Margaret Thatcher: A Sociedade Não Existe! (reflexão)

By: Michaell Lange,

London, 13/11/15 –

Durante uma entrevista em 1987, Margaret Thatcher fez uma de suas declarações que viraria assunto de livros e discussões em universidades do mundo inteiro. “There is no such thing as society. There are men, there are women and there are families” – “A sociedade não existe. Existem homens, existem mulheres e existem famílias”. O que Margaret Thatcher quis dizer exatamente é alvo de debates. Conservadores afirmam que ela apenas disse que as pessoas não deveriam depender do governo e não esperar que o governo resolva seus problemas. Ja a esquerda acredita que Margaret Thatcher expressou sua verdadeira visão neoliberal onde o governo não tem responsabilidade social e o mundo é feito de indivíduos ao invés de comunidades. De fato, as duas explicações parecem estarem corretas. Thatcher, do ponto de vista conservador, realmente queria construir um país onde cada indivíduo fosse responsável por seus problemas, sucessos e derrotas. Um estado reduzido, sem interferir nas questões básicas da sociedade e da economia. O governo deveria ser responsável apenas em manter um campo de oportunidades, onde cada indivíduo se beneficiaria de acordo com a sua própria vontade. Ao mesmo tempo, as escolas da esquerda política do país, acreditam que Thatcher queria o fim da idéia de comunidades, onde todos colaboram e se ajudam, em troca de uma sociedade formada pelo individualismo, onde a competitividade entre as pessoas criaria riqueza e benefícios econômicos para o país.

É inegável que Margaret thatcher conseguiu grande parte dos seus objetivos. O legado, positivos e negativos, econômicos e sociais, deixado por seus três mandatos consecutivos, estão em todas as partes do país. É impossível caminhar pelas ruas de Londres, Liverpool e Manchester sem perceber a magnitude das transformações causadas por suas políticas revolucionárias. No final dos anos 70, o Reino Unido era um país em grandes dificuldades econômicas, extremamente controlado pelo governo de esquerda e pelos sindicatos, sobretudo dos mineiros. Seguidas greves de vários setores trabalhistas, dominados por militantes comunistas, paravam o país. A educação era precária, a segurança era negligente o sistema de saúde precário, altos níveis de desemprego e inflação alta. Thatcher tirou o país das mãos comunistas e entregou nas mãos da extrema direita. Alguns colegas de partido admitem que o grande erro de Thatcher foi ter ido longe demais em suas políticas econômicas.  Mas, o foco desse artigo é a questão social e seu impacto na sociedade Britânica e em sociedades ao redor do mundo.

O Reino Unido de 2015, sobretudo a Inglaterra e sobretudo Londres, é uma sociedade individualista e extremamente egoísta. Mas, essa afirmação é contraditória quando comparada com a gentileza e o grande senso de caridade do povo Britânico. A base da sociedade Britânica é extremamente forte nas questões referentes aos valores Cristãos, mas estes valores se confundem com um forte senso individualista e egoísta nas questões econômicas e profissionais. A instituição familiar também é praticamente inexistente se comparado com a sua importância em países como o Brasil e EUA. O Natal no Reino Unido é provavelmente um dos mais bonitos do mundo, mas é triste ver que os filhos não fazem muita questão de passar o natal junto dos pais. Preferem a companhia dos amigos nos Pubs da cidade do que celebrar um dia especial em família. A relação entre pais e filhos é muito diferente daquela que o Brasileiro esta acostumado. Os filhos saem cedo de casa para morar com amigos e falam com os pais apenas algumas vezes por ano, as vezes apenas pelo telefone. Visitar os pais ou parentes é visto pelos mais jovens como algo chato. Me parece que estas questões, se não são criações exclusiva das políticas de Thatcher, certamente foram maximizadas pelo senso individualista e egoísta promovida por sua nova visão social apelidada de “Eu, Eu, Eu” em referencia ao egoísmo individual que quer tudo para si. Um ditado popular Brasileiro que representaria bem o ideal de Thatcher seria aquele que diz: “Farinha pouca? meu pirão primeiro”.

Ao meu ver, o que o neoliberalismo trouxe para o mundo nas questões sociais pelas mãos de Margaret Thatcher e Ronald Reagan, foi uma mudança radical no comportamento das pessoas. Felicidade, era o objetivo de vida da maioria das pessoas. Hoje, o objetivo de vida da maioria, é o sucesso econômico. A busca pela felicidade incluía coisas simples como, casamento por amor, ter amigos verdadeiros, preocupar-se com as pessoas a nossa volta, ser pai, ser mãe, ter uma identidade comunitária e familiar e claro, ter sucesso profissional e econômico. A busca pelo sucesso financeiro, sobretudo impulsionado por uma onda de consumismo, ignora as coisas simples que eram importantes na busca da felicidade. O casamento por interesse passou a ser aceito, mesmo com o aumento no numero de divórcios. Os amigos não precisam ser verdadeiros, basta que exista interesses financeiros em comum. A vida dos outros, deixou de ser importante. Ser pai e mãe passou a ser um problema na busca pelo sucesso financeiro principalmente para a mulher. A comunidade passou a ser um lugar com indivíduos com objetivos diferentes. As pessoas competem por seus objetivos e não pelo bem social.

Mas, a problemática da afirmação de Thatcher de que a sociedade não existe, põe em cheque a própria justificativa para a existência do governo. Afinal, para que serve o governo se não, para servir o povo? Numa sociedade, cada indivíduo é sócio. todo indivíduo paga impostos que são administrados pelo governo e retornados para sociedade em benefícios sociais. Imagine que você seja sócio de um clube de recreação. Como todo clube, seus sócios pagam uma mensalidade para que tenham o direito de usar dos seus benefícios. A diretoria (no caso, o governo), é apontado para administrar as mensalidades e gerenciar os bens do clube. Imagine que um dia ao chegar no clube você seja surpreendido por medidas da diretoria, que resolveu vender ou privatizar a piscina, a academia, a sauna e o estacionamento do clube com o argumento de que a diretoria (ou governo), não deveria ter o controle de todos os bens do clube. Os sócios por outro lado, agora terão que pagar alem da mensalidade, o estacionamento, a piscina, a academia e a sauna. Num clube de recreação, qual seria a sua reação perante estas medidas? Possivelmente a de revolta. Como a diretoria poderia vender algo que pertence aos sócios do clube? Certamente a diretoria nesse caso, estaria perdendo a razão da sua existência. O mesmo acontece na sociedade de um país. Mas, por que muitos de nós reagem de forma diferente e até mesmo apoiam o governo na venda de bens que não lhes pertence? Toda sociedade depende de uma economia forte. Mas a principal justificativa para a existência de um governo é, a gerencia dos bens pertencentes aos sócios da sociedade. Não ha justificativas para a existência do governo para uma sociedade se não a defesa dos interesses dos sócios desta sociedade.

Para Margaret Thatcher, a ideia de uma comunidade social onde seus sócios tem o poder sobre os bens sociais através da representatividade governamental, vai contra sua visão neoliberal onde os bens sociais pertencem a outras pessoas, pessoas de outros países, de outras sociedades que, necessariamente não precisam ter interesse no bem estar das pessoas desta sociedade. Cria-se dessa forma, um mundo egoísta onde governos, corporações e indivíduos de uma determinada sociedade, podem comprar os bens de outras sociedades e transferir os benefícios ou lucros, para a sociedade de origem. Assim, a sociedade A pode comprar os bens da sociedade B, e os lucros da sociedade B podem ser transferidos para a sociedade A. Esse, é o mundo de uma sociedade neoliberal. O governo vende os bens que pertencem ao povo, e o povo passa a ter que pagar duas vezes para usar algo que ja era seu. Por exemplo: O governo constrói estradas com o dinheiro dos seus sócios (o povo), e depois entrega as estradas para a iniciativa privada que por sua vez, ira cobrar pedágio do povo para poder usar algo que era seu. Mas, é certo afirmar que muitas políticas de Thatcher deram certo. Salvar o país das mãos dos comunistas, foi fundamental para o Reino Unido ser o que é hoje, mas o comunismo totalitário e neoliberalismo são duas ideologias extremistas. O ideal esta em algum ponto entre os dois extremos. Thatcher salvou os Britânicos dos comunistas, mas entregou o país nas mãos dos neoliberais. Seu maior erro foi ter ido longe demais. Um país sem uma sociedade com senso de comunidade, composta de indivíduos egoístas e individualistas, esta condenada a falhar. O governo não tem o direito de vender o que é publico assim como não tem o direito de controlar o que é bem privado. Um país precisa funcionar como um clube de recreação onde os bens do clube não podem ser privatizados porque pertencem aos seus sócios, assim como os carros dos sócios são bens privados nos quais o clube não tem o direito de controlar.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s