Por: Michaell Lange,

Londres, 06/02/18 –


Hoje os Britânicos comemoram o centenário da aprovação parlamentar do chamado Representation of the people Act  – “Ato de representação do Povo” de 1918, que deu direito as mulheres Britânicas acima de 30 anos e proprietárias de imóveis, de votarem e serem votadas. Apenas em 1928 o direito de voto foi concedido a todas as mulheres. Mas não foi uma conquista fácil, sobretudo por conta de um empasse político entre os dois maiores partidos da época, os Conservadores e liberais, que temiam as consequências da aprovação desse direito. Durante décadas, mais de 1300 mulheres ativistas foram presas e processadas pelo governo. Mas, foi a participação decisiva das mulheres na Primeira Guerra Mundial que fez as opiniões mudarem em favor das mulheres.

Junto com as comemorações do centenário do direito das mulheres ao voto, o governo Britânico estuda a proposta do líder do Partido dos Trabalhadores, Jeremy Corbyn, para um pedido oficial de desculpas do governo e pelo perdão e remoção dos nomes das mulheres presas durante a campanha pelo voto feminino, da fixa criminal do país.

No Brasil, a luta pelo direito das mulheres de votar e serem votadas, durou mais de 100 anos. Foi apenas em 1933 que as mulheres do Brasil tiveram seus direitos reconhecidos pelo governo. A Constituição de 1824, não restringia especificamente o voto das mulheres, apenas dava direito de voto para todo cidadão acima de 21 anos. Porém, o conceito de cidadão da época não incluía as mulheres. A Potiguar Celina Guimarães foi a primeira mulher a ter conseguido o direito de votar após cumprir todas as exigências estabelecidas pelo governo. Mas, foram os estados de Minas Gerais e Rio Grande do Norte os grandes pioneiros do movimento. Outro nome de destaque dessa conquista é a da Mineira Miêtta Santiago, que ao retornar da Europa com apenas 20 anos de idade, descobriu em 1928, que a proibição do voto feminino feria o artigo 70 da Constituição Brasileira de 1891 que ainda estava em vigor. Carlos Drummond de Andrade teria ficado tão impressionado que dedicou o poema Mulher Eleitora a jovem Mineira, que além de votar, votou em si mesma.

É importante frisarmos que o direito da mulher, seja de votar ou trabalhar com ou sem o consentimento do marido, ou quaisquer outros direitos cuja o homem historicamente limitou-se a dar-se a si mesmo, sempre existiu. A luta nunca é portanto, pelo direito em si, mas pelo seu reconhecimento. Ainda hoje as mulheres são submetidas aos mais inaceitáveis abusos cometidos por homens que ainda acreditam serem superiores. Apesar do movimento feminista ter adotado diferentes frentes ao longo dos anos, o objetivo central continua sendo o mesmo, o reconhecimento de igualdade de direitos com relação aos homens.

Mesmo completando 100 anos da conquista do direito de votar das Britânicas, as mulheres do Reino Unido, continuam a ganhar em média 15% a menos que os homens trabalhando na mesma função. A Nova Zelândia foi o primeiro país a legalizar o voto feminino em 1893. Apesar das grandes conquistas, a luta continua!




By: Michaell Lange,

London, 26/02/17 –

Firstly, when Trump challenged the main stream media, I thought it was a good thing. The media is too powerful and don’t like to be challenged. The media protect their interests and must be challenged. So, criticism coming from an American president was the perfect match. There is no doubt that fake news is a huge problem throughout the media spectrum, and it was clear that the media, especially in America, did everything they could to destroy Trumps campaign. It didn’t work. The media was in fact, pivotal for Trumps victory. They were the victims of their own rating ambition. But, the way Trump has carried out his anti-media campaign went from what should’ve been positive criticism, to an outright full force attack. That’s not only bad for democracy, it’s highly dangerous!

Secondly, I thought he was going to challenge the so called establishment, and in doing so it would be normal to see the entire structure of the system shaking to the core. But, Trumps speech at CPAC is so far, the clearest evidence that Trump has decided to live in his own echo chamber by allowing in only people he likes. He completely disregards everyone else who don’t agree with him. Moreover, his plans for America Army is toxic and can drag the world back to the Cold War. That’s also not good for America!

Thirdly, when Trump had his Ban on citizens from seven muslims countries overturned by a federal judge, he should’ve appealed and followed the legal process of justice, instead, he attacked one of the core foundations of the Nation, by referring to the Judge as “the so called judge”. To any American citizen who praise their Constitutional rights, this should be enough to realise that Donald Trump isn’t really worried about their citizens rights and the Rule of Law.

Now, Trump announces he is doing another thing he promised during his elections campaign. He said during the CPAC, he believes in Peace by strength (a concept that never worked), and that he will make “American Military, bigger, better and stronger like never before”. He also said “it will be one of the greatest military buildups in American history”. The fact is, American military power is already the biggest military force the world has ever seen. The second best is centuries behind. But, his speech at CPAC has made me think about Vladimir Putin. The guy whom the West like to refer to as “the crazy guy”, “the dictator”, “the dangerous man” etc. I watched Trumps speech imagining what would be the reaction of the West if that exact speech was coming from the mouth of Vladimir Putin, under the ovation of the Russian people? Imagine Putin saying he will make Russia win again and no one will dare to mess with Russia again. Imagine that?

On the other hand, I was waiting for Vladimir Putins reaction to Trumps speech, and like most of us, I was waiting for something strong as like many of you, I also believe Putin has indeed a couple os loose screws in his head, though he’s far from being stupid. But, there was nothing from the man itself. The only response coming from Russia was from a concerned Russian Foreign Minister Sergey Lavrov, saying that an American military buildup could restart the cold war, and that’s very true. It is also true that a replay of an arms race will again, ends with no winners.

What also concerns me is the efficacy of Trump’s “Peace by Strength”. In fact, an American military buildup will not make America greater or safer again. The risks of total armageddon during the cold war should have been a lesson for Donald Trump. More military power does not mean more security. Buildup the military, specially the nuclear power, will increase the chances of accidental war as well as nuclear terrorism. It will make nuclear countries to feel even more nervous, and it will be used as justification for other countries to develop their own nuclear weapons. It’s a mad idea! And, there is another big problem. Money! The US total debt stands as a colossus $66 trillion Dollars, or $809 thousand Dollars per family, which in return has only $10 thousand Dollars in savings per family. Where the money will come from Mr President? That’s a question only an adviser with balls can dare to ask Mr Trump. I don’t think Mexico will pay for that too.

I can’t stop looking back in time, more precisely to the beginning of the 20th century and draw parallels to what is happening today. Nationalism rising rapidly all around the world especially in America and Europe. The Arms race that will follow a buildup of American military. The Political and Military Alliances between Russia and China to face NATO. The conflicts in North Africa as well as the Ukraine crisis can be compared to the conflicts in the Balkans, and a possible collapse of the European Union could be the catalyst for total disaster. Frankly, we are heading that way!

In the 1930s when Hitler came to power, the Germans saw him as their saviour, just like millions of Americans see Trump today. The Germans had no idea that in 10 years time, their saviour would be dead and their country would be devastated by war and hated by the world. The Brits and millions of Americans would never believe Brexit and Trump had any chance to happen. The Germans would never thought their saviour could bring so much devastation to the world and to themselves. In fact, the Germans believed Hitler would be good to all German people. If you think I am comparing Trump to Hitler, that is exactly what I am doing. The potencial to world disaster under Trumps seems just as equal. There is a lot of similarities between Trumps atitude to Hitler and Mussolinis. They share the same mix of selfishness and egocentrism which is characteristics of all dictators. Like Hitler, Trump negotiates by intimidation. The violence is different of course, but the time is different too. However, the rhetoric is the same. The thing is, the less we believe that very bad things can happen again, the bigger is the chance it will happen again. Its important to consider that the comparison between Hitler and Trump must be regarded to their moment in time. Therefore, the comparison here is limited to the rise of Hitler and not to the end of his regime. Hitler cannot change his past, but Trump can still change his future.

It seems that American government is following exactly everything they criticise about authoritarian governments. The arrest of Journalists during Trumps inauguration, the censure of CNN, BBC, NYT and other, from White House as well as the rhetoric promoted by Trump in just over a Month in power, is very similar of those of dictators we criticise so much. The White House never looked so similar to the Kremlin. Perhaps similar to an early Hitler or Mussolini, ruthless dictators nevertheless. Trump is dividing America and the world. He is creating a lot of tension and division in just over a month of his first term. This cannot be good for America. His ultra nationalistic approach and attack on immigrants and religion, has created chaos around the world. This is not the American way! Trump could have been the American president of the century, but he blew everything in just over a month. God knows what he is going to do in the next 4 years. God Bless America! and God Bless us all!


By: Michaell Lange,

London, 02/02/17 –

Austria has banned full face-veil in public places following similar decisions in France and Belgium. The Dutch parliament is analysing similar action, and in Germany, Angela Merkel is in favor of the ban. But, what is really behind this measure and why Europeans feel so threatened by a woman wearing a burka or Niqab? Fear of multiculturalism seems to be one of the reasons, and the rise of far-right politics in Europe is surely another clue. In Austria, the reasons given by the government to justify the ban was that, the veil stood in the way of an open communication, interfering on the process of an open society. How contradicting is that? The same rule can be interpreted exactly the opposite way. An “open communication” means that what you wear can tell about who you are, or what is your faith. It’s not different for Nuns, Priests, Rabbis, or a Punk or a hippy. However, only the burka has been affected by the ban. It seems that fear might be the main reason behind these measures. If that’s the case, we should hold our heads in shame. Fear of terrorism is the most shallow of all arguments to ban face-veil. Most of the terror attacks in Europe and indeed in the US, were carried out by men wearing western clothes. So what the Burka has to do with it? Ban the Burka is clearly a discriminatory action. European governments are supposed to combat discrimination, but they are in fact promoting it, and that’s utterly unacceptable! Muslim women are very vulnerable. They have little or no rights in many Middle East and Africa countries. In many cases they are forced to marry and are subject of exploitation, and when they come to the “free world” the discrimination continues. It must stop!

Europe is giving in to the same far-right ideas that caused so much destruction in Europe in the past. politicians like Angela Merkel from Germany, should never agree to ban the burka. She might be going against her own ideals and values to counter the rise of the far-right in her country, but this decision will come back to haunt her in the future. For those playing the argument that multiculturalism has failed, it’s important to remember that Europe today is a big pot of mixed race, religion and culture. It seems however, that what concerns Europeans is fear of Islam. Yet, fear of Islam was not caused by terrorists, but by the Western media propaganda. Americans for instance, should be more worried of toddlers than Muslims. Young babies cause more death by fire arms accidents in America than Islamic terrorism. That’s not to mention the Islamic State that have killed far more muslims than any other people put together. So what is this fear about?

Nick Ferrari, a LBC radio presenter based in London, has said in the past that he would not allow a doctor wearing burka to examining him. I ask why not? What is his fear all about? Did he ever asked a doctor to provide a doctor certificate before he let them check him up? have anyone of us done it before? isn’t it a doctor certificate more important for you to worry about than a face-veil? So why Mr Ferrari would ignore the dangers of a possible false doctor exam him and instead, fear the burka? He also said in the past that a person facing a panel of judges should never be allowed to wear a burka so the judges could see his/her face and judge his behaviour. Well, I thought the judges should judge the evidence not the person. So, maybe all people facing trial should actually use burka, so the judges would have to judge the facts and the evidence only instead of the colour the skin or how the suspect behave in court. After all, we all know that black people are more likely to be convicted of a crime than a blue eye white person. So please, burka for every person facing trial!

I can only see one reason for the ban on the Burka in Europe, and that’s discrimination! States are promoting discrimination which goes against European values of liberty, freedom of expression and tolerance. When the state starts to dictate what kind of clothes we should wear, it’s time to be scared and worried. We must not forget what happened to the Jews in the 30s and 40s, and we must not allow anything like that to ever happen again. Muslims in Europe are in a path very similar to that of jews in the 30s, which tragically ended with the holocaust. European people should not allow their governments to pass laws or regulations designed to discriminate people or their culture and religion, unless we want the horrors of the past to become the horrors of the future. I don’t believe anyone wish that. So, we should not fear Islam or muslims. But, we must fear people willing to hurt other people just for the sake of their ignorance and hatred. We should fear people who doesn’t like other people just for what they are. I’m not afraid of Europe been taken over by islam, but I’m really afraid of Europe been taken over by the same radical people who caused the worst humanitarian disaster in the history of Men kind. We should not fear a face-veil, but we must fear hatred. We should not fear people just because they are different, but we must fear people disliking others just because they are different.

Since the end of World War Two, Europe has become a place of refuge for freedom and democracy, where people from all back grounds can exercise their beliefs freely and in Peace. Europe has also been an example in the fight for women equality as well as for the protection for minorities and vulnerable people. We cannot allow European leaders to promote hate and endanger everything Europe has achieved in the fields of human rights since the holocaust. No country has the right to dictate the way you should dress or live! If that is happening in Europe today, it’s time to act quickly and stop these radicals from steer Europe back to the 1930s again.



By: Michaell Lange,

London, 14/01/17 –

O que há em comum entre o povo Brasileiro e a Ponte Hercílio Luz? Os dois são moribundos abandonados e explorados pelos mesmos aproveitadores. Os políticos Brasileiros tem sangue nas mãos! 

A Ponte Hercílio Luz, um dos ícones mais reconhecidos no Brasil, e o maior símbolo do estado de Santa Catarina, se tornou um exemplo nacional e clássico do descaso com o dinheiro público e da falta de compromisso dos políticos com o povo Brasileiro. É comum ouvir-se falar do orgulho de ser Brasileiro. Políticos recém eleitos ou em campanha eleitoral, são vistos de Norte a Sul do país esbravejando do alto dos seus palanques, todo o seu orgulho pela terra e pelo povo Brasileiro. Entre todos eles, 99.9% não passam de Urubus carniceiros, mercenários interessados apenas no que lhes beneficia pessoalmente. Não tem amor por ninguém a não ser por si mesmo! São os responsáveis pela injustiça e pela miséria do povo Brasileiro e ao mesmo tempo e inexplicavelmente amados pelos miseráveis.

A Ponte Hercílio Luz é a fotocópia do povo Brasileiro. Celebrada no nascimento, e abandonada à própria sorte logo no dia seguinte. A ponte abandonada, leva camuflada em suas barras de ferro, a promessa certa de ganhos futuros para os mesmos aproveitadores que a construíram. Afinal de contas, o povo é facilmente convencido de que um símbolo tão importante como a ponte, não pode cair aos pedaços. O que o povo não sabe, é que a reforma é eterna e cara, muito cara! Dessa mesma forma, celebrado e abandonado, o povo Brasileiro inicia sua jornada em direção ao fim da vida logo depois do seu nascimento. A Ponte segue o mesmo destino. Os dois morrerão prematuramente nas mãos da irresponsabilidade pública. Sem acesso a saúde, o Brasileiro vive menos. Sua vida útil, que lhe permite fazer atividades de lazer e trabalho, são reduzidas dramaticamente por falta de manutenção, limitando também assim, a sua contribuição social. A Ponte Hercílio Luz morreu aos 56 anos de idade. Nascida em 1926 e aposentada por invalidez em 1982. O financiamento da obra, obtido através de empréstimos de bancos Americanos, só foi pago em 1978 ou seja, 50 anos depois da sua inauguração e apenas 6 anos antes da sua inutilização. A Ponte Golden Gate, na cidade Americana de São Francisco, foi inaugurada em 1937, e 80 anos depois continua sendo 100% utilizada. O povo Americano, apesar de não ser o mais saudável do mundo, também vive mais do que o Brasileiro.

A falta de saúde adequada ao longo da vida, transforma aquele ser inicialmente celebrado e cheio de vida, em um moribundo humano, ou como no caso da Ponte, um fantasma devorador de verba pública! O moribundo deixa de ser um contribuinte nas questões sociais e/ou familiares. Suas idas e vindas aos hospitais o farão conhecido dos médicos, enfermeiros(as) e até dos seguranças. E mesmo assim, o risco de você morrer por falta de atendimento é altissimo. O art. 196 da Constituição Federal de 1988 declara a saúde como um direito de todos e um dever do estado. Mas o povo Brasileiro é hoje, uma carcaça abandonada pelo estado, deixada para os abutres e ao acaso da sorte. Se fossemos aplicar a Constituição Federal, todo ministro da Saúde ja tomaria posse de dentro da cadeia.

Essa realidade poderia ser muito diferente se os recursos públicos fossem gerenciados e administrado por patriotas e profissionais sérios. Ao contrario disso a situação decadente do povo e da ponte, são vistos pelos abutres como uma oportunidade para ganhar dinheiro e “se dar bem”. Sua aposentadoria precoce será impedida e roubada pelo governo. Batedores de carteira verão você como presa fácil. O estado deplorável da população será usado por profissionais da iniciativa privada para justificar o fornecimento de serviços emergenciais e superfaturados. Os administradores do bem público são pagos para deixar o sistema existir e se proliferar. Clínicas, farmácias, laboratórios, empresas de construção, conservação e manutenção, que só sobrevivem por conta dos seus contratos com o governo (são destes batedores de carteira que me refiro), são os responsáveis pela sangria do dinheiro público. Claro, tudo isso devidamente autorizado pelos políticos que você elegeu e comemorou feito um louco no dia da vitória.

Você também será usado a vida toda por grandes farmacêuticas e seus tratamentos médicos e vacinas (obrigatórias) porque obviamente, a cura de doenças não são tão lucrativas quanto os tratamentos. “Se você curar o doente ele vai embora e não volta mais. Se você trata-lo, ele irá voltar pelo resto da vida para buscar mais remédios”. E afinal de contas, para que construir uma ponte nova, se reforma-la em caráter emergencial por toda a eternidade é um negócio muito mais lucrativo? Lucrativo para os bandidos, obviamente. O povo fica apenas com a conta para pagar. Uma exigência do governo que você elegeu.

Um povo moribundo e desesperado, aceita qualquer coisa. O pastor vende a salvação em troca de tudo que você tem, e você compra na fé e na esperança de que seja verdade. Um Paliativo passa a ter a importância da cura para um doente terminal, cujo o comprimido trás o alívio momentâneo da dor. Em situação de emergência você faz o que tiver que ser feito, e paga o que precisa ser pago. Se a ponte cair, os políticos não se elegem. Se o paciente morrer, a farmácia perde o cliente. O povo precisa acordar porque o ladrão esta na cozinha da sua casa, e foi você que o convidou para entrar!!!

O crime contra o povo Brasileiro segue a sombra da justiça que se recusa a processar e julgar autoridades públicas responsáveis pelo descaso da saúde além das milhares de mortes por ano causadas diretamente pela falta de atendimento e de um sistema de saúde adequado quebrando os direitos básicos previstos no art.196 da Constituição Federal de 1988.

Segundo o Ministério Público de Contas de SC para o G1, nos seus 30 anos de reformas, a ponte Hercílio Luz ja consumiu R$563.5 milhões de Reais dos cofres públicos. Com o mesmo valor, o governo do estado de Santa Catarina poderia ter construído três pontes estaiadas aos moldes da ponte de Laguna. O governo da Bela e “Santa” Catarina, também poderia ter construído oito hospitais completos de qualidade internacional, para atender uma população total de 320 mil habitantes, incluindo 1 ano dos custos de operação. Na China, foi inaugurada este mês a ponte mais alta do mundo com um custo total de $144 milhões de Dólares e três anos para ser concluída. Com o mesmo valor gasto para manter a ponte Hercílio Luz de pé e inutilizada nos últimos 30 anos, o governo de “Santa” Catarina poderia ter construído a mesma ponte Chinesa em três anos e ainda sobraria $37 milhões de Dólares para fazer a sua manutenção adequada por décadas. Os políticos de Santa Catarina são da mesma categoria dos políticos do resto do Brasil. São eles que deveriam estar superlotando nossas cadeias.

Apesar do crime contra o patrimônio histórico, Artístico e arquitetônico do município de Florianópolis (Decreto 637/92), ninguém até hoje foi responsabilizado, preso ou processado. 


GATO POR LEBRE (política)

By: Michaell Lange,

London, 28/12/16 –

É comum ouvirmos a frase “gato por lebre” no sentido de comprarmos um produto que se parece com aquilo ofertado, mas que na verdade se trata de um produto totalmente diferente. Normalmente, o gato por lebre significa um produto similar, mas de valor e/ou importância muito inferior ao que realmente buscávamos. O mesmo problema ocorre em quase todos os sentidos da vida, incluindo a política. Quantas vezes votamos em gato e elegemos lebre? O rótulo de uma mesma proposta política pode vir com diferentes faces e cores. Na maioria das vezes, trás um apelo direcionado a um grupo específico de pessoas (eleitores clientes). Essa questão também vale para a religião, onde charlatões usam da palavra sagrada para enriquecerem às custas da humildade, do medo, e do drama humano. Mas não é de religião que iremos falar aqui.

O que é importante para todo eleitor e futuro eleitor, é fazer uma boa analise não apenas do rótulo, mas também no produto, antes de compra-lo, elege-lo ou aceita-lo. Antes de decidir, pergunte-se; Será que o rótulo realmente corresponde ao produto? Será que o político realmente corresponde a sua proposta? A propaganda enganosa é um problema epidêmico na política e é preciso muita atenção na hora de escolher nossos representantes.

Você ja se decepcionou com o tamanho do hamburger porque na foto promocional ele parecia muito maior? A verdade é que na maioria dos casos, quando elegemos um político, estamos elegendo gato por lebre. E a culpa pela falta de atenção é toda nossa! Se alguém lhe oferecer uma Mercedes- Benz zero quilômetro pelo preço de um Chevette velho, é claro que você irá desconfiar. A questão é; Por que não desconfiamos quando um político, ou um partido político, nos oferece a salvação e a solução de todos os nossos problemas, em troca do nosso voto? Para ser ainda mais direto, por que elegemos e reelegemos políticos corruptos (gato)? O voto parece ser um produto barato, mas na verdade pode ser mais caro do que você imagina. O voto pode custar seu emprego. Sua aposentadoria, a saúde da sua família e a educação dos seus filhos. Quanto lhe custaria tudo isso? Não vou citar exemplos Brasileiros para não comprometer a imparcialidade deste artigo, apesar dos inúmeros exemplos que poderíamos citar aqui. Então, para minimizar a polêmica do assunto, usaremos exemplos de outros países. Vejamos; na Holanda, Geert Wilders é o líder do partido de extrema direita chamado “Party for Freedom” ou Partido para a Libertação. Você percebe o apelo que o nome do partido promove? Isso não significa que o partido político liderado pelo Sr Wilders irá promover a libertação da Holanda, até porque a Holanda ja é um país livre, além de ser um dos países mais desenvolvidos do mundo. Por tanto, o Party for Freedom é gato, não é lebre. Na França, um dos maiores partidos políticos do país chama-se “The National Front” ou Partido da Frente Nacional. Novamente, um nome apelativo em um país livre e desenvolvido que não sofre com qualquer ameaça de invasão. No Reino Unido, o UKIP – United Kingdom Independence Party – ou Partido da Independência do Reino Unido, é mais um exemplo. O Reino Unido é um país independente e livre, mas na visão do líder do UKIP, Nigel Farage, o país é refém da União Européia, ou seja, pura demagogia. É gato por lebre! O que todos estes partidos tem em comum é o apelo populista para obter o poder. Quando você encontra partidos com nomes apelativos sobretudo em países ricos, livres e desenvolvidos, a libertação e a independência dos nomes estão na verdade, escondendo a intolerância contra imigrantes,, negros e religião. De fato, todos os partidos políticos acima, são anti-imigrantes, anti-EU e anti-Islamismo, o que sugere a teoria do gato por lebre ja que, a liberdade e a independência presente no rótulo, na verdade significam, perseguição, discriminação e proibição, o oposto de liberdade e independência. O rótulo não condiz com o produto e por tanto, é gato.

Vejamos outros exemplos:

O Comunismo – Karl Marx pensou que tinha uma grande idéia que poderia ser a solução para salvar a humanidade das garras do Capitalismo. Para que sua idéia fosse aceita pela maioria do povo, havia a necessidade de um apelo populista ou seja, que fosse aceito pela classe operária. O rótulo para o seu produto também precisava ser apelativo, mesmo que na realidade o rótulo não descrevesse com honestidade seu produto. Karl Marx escolheu chama-lo de Comunismo. Na concepção da palavra, comunismo origina-se do comum ou seja, que beneficia a maioria. Por isso, quando ouvimos alguém falar em “governar pelo bem comum”, estamos falando na verdade, do comun-ismo ou comunismo, de governar pelo bem de todos. Mas o Comunismo de Marx não era bem isso. Vejamos: Quando Marx dizia em seus escritos que toda forma de produção deve estar sob o controle do estado, Marx não esta falando de comunismo, mas sim de totalitarismo. A palavra totalitarismo tem origem na palavra total, que na política se refere ao controle total, seja por um ditador, imperador ou Rei. Por tanto, regimes como o de Cuba e Coreia do Norte, não são sistemas Comunista, mas sim de totalitaristas. O estado e seu ditador, tem o controle total do país. Mas vale ressaltar que a teoria de Marx não é uma teoria inútil, muito pelo contrário. Na verdade, Marx é essencial para qualquer estudante de política e relações internacionais. Ninguém até hoje soube descrever o Capitalismo de forma tão brilhante e detalhada quanto Marx. Seus trabalhos, sobretudo os livros “O Capital” e “O Manifesto Comunista”, deveriam ser lidos por todos que tenham qualquer interesse em entender como funcionam os sistemas políticos que dominam o mundo hoje.

O Free Market – A palavra free market significa mercado livre ou seja, sem barreiras e sem regulamentação. A idéia por trás do nome é justa pois, promove a livre concorrência. A concorrência beneficia o consumidor com preços baixos e de qualidade. Mas não é isso que vimos acontecer mundo afora. De fato, o free market não existe. Essa teoria foi usada estrategicamente contra países emergentes para que multinacionais, sobretudo da Europa e EUA, tivessem livre acesso a seus mercados. Por outro lado, empresas de países emergentes, encontram todo tipo de barreiras e regulamentação para venderem seus produtos na Europa e EUA. A agricultura da União Européia por exemplo, recebe um subsidio anual superior a 60 bilhões de Euros. Por conta disso, agricultores Europeus conseguem vender seus produtos abaixo do preço de custo, formando uma barreira protecionista que impede a livre competição de produtos semelhantes de países não Europeus. A Africa é a grande prejudicada nesse caso ja que, o continente é responsável por grande parte da produção agrícola mundial. O Brasil tem a mais de 10 anos, um processo na OMC contra o subsidio do Algodão Americano que impede que o Algodão Brasileiro seja competitivo no mercado internacional. O mesmo ocorreu com a empresa Brasileira Embraer, que ganhou um processo na justiça contra a empresa Canadense Bombardier, por conta dos subsídios pagos pelo governo Canadense que possibilitava a Bombardier a vender seus aviões a um preço muito abaixo dos aviões da Brasileira Embraer. A política protecionista é a maior evidencia de que o Free Market não existe ou seja, é gato por lebre. O rótulo prega o livre comércio, mas o produto verdadeiro não tem nada de livre.

Os exemplos são infinitos. Produtos com rótulos para promover o bem, mas que promovem o mau. Sistemas que prometem o bem comum, mas na verdade promovem o totalitarismo. Partidos que prometem a libertação, mas no fundo promovem a divisão, a discriminação e a proibição. Idéias de liberdade que na verdade aprisionam. Num mundo dominado pela informação 24 horas, é cada vez mais fácil vender gato por lebre. Manter a mente aberta e em alerta total, é a grande arma contra produtos nocivos, com rótulos de chocolate. A oferta de libertação pode muito bem significar seu aprisionamento. Todo indivíduo tem a responsabilidade de zelar por sua liberdade de pensamento. Se continuarmos com o atual comportamento passivo diante de tanta oferta fraudulenta, seremos continuamente vitimas da nossa própria indolência. Todo cuidado é pouco!

Feliz 2017!


By: Michaell Lange,

29/12/16 –

Assim como o liberalismo, o populismo tem conceitos diferentes de acordo com o lugar, o tempo e o lado político no qual se encontra o argumento. Há um entendimento generalizado difundido pelo pensamento de esquerda, que assume o populismo como um movimento do povo contra a elite. A elite neste caso, seria uma barreira que impede as melhorias necessárias para sociedade como um todo. Já de acordo com o pensamento de direita, esse conceito é falso pois, a idéia de que há uma união de pensamentos e idéias que caracterizam um povo, é inexistente.

O que chamo de “populismo revolucionário”, e que será o fator central desse artigo, se trata do populismo que explora a indignação do povo, sobretudo da classe operária. Esse apelo as massas ja levou ao poder no passado, lideres como Hitler, Mussolini, Stalin, Mao Zedong, Pol Pot, Francisco Franco e Fidel Castro, além de outros. O que há em comum entre eles é a guerra, a opressão e a morte de milhares de inocentes. O sistema que une a ideologia de todos os líderes citados acima é o totalitarismo, que se apresenta em diferentes formas, seja liberal, democrático, libertador, revolucionário, socialista ou popular. Seja qual for a vestimenta, todos eles são, no fundo, totalitaristas ou seja, pessoas que buscam o poder total para si mesmo. Quando compramos um produto, além do reconhecimento visual, o rótulo deve trazer com clareza o que é, e o do que o produto é feito. Na política mundial, a política pode trazer diferentes rótulos para o mesmo produto. Tudo é válido para convencer o povo. Infelizmente, o povo, seja no Brasil ou em qualquer lugar do mundo, é quase sempre convencido a comprar “gato por lebre”.

O re-surgimento do populismo revolucionário é extremamente preocupante. Os exemplos do passado precisam ser reconhecidos para que os mesmos erros e as mesmas tragédias não se repitam no futuro. Infelizmente, esse processo se encontra em estágio avançado e poucos percebem a gravidade do seu re-surgimento. O populismo revolucionário tem como principio, se identificar com a classe trabalhadora e através dela, chegar ao poder. Ao que parece, quanto mais anti-sistema e radical forem, maior a popularidade. Quanto mais enfurecedor o discurso, maior o apoio popular. Quanto mais apelativo, maior a sua aceitação. Os exemplos desse fenômeno são numerosos. O maior de todos chama-se Donald Trump. O mais novo presidente Americano, foi eleito com um discurso inflamatório, ofensivo, discriminatório e revolucionário. Quanto mais ofensivo eram os discursos de Trump, maior era a sua popularidade. Quanto mais a mídia tentava destruí-lo, maior ele ficava. Trump foi eleito com a promessa de construir muros, expulsar milhões de imigrantes e proibir a entrada de muçulmanos nos EUA. O extremismo clássico, populista e extremamente perigoso de Trump, esta se propagando pelos quatro cantos do planeta em uma velocidade preocupante. Essa estratégia ja deu certo no passado e o mundo viveu os horrores da sua consequência. O crescimento do extremismo no mundo, pode ser o inicio do re-surgimento do fascismo e do Nazismo camuflados em uma nova vestimenta que pode sim, levar o mundo de volta às catástrofes dos anos 30 e 40. A eleição de Trump nos EUA provou que a retórica do extremismo pode ser um atalho ao poder. O sucesso de Trump deu credibilidade a outros extremistas como Nigel Farage, que por dez anos lutou pela saída do Reino Unido da União Européia com um discurso muito similar ao de Donald Trump. Farage, foi o principal pivô na campanha do Brexit, do referendum Britânico que decidiu pela saída do pais da União Européia. Na Austria, outro extremista acusado de ser um neo-nazista, Norbert Hofer, venceu as eleições e se tornou o mais novo presidente do país. O líder do Partido da Libertação Austríaca, é apenas mais dos exemplos da corrida para a extrema direita que ocorre na Europa nesse momento. Esse fenômeno tem sido seguido de perto por vários outros países no mundo incluindo o Brasil. Na Holanda, Geert Wilder, do Partido para a Libertação, lidera o movimento radical no seu país. Na França, a candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen, lidera as pesquisas presidenciais com a promessa de seguir o exemplo Britânico e retirar a França da União Européia. Em Israel, Netanyahu dispensa qualquer apresentação. E na Russia, Putin aproveita o momento conturbado na política global para se fortalecer como um poderoso líder da nova geopolítica mundial. Todos eles usam a mesma retórica radical anti-Islâmicos e anti-imigrantes.

No Brasil, o caos econômico causado pelo impasse político promovido irresponsavelmente por corruptos incompetentes no Congresso Nacional junto ao colapso do ja precário sistema de saúde, educação e segurança, vem abrindo espaço para o radicalismo retórico populista liderado por Jair Bolsonaro. O surgimento de um mito que na TV aparece enfurecido, pregando a morte de bandidos, mesmo trabalhando e sendo aliados de muitos deles, ganha força como candidato a presidência da República em 2018. Bolsonaro se tornou, ou pretende se tornar, o Trump Brasileiro, mesmo que as similaridades entre os dois se limitem a retórica radical e populista para chegar ao poder. Bolsonaro esta desesperado por uma foto junto ao presidente Trump que possa ser usada como bandeira em sua campanha eleitoral para 2018. É muito provavelmente que ele conseguira seu pequeno troféu Americano que certamente aumentará suas chances de vitória em 2018. O crescimento da popularidade de Bolsonaro no Brasil segue o mesmo princípio do que vem acontecendo nos EUA e Europa. A crise financeira de 2008 fez 6 milhões de americanos perderem suas casas, pondo fim ao sonho Americano. A crise do Euro e o colapso da economia Brasileira, são as principais causas do re-surgimento do populismo revolucionário que nos anos 30, logo após a grande depressão econômica de 29, fez surgir o pesadelo Nazista e Fascista que aterrorizou o mundo por décadas. Os próximos 3 anos serão cruciais para evitarmos uma repetição dos erros do passado. Entender o fenômeno político que vem ocorrendo no mundo, é fundamental para que as gerações futuras não precisem sofrer as consequências causadas pelos erros das gerações atuais. As consequências do radicalismo é a violência, e violência não é, nem nunca será, solução para nada. O radicalismo não pode ser uma opção aos erros do atual sistema político mundial. O apelo da retórica radical deve ser rejeitada a todo custo. Aqueles que se sentem atraídos pelos discursos inflamatórios de políticos como Bolsonaro, precisam refletir sobre a verdadeira intensão do seu discurso radical. A falta de opção não pode ser uma justificativa para eleger o mais furioso da lista. Não há dúvidas de que o atual sistema político precisa ser derrubado e repensado. Mas, substituí-lo pelo radicalismo seria um retrocesso de altíssimo custo que eu, você, e as gerações futuras terão que bancar.


By: Michaell Lange

London, 01/11/16 –

Let’s be honest, we are living in a world where Democracy is just a word used to promote a set of common interests that seems to benefit everyone but it benefits only a few. Its like other words such as Republican, Democrat, Socialism, right and left. Although they are different in theory, the fact is that no matter where the choice goes or whoever is in power, the world continue the same path of being controlled by an ever smaller group of people. The election in the United States is a very good example of that. The media makes the people worried about the possibility of Trump winning the election and become the new president of the US. The fact is, doesn’t matter who wins this elections, very little will change for you. You might feel good if you found yourself in the winner side, but that will be it. I say that because Barak Obama was the closest  America ever came to real change, but look to America today after two Obama mandates. Very little changed. America is today, not very far from where Bush left the country. To me, the inability of Obama to really change the country tells a lot about Democracy and voting, and it’s evidence that whatever the results this time, little will change for ordinary Americans.

The central problem might be the people’s mentality towards governments. We are very easily influenced by the media propaganda, and the media is, unfortunately, part of the government. We love a show, and the media gives what we want and we forget how serious elections are. The power of the media to influence people means that vote becomes almost irrelevant because most of the people will follow the media instructions and vote for whoever they want you to vote for. It’s not a problem limited to America though. It’s the same all over the world, and it shows how fragile democracy can be. If you are influenced by propaganda, it means that your vote isn’t really yours. If you vote based on political party or poll results, your vote actually belongs to someone else, and someone else will decide who you should vote for.

The media will take any opportunity to make elections a big show to sell news by making people exited and scared. Donald Trump in this case, is golden card. Whatever you call Trump, it will sell. He is the devil, the monster, and at the same time, the saviour. The more controversial he is, the better. Last week for instance, The American TV channel NBC published a poll showing Trump 1% ahead of Hillary. The entire world media picked up that news, but in fact, 1% difference is inside the margin of error of NBC poll, which means Trump isn’t in front, but in a technical tie with Hillary. The media knew it, but  who cares? NBC’s public relations saw a great opportunity to sell and went for it. The fact that it might influence the elections result don’t really matter as long the channel is making the most of it. The morning after Brexit, Britain supposed to be gone in thin air. Well, we are still here. Of course there will be trouble, but for ordinary people, not for the big ones. They never lose whatever the results. The Brexit itself was won based on lies, and even the people who voted for it, realised they were fooled. We all were. Even I, a remainer, knew that the argument for remain were flawed. I did my own research and voted with conviction. The Americans should do the same.

In general, people will vote in whoever makes the biggest show and attract more attention, as if it’s a game of seduction instead of electing the people who will manage your money and your life for the next 4 or 5 years. If the candidate is funny, good looking, and controversial, it has a good chance of winning. Little matter how prepared he or she is to become president. The fight is for appearance, no matter how dumb he or she is. That’s why Trump has a good chance to win. In the battle of the dumbs he is in front. That’s why Boris Johnson is loved in Britain no matter how incompetent and a convicted lair he might be.

I see people very worried about the possibility of Trump being elected. I have no doubt that, if elected, Trump will be no different than the other American presidents. It’s important to remember that the way the president looks, doesn’t really translate how good or bad he or she will be. George W Bush and Tony Blair are good examples of that. They looked smart, intelligent, competent, charming and credible, but they made the whole world a very dangerous place and were responsible for hundreds of thousands of deaths including Americans and British people. There is no doubt Trump is a stupid man, but he is rich, and in a world where life is less important than money, he can be whatever he wants. On the other hand, if you think Hillary is any better, forget it. She has a history of disaster policies not to mention she is the establishment in person. Trump has no history in government jobs and that is positive for him. However, either candidates will do little for the average American struggling to meet ends meet. It has been this way since Ronald Reagan, and after Obama failure, I doubt change can ever be achieved. Certainly, not with these two. Whatever the results of this elections, Bankers and big corporations will continue to profit, while the average men and women will continue to struggle. I don’t want to sound pessimist, but look back 30 years and you will see the pattern. Very little changed within the social infrastructure, and I am sure neither Trump or Hillary will do anything to change it.

We must stop this carnival, and stop glorifying these people as if they are Gods. They are not! They are just opportunist people wanting to be more famous and more powerful. They don’t give a damn to your family. We must stop following our masters and start thinking by ourselves. Individualism is a force against us. We must think like a society where everyone helps each other instead of compete against each other. The actual system benefits only those in power and slave everybody else. Unfortunately, it seems that Americans once more, fell for the snake seduction skills. If I was an American, I would refuse to vote for these two. The American people deserve better. The whole world deserve better!