BOLSONARO E DAVOS

Por: Michaell Lange,

Londres, 23 de Janeiro, 2019 –

 

“Bolsonaro é a face do populismo no Fórum de Davos” disse o New York Times. O jornal Americano não economizou criticas ao novo Presidente do Brasil. A matéria afirma que Bolsonaro foi recebido por “aplausos desinteressados” depois do discurso de abertura do fórum. O jornal segue afirmando que a postura do presidente Brasileiro com relação a outras opiniões políticas “são incompatíveis com o espirito global de cooperação e liberdade do Fórum de Davos”. ” Com o seu discurso Nacionalista e postura de homem forte, além do seu histórico de criticas machistas, homofóbicas e discriminatórias, Bolsonaro é exatamente o oposto ao espirito de Davos”. A matéria do NYT também lembrou da promessa de campanha de tirar o Brasil do acordo climático de Paris, e de ter cancelado o encontro climático das Nações Unidas 2019 que aconteceria no Brasil, que contraria seu discurso em Davos onde Bolsonaro afirma que irá trabalhar junto com o resto do mundo para diminuir as emissões de gases poluentes.

O New York Times não foi o único jornal a criticar Bolsonaro. O Britânico The Guardian, deu ênfase ao crescente escândalo dos depósitos na conta do seu filho Flavio Bolsonaro, afirmando que a “estréia do presidente Brasileiro foi ofuscada pela bola de neve no Brasil”.

Financial Times foi mais ameno com a primeira aparição do Presidente Brasileiro em Davos, intitulando sua matéria, “Presidente Brasileiro promete abrir a economia”. O FT disse que a postura pro-mercado do presidente deve ajudar o Brasil a se recuperar da crise, mas também criticou o presidente por não responder perguntas e não dar detalhes sobre reformas tributárias que certamente interessam investidores estrangeiros.

A comitiva presidencial parece mais interessada em tirar fotos do presidente comendo em bandeijão, usando crachá e tomando café de garrafa, do que encontrar-se com líderes mundiais e fechar acordos econômicos para o Brasil. O discurso do novo presidente em Davos foi fraco, politiqueiro e contraditório, passando uma mensagem errada do Brasil. De fato, o estilo homem forte, citado na matéria do NYT, é arcaico e atrasado. O mundo esta bem a frente dessa postura robusta, autoritária, machista e discriminatória do novo presidente Brasileiro. A mídia mundial não deixou barato.

Os discursos de ódio contra gays, índios, negros, mulheres e outros grupos sociais, certamente irão ofuscar a credibilidade do Brasil nas relações internacionais. As contradições do presidente com relação ao meio ambiente e a democracia, serão exploradas e postas a prova não apenas por grupos opositores, mas por governos mundiais que hoje, ja se comprometem com a importância de controlar as emissões de gases e outros materiais poluentes. A incapacidade do presidente em falar em detalhes sobres reformas econômicas, como por exemplo, as questões das reformas tributárias levantadas pelo jornal NYT, também irão impactar na credibilidade do Brasil junto a comunidade internacional.

Davos ja é uma oportunidade perdida para o Brasil. O presidente poderia ter detalhado suas intenções, mostrado suas cartas e convidado o mundo a sentar-se a mesa. A falta de detalhes nas propostas econômicas e tributárias, não agradou lideres e investidores mundiais. O Brasil perdeu a oportunidade de apresentar o novo Brasil. Ficou só na palavra. Faltou o plano de negócios. Faltou transparência no discurso. Faltou o entusiasmo, o carisma e a alegria Brasileira. Esse não era o Brasil. Bolsonaro precisa urgentemente rever suas posturas e apresentar ao mundo um plano de negócios detalhado para que investidores internacionais voltem a se interessar pelo Brasil. Palavras ao vento tem valor nulo.

Se as perspectivas do novo presidente com relação ao futuro econômico e social do Brasil são de fato sérias, a primeira impressão do ponto de vista internacional, não foi positiva. O presidente terá um árduo trabalho pela frente para esclarecer suas reais intenções junto a comunidade internacional para que o Brasil tenha alguma chance de engrenar sua economia e recuperar sua credibilidade para negócios. É certo que o presidente terá que rever muitas de suas promessas e refazer muitos dos seus conceitos para que seja visto com bons olhos pela comunidade internacional. Se o presidente não adotar uma postura mais liberal, global e amigável, mais de acordo com o mundo atual , é seguro afirmar que o Brasil terá grandes dificuldades de relacionamento no cenário mundial e continuará sendo tratado com indiferença pelos grandes mercados. É importante lembrar que a intransigência de Trump e a postura autoritária de Xi Jinping, só são aceitas por se tratarem das duas maiores economias do mundo. O Brasil não esta em posição de impor suas vontades e deve, para o bem do Brasil, adotar uma postura de cooperação, respeito e transparência junto aos outros atores mundiais. Caso contrário, o novo Brasil ja perdeu, antes mesmo do inicio do campeonato.

MEGHAN MARKLE E A MONARQUIA

Por: Michaell Lange,

Londres, 20/05/18 –

Foi mais um casamento real, mas desta vez, foi um casamento real com significados que vão muito além de qualquer critica republicana. Ao menos agora, o Amor entre Noivo e noiva é de fato, verdadeiro. Estimativas avaliam que mais de dois bilhões de pessoas assistiram ao casamento real entre Harry e Meghan, agora Duke e Duquesa de Sussex.

Pode parecer estranho, mas diferentemente do que a mídia mostra, há uma crescente divisão na opinião pública Britânica sobre o sentimento com relação a família real. Uma pesquisa divulgada pela Yougov sugeriu que 66% dos Britânicos não estavam interessados no casamento real. Três quintos afirmaram que teriam um final de semana normal, como qualquer outro. Um em cada 10, estariam trabalhando, e apenas 1 em cada 4 Britânicos teriam intensão de assistir o casamento. O número de festas com pedidos para fechamento de ruas para celebrações, também caíram dramaticamente em comparação ao casamento real de William e Kate em 2011. Apenas uma festa de rua foi confirmada na Escócia. Em algumas regiões da Inglaterra a queda de festas celebrando um casamento real chegou a 92%. E o crescente criticismo à família real não se limita apenas aos Republicanos. Muitos Britânicos não aceitam a vida de luxo levada pela família real enquanto o resto do país tem que arcar com uma política de austeridade com fortes cortes orçamentários na saúde, educação e segurança. O sistema de saúde pública Britânico, o NHS, esta em crise. Mais de 40 mil vagas de trabalho não possuem candidatos por conta dos cortes salariais e condições de trabalho. A policia perdeu quase 50% da sua força de segurança e o país vive uma de suas maiores crises de segurança da história. Muitos Britânicos não aceitam caminhar ao lado do Palácio de Buckingham com suas 700 suítes, enquanto 3 mil Britânicos dormem nas ruas do país todos os dias.

Já argumento a favor da família real, é que os benefícios que a monarquia trás ao país, superam todos os custos decorrentes da sua vida extravagante. Londres recebe por ano mais de 6 milhões de turistas. Um benefício econômico que certamente não seria o mesmo sem a presença da família real. A Rainha também é considerada a maior embaixadora do mundo. Uma celebridade que abriu muitas portas e facilitou muitos acordos econômicos para os Britânicos. Quando o Reino Unido precisou fechar acordos com o Brasil, a comitiva Britânica levou o Principe Harry que imediatamente ganhou a atenção da mídia nacional.

De uma forma ou de outra, os casamentos reais sempre trouxeram alguma forma de mudança para a monarquia. A eterna princesa Diana era uma “pedra no sapato da Rainha” porque muitos achavam que Diana era de fato, mais poderosa que a própria Rainha. Diana tinha o mundo a seus pés, e toda sua influência foi usada para causas humanitárias ao redor do mundo. Sua morte trágica e prematura deixou dois meninos sem mãe que o país passou a amar mais do que a própria Rainha. Harry, o filho mais novo do casal, herdou as aptidões humanitários da mãe. Harry viajou o mundo inteiro ajudando milhões de pessoas e ajudando a levantar milhões de dólares em doações para suas causas humanitárias. O povo Britânico sempre quis muito ver o Principe Harry feliz. O anuncio do seu noivado com a Americana, divorciada e de família negra, foi recebida com muita celebração pelo povo Britânico. Era o sinal de que o amor que Diana havia dedicado sua vida a encontrar, continuava vivo no coração do seu filho harry. É importante lembrar que até pouco tempo atrás, membros da família real, poderiam casar-se apenas com alguém da linha aristocrata. Um casamento com uma Americana, divorciada e negra jamais seria permitido. Em 1936 o então Rei Eduardo VIII teve que renunciar o trono para casar-se também com uma Americana divorciada. Principe Harry, pôs fim a tudo isso!

Meghan Markle não é apenas Americana e divorciada, sua família é descendente direta de escravos. Por isso, o significado desse casamento transcende os paredões e as fortificações dos castelos da monarquia, e muda a história para sempre. Como disse o Bispo Americano Michael Curry, durante seu sermão na Capela São George, no Castelo de Windsor, “… Uma nova família nasce… O amor tem o poder de mudar o mundo!”

Principe Harry, introduziu uma negra, descendente de escravos, diretamente no coração de uma das mais conservadoras aristocracias do mundo. Os mesmos aristocratas que iniciaram o abominável comércio escravo. os mesmos que justificavam a escravidão de um negro pelo fato de que negros não tinham alma, e que por isso, não eram humanos. Hoje, recebem em seus palácios reais e em sua mais alta nobreza, Meghan Markle, filha de escrava.

Meghan, não representa apenas uma classe racial. Seus trabalhos em prol das causas humanitárias foram uma das coisas que chamaram a atenção de Harry. E, se alguém tinha qualquer dúvida sobre a influencia que esta mulher incrível traria à realeza Britânica, o sermão do bispo Americano Michael Curry e a presença do coral gospel cantando pop music, durante um casamento real, é evidência concreta de que Meghan não veio apenas para casar-se com Harry, mas para transformar a família real e a sociedade em que vivemos. Meghan, representa o poder do amor e o poder da mulher no processo de transformação do mundo em lugar mais justo e solidário, menos machista e violento. O poder do amor é infinitamente maior que o poder de uma Rainha, é maior do que todas as aristocracias colocadas juntas. Porque como disse o Bispo Michael Curry, “Deus é amor, e o amor é o único caminho!”

Meghan e Harry vieram para influenciar o mundo. Não serão apenas as relações diplomáticas entre os EUA e o Reino Unido que ganharão com essa união. Assim como Diana, Meghan e Harry irão influenciar as relações internacionais e o modo de pensar das pessoas. Eles são, provavelmente, a maior força para o bem atualmente no mundo. Essa união não é apenas um presente aos Britânicos, Meghan e Harry são um presente para toda a sociedade humana. Os trabalhos de transformação do mundo em um lugar mais justo, começaram ontem no castelo de Windsor. O amor é o único caminho!

JESUS CRISTO, OS CRISTÃOS E A POLÍTICA

Por: Michaell Lange,

Londres, 13/05/18 –

A corrupção não afeta apenas o governo. A corrupção afeta todas as esferas humanas, incluindo a fé, a religião e a igreja. A corrupção afeta também nossos valores e virtudes que são, ou deveriam ser, a base de sustentação da nossa sociedade. No Ocidente, os valores Morais e éticos foram promovidos principalmente pelo Cristianismo. Mas, tais virtudes e princípios não são necessariamente dependentes da religião. Outros valores como a liberdade, o espirito crítico, a cooperação, inovação, criatividade, entre outros valores, foram desenvolvidos e conquistados ao longo do tempo por movimentos sociais, como por exemplo, os rebeldes Ingleses que no ano de 1215 fizeram o então, Rei João, assinar a Magna Carta, que é considerada por muitos, a primeira constituição oficial a garantir as liberdades do indivíduo e proteje-los contra a tirania das autoridades.

Porém, o maior promotor de valores Morais, Éticos e humanos, viveu a mais de dois mil anos atrás, e se chamava Jesus de Nazaré. Seus ensinamentos foram tão importantes para a sociedade humana, que mesmo passados dois mil anos do seu assassinato, Jesus continua sendo a pessoa mais reconhecida do mundo. A forma com que falo de Jesus aqui, não é religiosa. Não sou religioso. Mas, sou um grande admirador e seguidor dos princípios e ensinamentos de Jesus. E, por ser seguidor de seus ensinamentos, me considero Cristão, um Cristão sem religião.

A crise moral que vivemos hoje esta exposta, ao meu ver, na corrupção do ser humano atual diante dos ensinamentos deixados por Jesus. Os ensinamentos foram corrompidos e transformados em uma monstruosidade cuja a própria Bíblia ja previa, mas muitos Cristãos não deram, e continuam não dando a devida atenção. Arrisco a dizer aqui que atualmente, a grande maioria daqueles que se consideram Cristãos, são de fato, o oposto disso. O Cristão não é simplesmente aquele que vai a igreja, que ora, e lê a Bíblia. O Cristão é aquele que segue Cristo, seus ensinamentos, seus valores, e procura ser uma pessoa melhor a cada dia ou seja, ser o mais próximo daquele que foi Jesus.  Não é possível ser Cristão e promover o ódio, a discórdia e a intolerância.

Jesus dedicou sua vida a promoção do Amor, da tolerância, da caridade, do perdão, da compaixão. Jesus nos ensinou a compartilhar o pão. Jesus lutou e protestou contra o autoritarismo.  Ajudou os mais pobres, os odiados, os rejeitados, e pediu para que seus seguidores fizessem o mesmo. Jesus nos pediu para não sermos hipócritas, mas sinceros. Jesus pediu para amarmos nossos inimigos e procurar a reconciliação ao invés do ódio. Estes, foram ensinamentos claros de como seus seguidores deveriam se comportar.

Toda uma vida dedicada a promoção do Amor ao próximo, do perdão, da compaixão e da tolerância. Valores estes que ficaram evidentes no momento da sua morte. A crucificação de Jesus foi a prova da grandiosidade do seu espirito. Mesmo sendo brutalmente torturado, Jesus Amou seus algozes, orou por eles, e pediu a Deus por suas almas. Eis aí um verdadeiro Cristão. Aquele que perdoa o assassino do seu próprio filho. Aquele que ama quem lhe quer fazer o mau. Aquele que tolera as diferenças. Aquele que compartilha o pão. Aquele que promove o Amor nos momentos em que o ódio é mais sedutor. Aquele que ajuda os rejeitados.

Jesus é Amor, não é ódio! O objetivo do Cristão deve ser o de ser aquele que jesus foi no momento da sua crucificação. Amor puro! Amor que salva!

Como pode alguém idolatrar aquele que promove a intolerância, o ódio, a divisão, a tortura, a morte, a indiferença, o revanchismo, a vingança e a brutalidade ao próximo, e ter a coragem de se dizer Cristão? Como pode um dito Cristão, compactuar e promover sentimentos e comportamentos totalmente avessos aqueles praticados por Jesus?

Jesus foi assassinado pelo autoritarismo ganancioso do poder. Jesus foi torturado e morto para que seus ensinamentos jamais fossem esquecidos. Jesus foi crucificado para que o caminho do bem fosse tão claro aos Cristãos, que nenhuma força seria capaz de corromper a verdade que os levaria a salvação. Mas, muitos Cristãos hoje, preferiram se juntar aos falsos profetas. Falsos profetas que conduzem seus corrompidos de volta a escuridão. A escuridão do olho por olho, dente por dente. A escuridão do ódio e da intolerância. Não são Cristãos. Podem até ser mitos, mas assim nunca serão Cristãos… Jesus pediu por vossos arrependimentos. Arrependam-se!

 

ANTI-AMERICANISMO (!?)

Opinião de: Michaell Lange,

Londres, 09/05/18 –

Anti-Americanismo – Você se classificaria como um anti-Americano?

O website Dictionary.com classifica o Anti-Americanismo simplesmente como “a oposição ou hostilidade aos Estados Unidos da America, seu povo, seus princípios ou suas políticas”. Há quem classifique o Anti-Americanismo como uma forma de racismo. Anos atrás, uma Americana que vive em Londres, escreveu para o canal de TV Britânico BBC, para relatar os inúmeros abusos que vinha sofrendo pelo simples fato de ser Americana, e como estes abusos são similares ao racismo.

O Anti-Americanismo não é um problema limitado a países ditos, Comunistas ou Socialistas. Na Europa, sobretudo na Alemanha, o Anti-Americanismo sempre foi um problema conhecido. É possível também, sem muito esforço, classificar muitos Americanos na longa lista de anti-Americanos. Em alguns estados do país, há grupos de extrema direita conhecidos, como a Ku Klux Klan, grupos Neo-Nazistas, e outros grupos de Supremacia Branca, que pregam o oposto dos valores e princípios previstas na Constituição Americana. A promoção do sentimento Nazista por exemplo, não vai apenas contra os princípios de igualdade e direitos dos cidadãos garantida por Lei, o Nazismo é uma ideologia que prega além do extermínio de Judeus e outras minorias, prega também, a destruição dos EUA e Inglaterra, duas das mais bem sucedidas democracias do mundo. Americanos que promovem o Nazismo, não são apenas traidores dos princípios fundamentais da nação Americana, mas são também Anti-Americanos.

No Brasil, o Anti-Americanismo segue uma cartilha rasa e irracional, que usa um tom populista para atrair seguidores. Queimar a bandeira dos Estados Unidos em praça publica por exemplo, não é apenas uma atitude patética, é também uma clara evidência de que você é intelectualmente pobre e altamente suscetível a manipulações. Acusar os Americanos de imperialistas é uma outra forma de dizer; “não sei do que estou falando, ou sei muito pouco do que estou falando”. Afinal, muitos dos que acusam os Americanos de imperialistas, usam de meios similares para manter seus partidos políticos no poder. Por tanto, se os Americanos são imperialistas, todos nós, de uma forma ou de outra, também somos. Vale citar é claro, que há exceções em ambos os lados.

Assim como vários outros conceitos equivocados, o conceito de Anti-Americanismo é um exemplo clássico de como as pessoas entendem esse termo de forma errônea e confusa. Vejamos: Se você se considera um anti-Americano, é importante que você entenda porque você tem esse sentimento. A primeira pergunta a ser feita é; Por que? Por que você se sente um anti-Americano? Se você não tiver a resposta para esta pergunta na ponta da lingua, existe uma grande chance de você não ser um anti-Americano, mesmo que você acredite que seja.

Se você gosta do Iphone, de calça jeans, do tênis Nike, da cerveja Budweiser, dos computadores da Apple, do Google, do youtube, do facebook, twitter e Instagram, do ford Camaro ou do Mustang, de rock’n roll, Jazz e Blues, se você gosta das musicas do Creedence, do Gun’s and roses, Metallica, Red hot chilli peppers, Elvis Presley, Pearl Jam, dos filmes de Hollywood, das roupas da QuickSilver, O’neill, Hollister, Levi’s, e de uns Dólares, é muito pouco provável que você seja de fato um anti-Americano.

Mas, se você condena veemente as desigualdades criado pelo Neo-Liberalismo, o consumismo descontrolado, o envolvimento Americano no golpe de 64, os massacres no Iraque, no Afeganistão, no Vietnam e em tantos outros países. É muito provável que você também não seja um anti-Americano, mas sim, um árduo defensor da justiça e dos direitos humanos.

Ser anti-Americano é ser contra TUDO e TODOS que venham dos EUA, incluindo 300 milhões de pessoas que você não conhece e pré-julga que sejam iguais e a favor dos abusos e das atrocidades cometidos pelo governo daquele país. Ser contra o Capitalismo não faz de você um anti-Americano. Condenar a invasão do Iraque não faz de você um anti-Americano. De fato, de Norte a Sul dos EUA, o povo Americano é muito similar aos Brasileiros. A família continua sendo a instituição mais forte da nação. A fé Cristã é promovida em larga escala. O povo é receptivo, e na maioria das vezes, manipulado pela propaganda política e a estratégia do medo que manipula a percepção das pessoas e as faz concordar com idéias que normalmente elas jamais concordariam.

Finalizando esta pequena analise sobre um tema tão abrangente, é importante lembrar que, assim como o Brasil não é apenas o país do Carnaval e do futebol, os EUA não é apenas os erros e crimes cometidos por suas políticas externas. Os EUA não é apenas Nova York e Miami. A grande parte dos seus 300 milhões de cidadãos, são pessoas do bem, que se importam com a vida, se emocionam e se revoltam com a injustiça, sofrem com as imposições de um governo que nem sempre defende o bem estar da maioria. Na crise econômica de 2008, causada por uma elite da Wall Street, 6 milhões de famílias Americanas perderam suas casas. Atualmente, 15% da população Americana é considerada pobre, e 50 milhões de pessoas não tem acesso a saúde. Os EUA não é apenas o sonho Americano, não é apenas armas nucleares. O anti-Americanismo é um sentimento equivocado promovido por um conceito equivocado, que não reflete de forma alguma os valores e os princípios que o território e a maioria do seu povo representam.

A ELITE DO BRASIL É BURRA!

By: Michaell Lange,
London, 24/07/17 –
No Brasil, quando o pobre começou a andar de avião e ir de férias para Miami, a elite ficou com ciúme, fazia cara de nojo. Teve até um apresentador esbravejando na TV dizendo que “agora até miserável tem carro”. Foram 10 anos de crescimento econômico com direito a capa de revistas internacionais, miserável comprando carro novo e casa nova. Por 10 anos, milhões de “miseráveis” passaram a ter o que jamais haviam tido. Mas, aos olhos da elite Brasileira, os miseráveis já estavam passando dos limites.
A elite Brasileira é diferente das elites de países desenvolvidos. Sim, o comportamento é parecido, o senso de superioridade é semelhante, mas há uma diferença vital, a elite Brasileira é burra. Burra porque a elite é composta por proprietários de grandes empresas que dependem de uma economia forte para continuar sendo elite. Economia forte depende do consumo e por tanto, é fundamental uma economia onde o cidadão tenha poder de compra, poder de consumo. No Reino Unido, nos EUA, na Austrália, Alemanha e outros países desenvolvidos, o cidadão que trabalha como garçon, servente de pedreiro, entregador de pizza e outros trabalhos considerados não qualificados, ganham bem e por isso, podem comprar roupa boa e pagar a vista, podem viajar de férias para o exterior mais de uma vez por ano, podem comprar utensílios domésticos a vista. Isso tudo porque a elite entende que para existir a classe alta, os ricos e milionários, é importante que o trabalhador tenha dinheiro para gastar e fazer a economia rodar. No Brasil a elite faz o inverso.
Nos países desenvolvidos, os governos trabalham como um termômetro, ou mediador entre a elite e os trabalhadores, para garantir a manutenção da economia, freiar os abusos das elites (em partes), e garantir o poder de compra do consumidor. No Brasil o governo faz o inverso. Sempre que sobra um pouquinho no bolso do consumidor, o governo sobe algum imposto. Dessa forma o povo não compra, a economia não gira, e a elite permanece com o seu dinheirinho, mas pobre, burra e ignorante.
A elite Brasileira não gosta de dividir poltrona de avião com pobre, e sente ciúme quando pobre consegue viajar ou comprar bens de consumo. A Elite Brasileira tem dinheiro mas é extremamente pobre. No Brasil, a elite precisa pisar no povão para se sentir bem. O personagem Caco Antibes do programa de humor Sai De Baixo, resumia bem esse problema. Caco Antibes tinha “horror a pobre”.
A elite Brasileira financia campanhas para convencer o povo a eleger políticos corruptos para garantir que o pobre continue pobre, sem direitos, e sem dinheiro para fazer coisas que para eles, somente a elite tem o direito de fazer. Afinal de contas, onde ja se viu, garçon, pedreiro, caminhoneiro, motoboy e diaristas andando de avião? Fazendo faculdade e com direitos trabalhistas? Um absurdo, diria Caco Antibes. Caco Antibes não é um personagem cômico, ele é a personificação da elite Brasileira!
É claro que quando me refiro a elite, me refiro de forma generalizada. É claro que há pessoas muito bem intencionadas e bem educadas que fazem parte desse grupo no qual classificamos de elite. Também é importante entendermos que as elites são vistas de forma geral, tanto nas relações sociais como nos estudos das teorias acadêmicas, como um grupo opressor. De fato, há evidências históricas que demonstram uma ambição constante dos mais ricos, em controlar a vida dos mais pobres. Porém, nem tudo que esta relacionado a elite é necessariamente negativo e desprezível. Vale lembrar que há muito trabalhador oprimindo trabalhador, prejudicando o colega e fazendo campanha para limitar direitos trabalhistas da sua própria classe. Particularmente, prefiro usar essa divisão social entre elite e trabalhadores com certa cautela, ja que o problema entre estas duas classes não é tão simples quanto parece. Mas cabe aqui dizer que no Brasil, a elite, que é quem mais se beneficia de uma economia forte e estável, parece trabalhar contra o país pelo simples prazer de não precisar dividir o portão de embarque do aeroporto com aquela gentalha que Caco Antibes tanto odeia.
Enquanto as elites dos países desenvolvidos não se importam que pedreiros, jardineiros, atendentes, garçons, motoristas de ônibus e caminhão, frequentem teatros e viajem de avião (ja que são as elites as proprietárias dos teatros e empresas aéreas), no Brasil, pelo “horror a pobre”,  a elite Brasileira prefere ver os teatros vazios e empresas aéreas quebrando, e a economia estagnada, ao ver a classe trabalhadora usufruindo daquilo que a elite Brasileira acredita pertencer apenas a quem merece ou seja, a própria elite…

NOSSA DEMOCRACIA É ADOLESCENTE, MAS PRECISAMOS APRENDER A FAZER-LA E PRESERVA-LA

By: Michaell Lange,

London, 28/04/17 –

 

O Brasil é um país jovem que tem penas 195 anos idade. Nossa democracia é pre-adolescente, o que justificaria nossos erros de exercício. Mas nesse caso, estamos falando de adultos exercitando uma democracia jovem e por tanto, é preciso aprendermos a fazer democracia e ao mesmo tempo preserva-la.

Não há nada mais auto-destrutivo, no que se refere ao exercício democrático, do que barricada construída com paus e pneus para fechar vias públicas. Pior ainda quando ateiam fogo. É a estratégia mais anti-democrática, abusiva e contraditória que qualquer protesto pode adotar. Isso não é uma crítica partidarista, mas a impressão é de que a esquerda costuma usar dessa estratégia com mais frequência do que ninguém. Porém, isso não se limita aos esquerdistas. Vale lembrar dos protestos dos caminhoneiros em 2015 contra o governo Dilma, que bloqueou estradas em todo o país, e motoristas que se recusavam a participar acabavam agredidos e com o caminhão danificado pelos próprios colegas de profissão. Dias atrás, uma outra categoria que muito me diz respeito, os pescadores, também bloquearam a BR 101 em Itajai em protesto contra a proibição da pesca de inúmeras espécies de peixes, que  de fato, coloca em risco toda a industria pesqueira do país. Em ambos os casos, não se tratava de protestos promovido pela CUT ou qualquer outra instituição de esquerda.

O Brasil assiste hoje, políticos de todas as esferas, serem presos, processados e investigados por corrupção e lavagem de dinheiro. Mesmo assim, tem-se a impressão de que o povo Brasileiro nunca esteve tão dividido. Defendemos a pau e pedra, aqueles que acreditamos ser os menos corruptos. Mesmo frente a um assunto relevante a todos os trabalhadores do país, como é o caso da reforma da previdência, o povo Brasileiro é incapaz de protestar unido. Quem não concorda com a greve geral de hoje, tentou classifica-la como partidarista. E quem foi a favor da greve de hoje, fez questão de demonstrar seu partidarismo. Fica difícil para o trabalhador Brasileiro, vitima de tamanha sacanagem, se defender da infinita e ilimitada agressão vinda de Brasilia. Afinal de contas, quem tem que cair é Brasilia e não o Brasil!

Fechar as estradas com o único intuito de impedir a passagem daqueles que como vc, tem o direito de ir e vir, é um tiro de canhão no próprio pé. Digo isso por vários motivos. Primeiro, bloquear vias públicas colocando fogo em pneus e madeira causa a sensação de caos e tensão, que acaba tirando o foco do verdadeiro motivo do protesto. Segundo, quando impedimos a livre passagem daqueles que por motivos múltiplos não participam do protesto, criamos um inimigo naqueles que deveríamos conquistar o apoio. Ninguém que precisa ir de um lugar para outro, por motivos banais ou urgentes, e acaba preso, impedido, e impossibilitado de seguir seu caminho por causa de uma barricada desnecessária e que esta ali com o único propósito de impedi-lo de seguir viagem, irá apoiar qualquer protesto, seja por motivo mais nobre que for. Terceiro, o fechamento de uma estrada fornece o ingrediente perfeito e legal, para a ação da Policia Militar. Todo mundo sabe que a PM tem um prazer quase sexual em dar porrada em esquerdista, por isso, fazer barricada com fogo em pneu, é um convite a tomar paulada da PM. Isso tudo sem falar no dano causado pelo fogo no asfalto e a poluição causada pelos pneus incendiados. Se uma multidão, digamos, 50 mil pessoas ou mais fechar a Avenida Paulista, sejamos justos, cabe sempre o bom senso. Mas, fechar uma estrada importante por conta de 100 ou 200 pessoas não é bom senso, nem democracia, é abuso de direito. Existe uma grande diferença entre fechar a Av Paulista em São Paulo com uma multidão de manifestantes, como ocorre frequentemente (bom senso), e fechar a SC-401 em Florianópolis queimando pneus com um punhado de manifestantes causando caos total para pessoas que não querem participar do movimento (abuso de direitos).

O Brasil é um país jovem, e nossa democracia é adolescente, mas o Brasileiro precisa aprender a fazer democracia e preserva-la. Caso contrário, não teremos a menor chance contra estes abutres da política nacional.

 

A CARNE NÃO É FRACA, A CARNE É PODRE! (crítica)

By: Michaell Lange, (crítica)

London, 20/03/17 –

Cazuza e Renato Russo cantavam nos anos 80, “Que país é esse?” “Brasil, mostra a tua cara!”. O povo cantou e canta até hoje as musicas que denunciavam nossa falta de bom senso e nosso descaso com o Brasil. Mas, por alguma razão, não percebemos que estas musicas falavam sobre a gravidade da nossa negligência com nossa própria sociedade. Ignoramos nossa própria ignorância, mas acreditamos no futuro do Brasil. Queremos o fim da corrupção, mas não respeitamos a Constituição. De fato, nem conhecemos a Constituição. A mascara do Brasil vai caindo a cada escândalo, denunciando a corrupção e o descaso não apenas dos políticos, mas dos empresários, empresas e cidadãos. São todos culpados do Brasil ser o que o Brasil é hoje. Mas invés de vergonha, o sentimento é de desleixo. A indignação é tão pouca que é insuficiente até para um único final de semana de boicote a carne. Inventamos logo uma desculpa para justificar o churrasco e nos deixamos levar pela passividade típica do nosso povo. Aceitamos nossa condição de viver na lama e fazemos piadas do nosso lamaçal. “Da lama ao caos, do caos à lama, um homem roubado nunca se engana”, dizia chico Science. A letra é em bom Português, mas parece entrar codificado nos ouvidos tupiniquins. Ninguém recebe a mensagem eminente. É como o alarme de incêndio que perde a importância depois de ser acionado por acidente várias vezes e ninguém evacua o prédio quando ele pega fogo de verdade.

A Policia Federal agora é criticada por “colocar a economia Brasileira em risco”. Denunciam a PF por expôr um problema grave e com décadas de idade por supostos interesses Americanos. Ninguém seria tolo o suficiente de duvidar que o os Americanos estão infiltrados em todos os setores da economia e da sociedade Brasileira. Mas a culpa da carne Brasileira ser uma das piores do mundo não é dos Americanos e nem da Policia Federal. A responsabilidade do lixo consumido no Brasil é dos empresários Brasileiros e do consumidor que aceita estas condições. A Russia e os EUA não podem ser responsabillizados por se negarem a comer o lixo produzido pelo Brasil. Se o Brasileiro aceita essa condição, então, assuma também as suas consequências. Agora, empresários e corporações como a Sadia, Perdigão, Ceara, Friboi, entre outras, que são responsáveis por milhares de trabalhadores, precisam ser responsabilizados por colocar a economia Brasileira em risco e infringir as Lei Brasileiras. Em qualquer país sérios, eles perderiam a licença para produzir alimentos.

Mas, essa negligência não é jovem. Quando trabalhei no Brasil em meados de 1998/99, e viajava todo o estado de Santa Catarina e Paraná, era comum ver caminhões abarrotados de animais vivos como porcos, bois e frangos, estacionados sob sol escaldante de 30/35 graus, enquanto o motorista almoçava ou dormia após o almoço. Era triste de ver o sofrimento destes animais sem água ou comida, agonizando sob o sol forte. Fico imaginando quantos acabam sucumbindo ao transporte, e duvido que sejam descartados. O estado Brasileiro não apenas permite estes abusos como é negligente na sua fiscalização. A legislação Brasileira permite a criação de animais em condição de total confinamento. Essa prática é ilegal na Europa. Mas, o Brasil segue a legislação Americana que permite essa prática absurda além do uso de químicos comprovadamente cancerígenos para acelerar o crescimento e engorda dos animais. Na Europa o porco é criado solto como o gado, e o mesmo acontece com os frangos que são recolhidos no fim do dia e novamente soltos em campo aberto e apropriado na manhã seguinte. A negligência com o alimento vivo no Brasil não é nenhum segredo. O caso só veio a tona com tanta força agora porque a grande mídia deu a sua “benção”. Mas os videos de maus tratos com alimentos vivos e a má higiene no processamento de carnes e outros alimentos perecíveis é mais antigo do que a Constituição, e certamente mais antigo do que o YouTube.

Mas o Brasileiro aceita a condição. “Não tem mais jeito”, “Não vai mudar nunca”, dizem, sem perceber que essa atitude é a aceitação da condição de viver no caos da lama. O mais incrível é que o Brasileiro usa sua incrível capacidade de adaptação para encontrar conforto na lama ao invés de usa-la para sair dela. Quando perguntei no FaceBook se alguém deixaria de comer carne ao menos um final de semana, as respostas foram unanimas. Ninguém deixou de comer carne podre! Aceitamos a condição de nos alimentarmos com lixo, e criticamos ou denunciamos quem se recusa a fazer o mesmo.

É interessante a arrogância do Brasileiro. Certa vez arrumei uma briga feia com meus irmãos e meu pai porque chamei os Brasileiros de arrogantes. Meu pai chegou a sair da sala com raiva. Mas eu fico imaginando. Chamamos os Argentinos de porcos, arrogantes, sujos e encrenqueiros. Mas é exatamente o Brasileiro que polui e suja o mar, as praias e os rios do Brasil destruindo seu meio ambiente tão rico. É o Brasileiro que joga o lixo na rua e deixa as lixeiras vazias. É o Brasileiro que grita É CAMPEÃO antes mesmo do jogo começar. É o Brasileiro que cai na porrada por causa de uma partida de futebol, mas é incapaz de brigar por um país melhor. É o Brasileiro que tira onda do Reino Unido por ter assumido o lugar de quinta maior economia do mundo, mesmo que o povo esteja morrendo nas mãos de bandidos e políticos corruptos e o titulo de quinto lugar tenha durado menos de seis meses. E é o Brasileiro que não Ama o Brasil 10% do quanto o Argentino Ama a Argentina. E é o Argentino que é mundialmente reconhecido por ter a melhor qualidade de carne do mundo!

A verdade é que o Brasileiro não se importa se a cerveja é feita de milho, se a carne é podre, se o salgadinho pega fogo, se o whisky é falso, se o político é ladrão, se o pacote de arroz de 1kg na verdade tem só 750 gramas, se só Deus sabe o que tem dentro da linguiça. A verdade é que o Brasileiro aceita essa condição e é capaz de encontrar qualquer desculpa esfarrapada para justificar a situação. O Brasileiro continua comprando, comendo, votando e encontrando conforto na lama. Assim como um dependente químico, ninguém pode ajudar alguém quem não queira ser ajudado. A mudança só ocorre quando a decisão de mudar vem de quem deseja mudança. O Brasileiro precisa entender que ele, como indivíduo, precisa ser o instrumento dessa mudança. Sem a consciência de que o Brasil é feito pelo conjunto das atitudes diárias de cada Brasileiro, a carne continuará sendo podre!