenida Paulista, sejamos justos, cabe sempre o bom senso. Mas, fechar uma estrada importante por conta de 100 ou 200 pessoas não é bom senso, nem democracia, é abuso de direito. Existe uma grande diferença entre fechar a Av Paulista em São Paulo com uma multidão de manifestantes, como ocorre frequentemente (bom senso), e fechar a SC-401 em Florianópolis queimando pneus com um punhado de manifestantes causando caos total para pessoas que não querem participar do movimento (abuso de direitos).

O Brasil é um país jovem, e nossa democracia é adolescente, mas o Brasileiro precisa aprender a fazer democracia e preserva-la. Caso contrário, não teremos a menor chance contra estes abutres da política nacional.

 

THERESA MAY ANUNCIA NOVAS ELEIÇÕES GERAIS NO REINO UNIDO

By: Michaell Lange,

London, 18/04/17 –

A primeira ministra Britânica surpreendeu o país hoje pela manhã ao anunciar novas eleições gerais para 8 Junho. O anuncio foi recebido com muita surpresa pelos Britânicos que nos últimos dois anos, já passaram por uma eleição geral e um referendum. Theresa May já havia afirmado em diferentes ocasiões que não convocaria eleições gerais antes do final do atual mandato que termina em 2020. Mas, a atual situação política do país fez com que ela mudasse de idéia. De fato, o Reino Unido passa por um momento extremamente delicado, tanto econômico como político e social.

Após a surpresa do Brexit, Theresa May, que era a favor da permanência do país na União Européia, herdou um país dividido e com futuro incerto. Sua principal missão não se resumia apenas a dar andamento a um processo de ruptura política com a União Européia, no qual ela é contra. Theresa May herdou também a difícil missão de evitar um eminente colapso do Reino Unido. A Escócia, que votou massivamente pela permanência do país na UE, quer agora um novo referendo para sair do Reino Unido e continuar fazendo parte da UE. Por outro lado, a Irlanda do Norte, outro membro do Reino Unido, não consegue encontrar um acordo entre oposição e situação para montar um governo que possa assumir sua assembléia. O Reino Unido também enfrenta incertezas quanto ao seu futuro econômico pós Brexit. O país depende quase inteiramente dos serviços financeiros da UE processados em Londres, e que passarão a ficar mais caros após a saída do país da UE. Teme-se que os bancos e empresas de seguros irão trocar o país por locais com operações mais baratas como Frankfurt e Luxemburgo.

Mas a ocasião também é extremamente favorável a Theresa May cujo os indicadores eleitorais a colocam com 20% de vantagem com relação ao segundo colocado, Jeremy Corbyn, que é o líder do Partido dos Trabalhadores Britânicos (The labour Party). Porém, estas eleições também estão sendo chamadas de “O segundo Referendum” porque é quase certo que o Partido dos Trabalhadores irá propor como principal promessa de campanha, a permanência do país na UE. Mesmo que segundo as Leis da UE, uma vez que o artigo 50 (aviso prévio) é aplicado, não há volta, é bem provável que a UE encontre uma maneira de dar a volta neste detalhe legal para ajudar uma possível permanência do Reino Unido na UE. Se isso for possível, Jeremy Corbyn deve usar esse trunfo para as eleições de Junho o que o deixaria (tecnicamente) a apenas 2 pontos percentuais nas pesquisas de intenção de voto, ja que o resultado final do referendum foi de 52% contra 48%. Jeremy Corbyn também terá a seu favor os recentes cortes na educação, saúde e pensões promovidas pelos conservadores. Porém, o maior obstáculo de Jeremy Corbyn nas próximas eleições deve ser mesmo a sua rejeição popular. Apesar de ter transformado o partido dos trabalhadores no maior partido político da Europa em número de afiliados, muitos dos seus próprios membros não conseguem ver Jeremy como Primeiro Ministro.

Nos últimos dois anos o Reino Unido ja passou por uma eleição geral e um referendum que virou o país de cabeça para baixo. Sem mandato, a atual primeira ministra aposta numa vitória para ter apoio total do seu país nas difíceis decisões que ela precisará tomar nos próximos anos incluindo, a possibilidade de ter que transformar o Reino Unido em mais um paraíso fiscal para poder manter os grandes bancos e empresas de seguros operando no país. Depois do anuncio de hoje, o projeto para eleições em Junho ainda precisa ser aprovado pelo Parlamento Britânico que vota o pedido da primeira ministra ja nesta Quarta Feira (19). Mas, o projeto não deve encontrar resistência e conseguirá facilmente os dois terços dos votos necessários para ser aprovado. Uma vez que o parlamento aprovar o projeto, a primeira ministra então com aval da Rainha, deve dissolver o parlamento e todos os membros (deputados e senadores federais) iniciam suas campanhas eleitorais para reeleição nas suas respectivas regiões. O partido dos conservadores da atual primeira ministra, tem uma maioria de 18 cadeiras e espera aumentar esta vantagem nas eleições de 8 de Junho.

Cabe aqui uma rápida analogia com o embate político no Brasil que se arrasta já por vários anos. Obviamente que as comparações aqui devem ficar apenas no âmbito das atitudes dos políticos que aqui no Reino Unido, trabalham juntos para minimizar os impactos negativos na sociedade Britânica que o atual impasse político tem provocado no país. Já no Brasil, os políticos de ambos os lados não se importam em jogar o país inteiro na lama em detrimento dos seus ganhos partidários. Trabalho em conjunto existe apenas na hora do acordo para livra-los da cadeia. Nesse caso, o consenso político é quase imediato. De volta ao Reino Unido, o líder da oposição Jeremy Corbyn, foi rápido em parabenizar a primeira ministra pela atitude de bom senso. No Brasil, Michel Temer, mesmo sem nenhuma moral ou legitimidade para continuar seu governo atolado até o pescoço na lava-jato, se recusa até mesmo a considerar a possibilidade de novas eleições gerais. Infelizmente são estas pequenas diferenças de atitude dos políticos de cada país que acabam por refletir a diferença descomunal entre a sociedade Britânica e a sociedade Brasileira. O Brasil precisa de uma nova classe de políticos. Os Britânicos precisam apenas de um novo primeiro ministro.