A ELITE DO BRASIL É BURRA!

By: Michaell Lange,
London, 24/07/17 –
No Brasil, quando o pobre começou a andar de avião e ir de férias para Miami, a elite ficou com ciúme, fazia cara de nojo. Teve até um apresentador esbravejando na TV dizendo que “agora até miserável tem carro”. Foram 10 anos de crescimento econômico com direito a capa de revistas internacionais, miserável comprando carro novo e casa nova. Por 10 anos, milhões de “miseráveis” passaram a ter o que jamais haviam tido. Mas, aos olhos da elite Brasileira, os miseráveis já estavam passando dos limites.
A elite Brasileira é diferente das elites de países desenvolvidos. Sim, o comportamento é parecido, o senso de superioridade é semelhante, mas há uma diferença vital, a elite Brasileira é burra. Burra porque a elite é composta por proprietários de grandes empresas que dependem de uma economia forte para continuar sendo elite. Economia forte depende do consumo e por tanto, é fundamental uma economia onde o cidadão tenha poder de compra, poder de consumo. No Reino Unido, nos EUA, na Austrália, Alemanha e outros países desenvolvidos, o cidadão que trabalha como garçon, servente de pedreiro, entregador de pizza e outros trabalhos considerados não qualificados, ganham bem e por isso, podem comprar roupa boa e pagar a vista, podem viajar de férias para o exterior mais de uma vez por ano, podem comprar utensílios domésticos a vista. Isso tudo porque a elite entende que para existir a classe alta, os ricos e milionários, é importante que o trabalhador tenha dinheiro para gastar e fazer a economia rodar. No Brasil a elite faz o inverso.
Nos países desenvolvidos, os governos trabalham como um termômetro, ou mediador entre a elite e os trabalhadores, para garantir a manutenção da economia, freiar os abusos das elites (em partes), e garantir o poder de compra do consumidor. No Brasil o governo faz o inverso. Sempre que sobra um pouquinho no bolso do consumidor, o governo sobe algum imposto. Dessa forma o povo não compra, a economia não gira, e a elite permanece com o seu dinheirinho, mas pobre, burra e ignorante.
A elite Brasileira não gosta de dividir poltrona de avião com pobre, e sente ciúme quando pobre consegue viajar ou comprar bens de consumo. A Elite Brasileira tem dinheiro mas é extremamente pobre. No Brasil, a elite precisa pisar no povão para se sentir bem. O personagem Caco Antibes do programa de humor Sai De Baixo, resumia bem esse problema. Caco Antibes tinha “horror a pobre”.
A elite Brasileira financia campanhas para convencer o povo a eleger políticos corruptos para garantir que o pobre continue pobre, sem direitos, e sem dinheiro para fazer coisas que para eles, somente a elite tem o direito de fazer. Afinal de contas, onde ja se viu, garçon, pedreiro, caminhoneiro, motoboy e diaristas andando de avião? Fazendo faculdade e com direitos trabalhistas? Um absurdo, diria Caco Antibes. Caco Antibes não é um personagem cômico, ele é a personificação da elite Brasileira!
É claro que quando me refiro a elite, me refiro de forma generalizada. É claro que há pessoas muito bem intencionadas e bem educadas que fazem parte desse grupo no qual classificamos de elite. Também é importante entendermos que as elites são vistas de forma geral, tanto nas relações sociais como nos estudos das teorias acadêmicas, como um grupo opressor. De fato, há evidências históricas que demonstram uma ambição constante dos mais ricos, em controlar a vida dos mais pobres. Porém, nem tudo que esta relacionado a elite é necessariamente negativo e desprezível. Vale lembrar que há muito trabalhador oprimindo trabalhador, prejudicando o colega e fazendo campanha para limitar direitos trabalhistas da sua própria classe. Particularmente, prefiro usar essa divisão social entre elite e trabalhadores com certa cautela, ja que o problema entre estas duas classes não é tão simples quanto parece. Mas cabe aqui dizer que no Brasil, a elite, que é quem mais se beneficia de uma economia forte e estável, parece trabalhar contra o país pelo simples prazer de não precisar dividir o portão de embarque do aeroporto com aquela gentalha que Caco Antibes tanto odeia.
Enquanto as elites dos países desenvolvidos não se importam que pedreiros, jardineiros, atendentes, garçons, motoristas de ônibus e caminhão, frequentem teatros e viajem de avião (ja que são as elites as proprietárias dos teatros e empresas aéreas), no Brasil, pelo “horror a pobre”,  a elite Brasileira prefere ver os teatros vazios e empresas aéreas quebrando, e a economia estagnada, ao ver a classe trabalhadora usufruindo daquilo que a elite Brasileira acredita pertencer apenas a quem merece ou seja, a própria elite…

O SUS BRASILEIRO E O SUS BRITÂNICO

By: Michaell Lange.

London,16/07/17 –

 

Na ultima Sexta Feira (14), comemoramos a chegada do nosso segundo filho, Líam. Escolhemos o Chelsea and Westminster Hospital no Sudoeste de Londres, o mesmo hospital onde nosso primeiro filho, Thomas, nasceu. Nossa segunda gravides nos colocou novamente em estreito contato com o NHS – National Health Service – o SUS Britânico.  Mesmo sob seguidos cortes orçamentários promovido pelo governo desde a crise de 2008, o NHS ainda consegue promover um serviço de excelência e totalmente gratuito. É importante porém, que fique claro que o termo “totalmente gratuito” significa apenas que o contribuinte não precisa pagar duas vezes pelo serviço como acontece no Brasil e nos EUA. No Reino Unido os impostos são reinvestidos em benefícios sociais. Afinal, qual seria a justificativa de se pagar impostos se não a de beneficiar a sociedade?

É difício para mim entender o termo “governo paternalista”. Esse termo é muito usado no Brasil para criticar os benefícios sociais raramente promovidos pelo governo, como se receber nossos impostos de volta fosse um crime ou uma espécie de pecado capital. O governo de um país não precisa ser paternalista, ele tem a obrigação de ser paternalista! O governo Escocês por exemplo, usa os impostos para financiar 100% da educação dos escoceses até a sua formação profissional universitária. Na Escócia, ninguém paga por medicamentos! Uma vez receitado pelo médico, é só passar na farmácia e retirar sua medicação sem qualquer cobrança. Por que isso deveria ser criticado de paternalismo? A democracia Socialista tem sido desde de 1945, o melhor sistema econômico e social ja implantado no mundo, porque beneficia a sociedade dando ao mesmo tempo, liberdade para o desenvolvimento econômico. A Alemanha, a Escandinávia e o próprio projeto da União Européia são os maiores exemplos do sucesso do sistema democrático socialista. Estes mesmos países detém hoje os maiores superávits do mundo. São os investimentos promovidos com a arrecadação dos impostos que dão suporte ao desenvolvimento econômico. A formação de bons profissionais e uma população saudável e bem formada são fatores essenciais ao desenvolvimento econômico.

A segunda gravidez da minha esposa teve complicações e riscos. Foi preciso inúmeras visitas ao hospital, incontáveis reuniões com os médicos para discutir os riscos, além de uma bateria de exames incluindo Ressonância Magnética e alguns dias de internação. A decisão final foi tomada em conjunto com uma equipe médica de 10 profissionais que decidiram a forma mais segura para o parto. Faríamos uma cesária na trigésima sétima semana de gestação com um time completo de médicos dentro da sala de operação com equipamentos em mãos para o pior dos casos. Nunca e em nenhum momento se falou em dinheiro ou plano de saúde privado. A prioridade foi, desde o início do processo, a vida da minha esposa e a do bebe. E afinal de contas, por que num momento tão delicado de nossas vidas deveríamos nos preocupar com dinheiro? Afinal, para que serve nossos impostos? Na última reunião com o médico chefe da equipe, ao perceber nosso medo diante dos riscos, foi taxativo. Olhando direto para minha esposa, disse: “fique tranquila, não deixaremos que nada de errado aconteça com você!”. Foi como tirar um caminhão das costas.

A cada experiência eu imaginava como seria no Brasil. A distancia do hospital, a precariedade dos equipamentos, a falta de médicos, a demora para fazer exames. Preocupações que nunca tivemos aqui. Em um raio de dez quilômetros temos cinco grandes hospitais incluindo o maior centro de atendimento de emergências do mundo com quatrocentos profissionais e a menos de dois quilômetros de distância da nossa casa. É claro que muita gente prefere dizer que não há comparações entre o SUS Brasileiro e o SUS Britânico (NHS), mas na verdade os fundamentos são muito semelhantes. De fato, o SUS Brasileiro teve como inspiração (especula-se), o SUS Britânico. O que realmente difere os dois SUSs são as prioridades, e a competência de gestão. Não cabe ao meu ver, a desculpa que os recursos Brasileiros são limitados. Essa é uma grande mentira promovida a décadas pelo governo Brasileiro e que pouco incomoda a classe média alta porque esta, tem condições de pagar o plano privado. Não faltam recursos no Brasil pra investimento em todas as areas sociais. Falta sim, seriedade, comprometimento, competência e punição severa para políticos corruptos. O governo Brasileiro esta sob o controle do crime organizado. São traficantes de droga, estelionatários e corruptos que desviam os recursos que deveriam ser usados em benefício social da população Brasileira e acabam em contas bancárias mundo a fora. Esse crime organizado controla tudo no país, desde a policia, o sistema judiciário e todos os repasses de verbas públicas. O rombo causado por esse crime esta estampado em todos os lugares e no próprio rosto dos Brasileiros, cansados de apanhar. O povo Brasileiro, pobre, judiado, explorado e achincalhado, ainda é convencido de que benefícios sociais como os direitos trabalhistas, são os culpados pelos baixos salários e fraco desempenho da economia. Ora senhores, fiquem sabendo que no Reino Unido a demissão de funcionário é ilegal! Uma vez contratado, existem situações limitadas nas quais a Lei permite a demissão. Mesmo um funcionário pego roubando precisa ser alertado e posto em suspensão antes de ser demitido. No Brasil o patrão literalmente caga (perdoe-me o palavrão) na cabeça do funcionário com total convicção da impunidade. No Reino Unido, país tido como Neoliberal (mentira, é um sistema parlamentar social democrata), o funcionário tem direitos e não pode ser humilhado, achincalhado ou demitido por mera vontade do patrão.

O Brasil tem condições de sobra para ter um sistema de Saúde pública melhor que o sistema de Saúde pública Britânico. Falta para o Brasileiro entender que o governo hoje, esta nas mãos dos piores bandidos do país, e são exatamente estes bandidos e não os trabalhadores, os grandes responsáveis pelo sofrimento e miséria do povo Brasileiro. O governo Brasileiro precisa cair por inteiro e ser reconstituído por um novo sistema político que anule o gargalo do repasse de verbas e o totalitarismo de Brasilia. E isso só irá acontecer no dia em que o povo for a luta e arrancar estes bandidos do poder a força se for preciso. Enquanto Brasilia continuar existindo, a saúde do povo Brasileiro continuará em segundo plano…