A Falta de Bom Senso Do Anti-Americanismo (opinião)

By: Michaell Lange.

London, 31/08/15 –

O anti-Americanismo é um sentimento compartilhado por milhares de pessoas em todo o mundo. Mas até que ponto nosso sentimento anti-Americano faz realmente algum sentido? Em países da America do Sul por exemplo, somos ensinados a odiar os EUA desde criança. Mesmo que no fundo, todo mundo sonhe em viver nos EUA um dia, parece ser moda odiar os aquele país. É fato que os EUA tem cometido inúmeros crimes ao redor do mundo, propagando guerras e derrubando governos democraticamente eleitos. Mas são poucos os países no mundo cuja a história não esconda algum crime contra outros povos ou contra seu próprio povo. Mesmo com todos os defeitos, sera que ser anti-Americano é um sentimento justificável? Ou sera que fomos induzidos ao erro por conta do nosso passado ideológico? O que é ser um anti-Americano?

Depois de viver meus primeiros 25 anos de vida no Brasil, meu sentimento e minha opinião sobre os EUA não eram nada positivas. Como muitos dos meus amigos, eu costumava culpar os EUA por tudo de errado que acontecia no mundo. Meu sentimento anti-Americano não estava totalmente errado, mas minha ignorância com relação aos acontecimentos mundiais mantiveram minha opinião simplista por muito tempo. O que descobri mais tarde, depois de viver no Reino Unido por mais de 10 anos e estudar Relações Internacionais e Política na London Metropolitan University, foi que meus conceitos com relação ao anti-Americanismo estavam equivocados. Depois de conversar e debater com muitas pessoas que declaravam ser anti-Americanos, descobri que apenas uma fração destas pessoas são realmente anti-Americanas. Isso porque para você ser um anti-Americano de fato, é necessário ser contra tudo que venha dos EUA, incluindo os 300 milhões de Americanos, a internet, o Facebook, o Rock’n Roll, Jazz e o Blues, o Jeans, a Boeing que leva você de férias, o Iphone, o computador, aquele tênis que você adora, os filmes de hollywood, os video games, o voleibol, o controle remoto, o ar-condicionado e até o zipper das suas roupas, e isso apenas para citar alguns exemplos comuns das coisas que muitos anti-Americanos não abrem mão de usar ou usam sem saber. Alem disso, imagine o mundo sem Creedence, Lynyrd Skynyrd, Elvis Presley, Chuck Berry, The Eagles, The Doors, Guns N’ Roses, Kiss e tantas outras bandas que marcaram gerações no mundo inteiro? Se você se considera um anti-Americano, olhe bem a sua volta e você descobrira que na verdade você ama os Americanos!

O povo Americano é muito amigo e família. Deixemos de lado as exceções, afinal de contas, pessoas ruins existem em qualquer lugar do mundo. Em muitos aspectos, o Americano é muito parecido com o Brasileiro. A família nos EUA é uma instituição tão importante quanto para os Brasileiros. O Americano também é religioso e esta sempre disposto a ajudar as pessoas. Afirmar que não gosta de Americano significa não gostar de 300 milhões de pessoas, e nessa afirmação, sejamos sinceros, é mais fácil você estar errado no seu julgamento do que 300 milhões de pessoas. O território Americano também foi abençoado por Deus. Quem nunca sonhou em viajar por la e conhecer lugares como o Yellowstone, o Grand Canyon, New orleans, a Rota 66, a California, Memphis, ou a barulhenta Nova York ou as praias de Miami alem de tantos outros lugares que tem sua história marcada nas musicas de algumas das melhores bandas de Rock, Jazz e Blues do mundo?

Pessoalmente, me considero um dos maiores críticos dos EUA, mas o que descobri ao longo dos anos, é que existe uma grande diferença entre ser um anti-Americano e recusar tudo que venha daquele país, e ser um crítico das políticas adotadas pelo governo Norte Americano. E por falar em governo, acredito que estamos vivendo uma era de pouca representatividade dos governos ao redor do mundo. É quase como se o governo fosse uma instituição independente do povo, sem precisar seguir regras e leis, e que ao ser eleito, ganha o direito da posse ao invés do direito de representação. Essa diferença entre governo e povo me fez entender que eu nunca fui um anti-Americano, o que eu sempre fui e continuo sendo é, um grande critico das políticas externas dos EUA. E essa diferença é extremamente importante na hora de julgar um lugar sem levar em consideração todo um universo de fatores que existe no país em que esta-se pré-julgando.

A minha conclusão é que os EUA é um país fantástico, com um povo bom, amigo e muito comunicativo, com um território não menos espetacular mas, com um governo historicamente opressivo, com dificuldades de entender o resto do mundo e com atitudes que envergonham e condenam seu próprio povo ao medo e a insegurança. E quando alguém fala que o Americano não sabe de nada, eu pergunto, e o Brasileiro sabe?

Depois de muito tempo e muita autocrítica, me sinto satisfeito com a conclusão de que sou e sempre fui a favor do povo Americano, da mesma forma e com a mesma convicção com que sou a favor de todos os outros povos do mundo. Minha critica tem base na posição autoritária e opressiva dos governos que abusam do seu poder e não mais representam os interesses dos seus povos. Isso vale tanto para os EUA como para o Brasil e para qualquer outro país do mundo. Dessa forma, não sou contra o povo do Irã, do Paquistão, do Afeganistão, da Venezuela, Australia, Japão ou Canada. Sou contra as políticas opressoras promovidas por estes governos contra qualquer povo ou cidadão do mundo. A posição de poder do governo Americano faz com que a possibilidade de atos de abuso e crimes sejam mais frequentes e impunes mas, nada disso me faz gostar mais ou menos do povo Americano ou das conquistas do povo daquele país. Porem, as ações do governo Americano  me fazem ainda mais critico do governo mais poderoso do mundo e detentor da maior responsabilidade. Hoje, quando olho para os EUA vejo duas grandes instituições bem distintas, o povo e o governo. Julgar o povo pelos atos irresponsáveis do seu governo é quase como culpar o Peru pela tradição natalina dos Cristãos. E o exemplo Americano serve para qualquer outro julgamento. É importante procurar saber o que esta por trás dos nossos sentimentos e até que ponto é justo pensar dessa forma. Conhecer as origens dos nossos sentimentos é um caminho que nos leva a liberdade de pensamento, e quanto mais livre forem nossos pensamentos, menores serão as chances de sermos aprisionados por ideologias e outras armadilhas mentais espalhadas ao longo de nossas vidas. O anti-Americanismo é a prisão cuja a grade é a ignorância. O conhecimento é a chave da liberdade. Por tanto, não perca tempo, liberte-se!

William Waack E O Jornalismo Pobre, Negativo E Tendencioso

By: Michaell Lange.

London, 28/08/15 –

William Waack‬ da Rede Globo, assim como outros jornalistas de outras emissoras de TV e Radio, deveriam assumir suas responsabilidades de informar a população com jornalismo responsável e imparcial. Infelizmente, as grandes agencias de noticia do Brasil resolveram entrar na guerra política do país e promover exemplos dignos de vergonha a todos os jornalistas que cumprem seu papel e sua responsabilidade de informar o país de forma justa e correta.
Na matéria do Jornal da Globo (veja o video abaixo) o apresentador William Waack, começa com uma brincadeira, pedindo aos pais que “tirem as crianças da sala”, como se ele fosse mostrar cenas fortes, algo que a Rede Globo não faz nem quando precisa fazer de verdade. Basta observar o nível de exposição pornográfico na programação livre das novelas e programas de auditório. Em seguida ele vai comparando o superavit de R$15bi nas contas publicas do ano passado e o deficit de R$9bi no primeiro semestre deste ano. O interessante é que o Superavit do ano passado não foi reconhecido ou aplaudido por ele que agora, maximiza a importância de um deficit semestral de R$9bi que representa apenas 0,27% do PIB Brasileiro, enquanto países em reais dificuldades como Espanha, Grécia e Portugal chegam a apresentam deficits superiores a 100% do PIB. No Brasil, Lilian Witfibe, outra jornalista consagrada nacionalmente, afirma que a atual crise Brasileira é a maior desde Deodoro da Fonseca, primeiro presidente do Brasil em 1891. Waack também prefere não falar nada sobre a queda de 0,7% nas despesas publicas. Na sequência ele acusa o governo de querer botar a mão no bolso do contribuinte, como isso nunca tivesse acontecido. Segundo ele, o governo esta querendo re-introduzir a CPMF – Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira –  que por sinal foi uma emenda constitucional de numero 12, introduzida em Agosto de 1996 durante o governo de FHC e abolida em 2007 durante o governo Lula, depois de votação polemica no congresso nacional que na época, rejeitou a proposta do então presidente Lula de prorrogar o fim da CPMF até 2011 com a proposta de destinar 100% da arrecadação a Saúde. William Waack nunca se preocupou em questionar no JG, quem pagou pelos empréstimos do FMI – Fundo Monetário Internacional – feitos  por FHC para evitar a falência do Brasil nos anos 90.
Na continuação da reportagem, William Waack mostra uma noticia do Financial Times dizendo que o preço do Barril de petróleo teve o maior aumento desde 2008. A informação que William Waack omite da sua audiência, é que esse aumento representa apenas uma fração dentro de processo de queda de preço que ja dura quase dois anos e levou o preço do Barril do petróleo a cair de $100 Dólares em 2014 para pouco mais de $35 Dólares esta semana. veja o gráfico da NASDAQ -(http://www.nasdaq.com/markets/crude-oil.aspx). Essa queda no valor do petróleo é resultado da diminuição da demanda mundial do produto e sobretudo por conta da desaceleração da economia Chinesa que chegou a crescer 12% ao ano na ultima década e em 2015 não deve passar dos 7%. O crescimento atual da economia Americana esta baseada em dividas publicas ou seja, o governo lançou medidas que aumentaram os gastos públicos que naturalmente aumentaram a divida púbica Americana que ja passou dos $18tri de dólares. Acompanhe ao vivo no link ao lado usdebtclock.org.
Esse jornalismo apresentado por várias agencias e jornalistas de todo o Brasil precisa acabar. O povo não pode continuar sendo enganado para sempre por um jornalismo tendencioso e pessimista que promove um verdadeiro bombardeio de noticias negativas e que consequentemente colaboram com a crise em que o Brasil esta vivendo nesse momento. 

O mais importante não apenas a critica em si, mas a responsabilidade do Brasileiro de aprender a questionar videos e reportagens excepcionalmente bem produzidas como essa, para que não haja duvidas de sua veracidade. São reportagens produzidas para convencer as pessoas e influenciar na forma de pensar do povo Brasileiro. É possível notar que William Waack usa linguagem coloquial como: “é mole?” e “enfiar a mão no seu bolso”, para criar uma conecção com a população mais simples do país e poder assim, influencia-los mais facilmente.

É importante salientar que a critica feito por este artigo não deve ser visto como um apoio ao atual governo, nem a tentativa de diminuir as irresponsabilidades da atual presidente do Brasil. A crise existe, o Brasileiro esta sofrendo com as políticas de reajuste e a presidente tem demonstrado incapacidade de controlar e resolver os problemas mais sérios do país. A critica deste artigo porem, esta direcionada ao jornalismo irresponsável e tendencioso promovido por vários meios de comunicação do país incluindo os que apoiam o governo e que em nada beneficia o cidadão ou a atual situação política/econômica que estamos vivendo. Fica o alerta aos Brasileiros sobre a importância de questionar nossas autoridades e as pessoas que dizem capacitadas de informar a população de forma justa e correta. O Brasil só ira mudar quando o Brasileiro entender que o Brasil é você.

O Governo, A Sociedade E A Mídia: Três Elementos Que Precisam Trabalhar Juntos! (Opinião)

By: Michaell Lange,

London, 17/08/15 –

Os protestos deste Domingo (16) em todo o Brasil refletiram mais uma vez, uma profunda confusão entre o cenário politico e a situação econômica do Brasil. Os protestos que começaram de forma modesta durante a manhã, ganharam forte adesão no meio da tarde onde segundo alguns veículos de comunicação, chegaram a 350 mil pessoas na avenida Paulista. Um numero porem, bem abaixo do que alguns especialistas chegaram a prever. Alguns previam a possibilidade de 10 milhões de pessoas, o que certamente colocaria fim ao governo Dilma caso se materializasse. Mesmo assim, foi um numero expressivo e que precisa ser respeitado. A participação de grupos politicos na organização dos protestos deu argumento para os movimentos pró-Dilma criticarem a influência de interesses partidários, especialmente com a presença do candidato derrotado na ultima eleição Aécio Neves, que se fosse uma pessoa responsável, deveria estar ajudando a encontrar uma solução para o impasse político que parou o Brasil, ao invés de estar colaborando claramente com a tentativa de desestabilizar ainda mais o governo e a economia Brasileira com o intuito de obter lucro político. Mas é valido o argumento de que é impossível evitar influencias partidárias em eventos dessa magnitude.

Nas redes sociais, uma tempestade de videos demonstraram a diversidade de opinião e diferentes níveis de conhecimento político dos manifestantes. Enquanto varias pessoas demonstraram clara insatisfação com o governo e a corrupção sem citar partidos políticos ou interesses partidários, em outros locais pessoas foram agredidas pelo simples fato de estarem vestidas de vermelho. Os pedidos de intervenção militar diminuíram com relação aos últimos protestos, talvez, uma evidencia de que as pessoas estejam entendendo melhor as contradições entre os argumentos democráticos, intervencionistas e aqueles com simples interesse político. É importante dizer que as redes sociais tem sido uma ferramenta crucial na crescente participação dos Brasileiros nas questões políticas e no desenvolvimento de uma geração infinitamente mais politizada e ativa do que gerações anteriores. As redes sociais tem permitido que assuntos não abordados pela mídia geral sejam publicados, abordados e debatidos muito depois do fim das manifestações. Sem duvidas, as redes sociais tem sido uma ferramenta importantíssima para o desenvolvimento de um conhecimento mais apurado e critico sobre a política Brasileira. Apesar de ainda haver claramente, a falta de um conhecimento político adequado e a ausência de pontos importantes nos argumentos apresentados nas manifestações deste Domingo, foi possível observar que ha uma evolução positiva na forma como as pessoas vem se manifestando, sobretudo na questão pacífica. O Brasileiro ainda precisa aprender a se manifestar junto a grupos com opiniões contrarias assim como foi demonstrado pelas torcidas rivais durante a copa do mundo. O respeito pela opinião contraria numa democracia é tão importante quanto a própria democracia. Não é possível protestar a favor da democracia com cartazes pedindo o fim dos direitos Democráticos.

A mídia geral mais uma vez, demonstrou interesse político ao fazer a cobertura de mais um dia de protestos nacionais. Foi possível observar um pequeno esforço de algumas emissoras, de demonstrar uma certa imparcialidade, mas esse esforço precisa ser muito maior que o que foi apresentado. Em alguns canais de TV como a Rede Globo, a forma como a Globo News e o G1 transmitiram o evento, pareceu duas visões completamente diferentes e mesmo que digam que elas sejam independentes, a Globo News fez um esforço maior para convencer seus ouvintes sobre o numero de pessoas na Avenida paulista, algo desnecessário ja que as imagens estavam mostrando toda a avenida tomada por manifestantes. Outras instituições de comunicação como o SBT e a Jovem Pam, infelizmente, adotaram a parcialidade total dos seus meios de comunicação o que foge das suas responsabilidades morais de informar o publico de forma imparcial. As Redes Sociais tem sido uma fonte muito mais adequada de informação do que o material apresentado pela grande mídia. A irresponsabilidade dos principais meios de comunicação do Brasil tem colaborado de forma infeliz, com a confusão informativa em que o Brasileiro se encontra no momento. É de extrema importância que a mídia assuma sua responsabilidade social e informe a sociedade Brasileira com conteúdo informativo confiável. Sem a colaboração das principais instituições Brasileiras, fica praticamente impossível o desenvolvimento de um país melhor e mais justo para todos.

O governo federal mais uma vez, cometeu o erro de permanecer em silêncio e não responder imediatamente as manifestações deste Domingo (16 ), que levou centenas de milhares de pessoas as ruas de todos os estados Brasileiros, incluindo o Distrito federal. A Presidente Dilma tinha o dever e a responsabilidade de ir a TV em rede nacional e reconhecer os movimentos sociais e responder aos argumentos levantados pelas manifestações durante todo o dia de ontem. Ao menos, um porta voz da presidência deveria ter dado um mínimo de satisfação aos manifestantes e ao restante da população Brasileira. Mas a incompetência desse governo parece ter se tornado um problema generalizado. A falta de uma resposta do governo torna a situação política ainda mais delicada pois, demonstra que parte da população não esta sendo representada pelo executivo, mesmo que parte destas pessoas tenham votado na presidente. É lamentável que uma guerra política possa ter posicionado o governo contra qualquer seguimento da sociedade seja ela qual for, pelo simples fato destas pessoas não concordarem com o governo atual. Sejam coxinhas, ricos, patrões, elites ou que for, a sociedade brasileira tem o direito de protestar e o governo tem a obrigação de responder.

A conclusão é que mesmo tendo muito o que aprender, a sociedade Brasileira tem demonstrado uma superioridade em relação a mídia e governo, na forma como vem tem se comportado diante da realidade política que o país esta vivendo. A forma pacifica e ordeira, apesar das contradições e da intolerância de alguns manifestantes em casos isolados, devem ser reconhecidos por todos. A própria esquerda e os apoiadores da presidente tem um exemplo a seguir e algo a pensar com relação ao modo como se comportam nas manifestações. Uma, avenida paulista fechada de vermelho não é uma demonstração de apoio a presidente nem ao país, mas sim uma marca divisora de classes e de ideologias que não ajuda a sociedade Brasileira em nada. Mesmo havendo bandeiras partidárias, não se viu um mar de bandeiras do PSDB, e esse exemplo é preciso ser seguido pela esquerda. A sociedade Brasileira precisa trabalhar junto em prol de um país melhor para todos. As ideologias e os partidos políticos, juntamente com as suas cores, devem ficar em segundo plano. O governo e a mídia precisam assumir suas responsabilidades e liderar a sociedade Brasileira de forma responsável. Enquanto estes três elementos da sociedade brasileira não trabalhem juntos por um único objetivo, continuaremos a viver esse mar de confusão política e a perpetuação do sub-desenvolvimento.

O Erro Da Presidente Dilma Pode Ter Sido Um Erro Fatal

By: Michaell Lange,

London, 15/08/15 –

A instabilidade política promovida pelo impasse entre congresso e o Executivo esta dividindo o povo de uma forma cada vez mais perigosa. Cada vez mais, a extrema direita com apoio dos lideres da oposição e a extrema esquerda com o irresponsável apoio da presidente da republica, agravam uma queda de braço que não beneficia o Brasil em nada. Uma guerra política esta sendo travada em Brasília e os responsáveis por isso não estão preocupados com as sérias consequências que essa briga pode causar ao Brasil e a toda a América Latina. O impasse político que vivemos hoje é extremamente preocupante e perigosamente semelhante a situação vivida pela Venezuela, onde ambas as partes travaram uma guerra que paralisou a economia e nenhum político assume a responsabilidade pelo país.

No Brasil, as Instituições que apoiam a oposição, que inclui varias agencias de comunicação, estão promovendo uma campanha totalmente irresponsável e provocativa que não informa, não educa mas, incentiva a divisão da sociedade Brasileira em dois blocos que se aproximam cada vez mais de uma confrontação com riscos claros de se tornar violenta. Nenhum setor da sociedade Brasileira tem algo a ganhar com um confronto como esse. A total intolerância das duas principais frentes políticas do país em relação a outra, principalmente por políticos como Eduardo Cunha, Bolsonaro, Aécio Neves, Lula e Dilma, são evidencias claras e preocupantes de que o Brasil esta seguindo para um rumo inserto e possivelmente desastroso. Se as pessoas acreditam que o Brasil não pode viver uma situação de guerra civil, isso é motivo para ficarmos ainda mais preocupados. Os Brasileiros que sempre acusaram o governo de querer transformar o Brasil numa Venezuela, talvez, nunca estiveram tão certos. O problema é que o setor político que estas mesmas pessoas apoiam, são tão culpados por esta situação quanto a presidente Dilma e o ex-presidente Lula.

Porem, o momento mais estarrecedor de toda a instabilidade política vivida no Brasil desde a reeleição da presidente Dilma, foi o pronunciamento do presidente da CUT esta semana em Brasilia, na presença da própria presidente. Os assessores da presidente não deveriam ter deixado Vagner Freitas chegar nem perto da presidente Dilma com um discurso criminoso, irresponsável e totalmente inaceitável como aquele. O mais preocupante foi ver que a presidente Dilma não reagir as palavras extremas e provocativas de Vagner Freitas dando assim, seu apoio ao que foi dito ele. É inaceitável que um presidente da republica aceite um discurso que fale sobre “pegar em armas e ir para as ruas” lutar contra um adversário que nada mais é que o próprio povo Brasileiro. A posição da presidente Dilma de presenciar e aceitar o discurso do presidente da CUT, é uma declaração de guerra contra o próprio povo Brasileiro. O silêncio da presidente Dilma naquele momento e a não reação do ex-presidente Lula sobre o pronunciamento de Vagner Feitas, demonstra uma aceitação da presidência e do PT, de que uma situação de guerra civil onde cidadãos Brasileiros irão se matar nas ruas do Brasil, é algo tolerável. É inaceitável que um presidente da republica aceite e apoie qualquer idéia de violência que envolva seu próprio povo. Uma das principais responsabilidades de um presidente da republica é zelar pela segurança do seu povo e o pronunciamento do presidente da CUT com a presença da presidente Dilma foi um ato em favor da violência e contra o povo Brasileiro. O erro da presidente, pode ter selado sua carreira política além de ter condenado a vida de Brasileiros a morte caso haja confrontação nas ruas do Brasil.

O povo Brasileiro deveria, em resposta a esse ato irresponsável da presidente, ir as ruas amanha, unidos, de mãos dadas, Petistas e Tucanos com ou sem bandeiras, pedir NÃO a violência e o fim do impasse político que tenta dividir o povo Brasileiro para que duas facções políticas possam lutar pelo poder. O Brasileiro mais do que nunca, precisa neste momento, se unir, vestidos com as cores do PSDB e do PT para deixar claro que o povo Brasileiro não aceitará mais discursos de ódio e de divisão social que em nada beneficiarão o Brasil. Talvez seja o momento de colocar um basta nesta bagunça irresponsável, incompetente e perigosa promovida por pessoas cuja a responsabilidade é, proteger e promover o bem estar do povo e jamais admitir e aceitar qualquer idéia ou provocação que coloque em risco a segurança da sociedade Brasileira. Definitivamente, os políticos Brasileiros passaram dos limites e esse é o momento do povo Brasileiro dar a sua resposta de união e de repudio contra qualquer ação que possa causar ainda mais malefícios ao povo Brasileiros. A classe política ja demonstrou toda a sua irresponsabilidade. Agora é a vez do Brasileiro demonstrar que somos melhores que a classe que nos representa, e podemos sim, ser unidos em momentos cruciais como esse e dar a devida resposta aos nossos governantes. Ver o povo unido neste Domingo (16) vestidos com as cores dos seus partidos, caminhando de mãos dadas, seria a maior resposta que poderíamos dar a esse governo irresponsável e corrupto de que é hora de por fim ao impasse político e que não aceitaremos a violência e a possível morte de cidadãos Brasileiros por conta da irresponsabilidade dos governantes desse país. Vamos ignorar a vontade daqueles que nos querem ver divididos e mostrar que o Brasileiro é um povo maior e que nunca lutara contra si mesmo. Boa Sorte a todos e que a reflexão seja a nossa maior arma contra o ódio político e a violência.

Desfocando e Observando: A Crise Política é Maior Que a Crise Econômica? (Analise Política)

By: Michaell Lange.

London, 10/08/15 –

O impasse entre a presidencia e o congresso federal parou o Brasil. As ações que deveriam ser prioridade para combater a crise econômica foram deixadas de lado e deram lugar a uma irresponsável batalha política entre políticos da base aliada, oposição e situação. O país parece ter sido abandonado pela presidência e pelo congresso nacional, e a medida em que a crise política e econômica se agravam, a maior preocupação dos políticos em Brasilia parece ser as investigações da Lava Jato. Brasilia se tornou uma zona de guerra com um tiroteio de acusações fora do controle onde todo mundo atira para todos os lados e as balas perdidas acertam hora aliados, hora opositores. O governo como um todo, esta perigosamente enfraquecido e envolto numa situação caótica. A oposição, que tomou conta do congresso, criou manobras nunca vistas na história da casa para desviar-se e defender-se de todas as formas do tufão lava jato. A presidente da Republica tenta juntar os cacos que sobraram da sua base aliada e do seu próprio partido para tentar voltar a governar o país ao invés de passar a maior parte do tempo se defendendo de ataques vindo de todos os lados. Para a oposição, culpar a presidente por tudo, tem sido uma estratégia de sucesso. A antipatia e a total falta de habilidade e articulação da presidente tem sido um prato cheio para a oposição. A falta de talento da presidente deixou a oposição a vontade para transformar uma crise relativamente pequena e facilmente controlável, parecer um furacão de categoria 5. O resultado dessa estratégia ilusionista, que deixaria até mesmo o mestre do ilusionismo David Copperfield morrendo de inveja, foi o maior nível de desaprovação popular ja exercida por um presidente da republica. Falar mau da presidente se transformou em sinônimo de inteligência, e defende-la é um crime hediondo. Jô Soares chegou a receber ameaça de morte, e o ator José de Abreu sofre campanha nas redes sociais pedindo o boicote de todos os seus trabalhos. Até mesmo o ex-presidente Lula usa da modéstia para falar sobre a presidente. Nem mesmo o envolvimento de quase todos os principais membros da oposição nas investigações da Lava jato, incluindo Renan Calheiros, Eduardo Cunha e Aécio Neves, parece melhorar o quadro de desaprovação da Presidente da Republica.

Por outro lado, se deixarmos de lado um pouco da situação desesperadora apresentado diariamente pela mídia principal, não fica difícil perceber que a crise econômica atual não é, nem de longe, parecida com o que o Brasil ja enfrentou no passado. Para quem ja viveu 70% de inflação ao mês e dois acordos com o FMI e viu boa parte das grandes empresas estatais Brasileiras serem entregues para capitais internacionais, entende que a crise atual é muito mais uma crise política do que uma crise econômica. Para quem esta assustado com a desvalorização do Real, vale lembrar que até 1990 o Brasileiro fazia compra com nota de 50.000 Cruzeiros. Mesmo assim, grande parte dos jovens Brasileiros não viveu essa época e por tanto, não lembra da época em que as famílias compravam o “rancho” para o mês inteiro porque a hiper-inflação consumia o salário do trabalhador com a mesma ferocidade que um leão faminto consome sua presa. Ao mesmo tempo, o Brasileiro não deve aceitar que os problemas do passado justifiquem os problemas do futuro, afinal de contas, ninguém gosta de sofrer uma crise econômica, principalmente depois de ter vivido uma onda de crescimento econômico de mais de uma década onde a construção civil, a industria de alimentos e produção além da balança comercial, desfrutaram de crescimentos records. É evidente que a situação atual é delicada para milhões de Brasileiros que hoje, tem dificuldades em pagar suas contas. Toda critica direcionada ao atual governo é perfeitamente justificável, afinal, são eles que estão no poder. Porem, é importante lembrar que diferentemente de uma ditadura absolutista onde todas as decisões são tomadas por uma única pessoa, na democracia o poder executivo exercido pela presidente é constantemente desafiado pelo congresso nacional que também tem a função de  criar Leis e aprovar projetos.

O atual caos político no Brasil tem uma razão que poucas pessoas conseguem ver por conta da cortina de fumaça criada pela forte propaganda de desinformação promovida pelo governo e pela oposição, que confunde e certamente desinforma o cidadão que depende apenas do que é noticiado pela grande mídia. O PT, mesmo desunido na sua base política atual, tem um plano concreto e praticamente infalível para continuar no poder depois das eleições de 2018. O Brasileiro vai sofrer com a crise criada pelo reajuste fiscal do governo federal até o final de 2016. Depois disso, o governo federal ira investir forte em infra-estrutura, segurança, saúde e educação. Estradas serão duplicadas, Portos e aeroportos serão ampliados ou reconstruídos, novos hospitais, escolas e universidades serão criadas. Impostos serão cortados e os preços da energia, agua e combustíveis irão baixar drasticamente. Estas iniciativas irão criar uma nova onda de otimismo e o povo voltara a consumir. Os juros irão baixar novamente e os empréstimos para a compra de casas e carros serão facilitados. A economia Brasileira voltara a crescer e a crise ficará no passado. As verbas para esses investimentos colossais, virão da atual reserva de capital do governo federal que gira em torno de R$ 300 bilhões Dólares e de acordos de investimentos que serão assinados com o novo Banco de investimentos do BRICS. Vale Lembrar que o Brasil não tem acordos financeiros atuais com o FMI ou Banco Mundial. Na metade de 2017 o ex-presidente Lula se lança candidato a presidência da republica, que aliado ao crescimento econômico não dará chances a oposição. O PMDB desistirá de apresentar um candidato próprio e apoiará a candidatura de Lula. Em 2018 Lula sera eleito presidente e certamente ficará mais oito anos no governo. A única alternativa para a oposição sera um golpe militar aos moldes de 1964 que desta vez poderá levar o Brasil a uma guerra civil, algo que não seria bom para ninguém e por isso, mesmo esta alternativa não sera visto como uma opção positiva. As Eleições presidenciais nos EUA terão um grande peso sobre o futuro politico Brasileiro. Uma vitória do Republicano Donald Trump pode ser desastrosa para o Brasil, mas se Hillary Clinton for a vencedora, um golpe militar no Brasil em 2018 seria algo improvável.

Para ter qualquer chance de tirar o PT do poder em 2018, a oposição precisará convencer o PMDB a apoia-lo. Sem o PMDB ninguém vence as eleições para presidente no Brasil. Além disso, a oposição precisará urgentemente controlar seus discípulos mais extremistas e adotar um discurso menos agressivo e mais positivo. Definir um novo candidato sera outro grande desafio. Aécio Neves é praticamente inelegível. Com muita transformação, Aécio pode até ser vice, mas nada além disso. O candidato da oposição precisará ter bom histórico, ser moderado, confiável e carismático o suficiente para desafiar a popularidade de Lula. As duas fortes combinações possíveis e que dariam chances reais de vitória em 2018 para a oposição, seriam Aécio neves como vice de Geraldo Alkmin, ou Joaquim Barbosa com um PMDBista de vice. mas, convencer Joaquim Barbosa seria uma tarefa tão difícil quanto ganhar as eleições. De qualquer forma, a oposição precisa começar a trabalhar duro agora porque não ha tempo a perder. Para isso, os Tucanos precisam deixar de lado a idéia de impeachment, voltar a mesa de reunião e planejar as estratégias necessárias. Entre elas esta, fazer as pazes com o atual governo e ajudar o país a sair da crise econômica para juntar créditos para serem usados na campanha presidencial de 2018. É pouco provável que a cúpula da oposição esteja pronta para esta decisão no momento, mas é certo que quanto mais tempo eles levarem para se organizar, menor serão as chances do PT sair do poder em 2018.